:: Assassinos de porta-aviões da Marinha russa e o ambiente estratégico.


A Rússia está redobrando seus esforços para aumentar sua dissuasão nuclear naval e capacidade oceânica. Tais movimentos refletem o interesse crescente de Moscou na salvaguarda do interesse dos recursos naturais do Ártico e o crescente poder militar da região Ásia-Pacífico, argumenta Vladimir Karnazov.

O potencial militar crescente do Japão e da China – e as contínuas disputas territoriais sobre a cadeia de ilhas Curilas e a Dorsal Ártica – tem motivado a Rússia a aumentar a despesa para sua dissuasão nuclear naval e forças oceânicas.

Em novembro de 2011, o Ministério russo da Defesa firmou encomendas para quatro unidades do Projeto 955A Borey-A de cruzadores de mísseis estratégicos submarinos e cinco do projeto 885M Yasen-M de mísseis submarinos. No início de 2012 foram tomadas as decisões de reequipamento e modernização do Projeto 1144 de cruzadores de propulsão nuclear e do projeto 949A de mísseis de submarinos. Por estimativas aproximadas, esses compromissos combinados amontoam a quantidade de $10 bilhões de dólares americanos.

Submarin_comparison

Primeiro submarino da classe Borei, Yuri Dolgoruki (20 mísseis) em comparação com o lendário submarino soviético Typhoon (16 mísseis) e com o Britanico Vanguard.

Em janeiro de 2012 a Rússia entregou o submarino de ataque rápido K-152 Nerpa para a marinha indiana em uma locação de 10 anos, um negócio no valor de $0,9 bilhão de dólares americanos. Esses e outros movimentos recentes podem levar a mudanças no atual balanço de forças na região Ásia-Pacífico.

Onde vai estar o inimigo?

O período entre o final de 2011 e início de 2012 trouxe a notícia do mais alto nível de encomendas de equipamento naval colocado pelo Kremlin desde o colapso da União Soviética. Também durante este período Moscou começou a cumprir as obrigações em ajudar Nova Deli, aliado de longa data e cliente, a construir as forças nacionais de dissuasão nuclear e propulsão atômica. Além disso, este período foi marcado pelos líderes do Kremlin expressando sua insatisfação com a implantação de sistemas antimísseis dos EUA na Europa e promete uma resposta “assimétrica”.

Esta “resposta” é para manter as chamadas forças russas de dissuasão nuclear intactas e capazes de responder aos novos desafios. No final de 2011 Dmitri Medvedev e Vladimir Putin deixaram claro que essas forças são: os EUA e a OTAN. Aos olhos do Kremlin, o escudo interceptor de mísseis a ser criado na Europa Ocidental destrói o equilíbrio estratégico existente entre EUA e Rússia. Assim, as forças de dissuasão nuclear devem ser atualizadas de acordo com estas novas realidades. A construção de submarinos estratégicos, juntamente com reequipamento e modernização de ativos em serviço nucleares é um passo nesse sentido.

Quaisquer que sejam as grandes idéias sobre uma nova corrida armamentista que possam estar na mente dos estrategistas do Kremlin, o estado atual indiferente da economia nacional e o declínio do complexo industrial militar não vai permitir que a Rússia retome imediatamente a restauração do equilíbrio estratégico de forças navais perdido para os EUA e os seus aliados da OTAN. Além disso, os líderes do Kremlin têm feito certas promessas para o Ocidente. Estas incluem acordos em troca de ajuda financeira dos países ocidentais sobre a demolição de submarinos nucleares desativados no quadro do CTR (“redução da ameaça comum”) e outros programas. O programa CTR tem sido importante para a Rússia e a OTAN. No decurso da “Perestroika”, a Marinha russa reduziu à metade o número do seu pessoal e teve desativado mais de 50% de seus navios de guerra no período de cinco anos entre 1992 e1997. Em dois anos apenas, 1990 e 1991, 91 e 33 submarinos, respectivamente, saíram de atividade. Em 1996, a Rússia teve mais de 150 submarinos desativados amarrados em portos com suas barras de combustível nuclear e combustível usado ainda dentro de seus reatores.

Com a ajuda ocidental, a Rússia construiu instalações adicionais para desmontagem de navios de guerra e, a partir de outubro de 2006, havia descartado 137 submarinos nucleares. Nessa altura, o número de n-subs desativados chegou a 197, dos quais 25 estavam sendo processados e outros 32 esperando sua vez. Até agora, as instalações de desmontagem de navios de guerra em Severodvinsk têm atingido a capacidade anual de seis n-subs. A capacidade de outra planta, Zvezda no Extremo Oriente, é provavelmente a metade disso.

Embora a questão dos submarinos desativados tenha sido amplamente resolvida, a Rússia ainda pode precisar de ajuda financeira do Ocidente e assistência técnica para o combustível nuclear usado. De acordo com um artigo recentemente publicado “submarinos soviéticos da marinha 1945-1991″, de Yuri Apalkov, em 2007, a Marinha russa mantem em suas bases 21.000 caixas de combustível nuclear usado. A questão do seu tratamento ainda está longe de ser completamente resolvida.

Por essas e outras razões, o Kremlin tem tentado não correr em um confronto direto com os EUA e OTAN. Ao mesmo tempo, tem tentado defender a longo prazo os interesses nacionais e ampliar o acesso a tecnologias ocidentais e recursos financeiros – tanto quanto necessários para a renovação dos esforços da economia da Rússia. Os EUA, também, tem se interessado em Moscou como um defensor da Guerra ao Terror.

Washington e Moscou compartilham opiniões sobre o Afeganistão e outros pontos quentes. Os dois têm interesses comuns, incluindo aqueles na economia global e na Ásia. Obviamente, a Casa Branca e o Kremlin estão de acordo sobre a questão do petróleo e do gás natural: aumentar a exportação russa de combustíveis fósseis deve ajudar a diminuir o impacto sobre a economias norte-americana e dos países aliados após a proibição da UE sobre as compras de petróleo iraniano.

Com as considerações acima tomadas em conta, parece mais provável que as recentes encomendas de equipamentos navais estão destinadas principalmente a manutenção do poder da marinha russa acima do crescimento das forças navais dos “tigres asiáticos”.

China e Japão têm feito grandes progressos recentemente no fortalecimento de suas marinhas. Construtores navais em Dalian já terminaram o trabalho de conclusão do primeiro porta-aviões, o Lang Shi. Os testes no mar ocorreram pela primeira vez no segundo semestre de 2011. A China declarou planos para a eventual construção de vários porta-aviões. Pequim continua o desenvolvimento e a fabricação de submarinos nucleares. Sem permissão Russa, a China lançou a produção do J-11, um clone do caça Sukhoi Su-27 baseado no solo, e do J-15, um clone do caça Su-33 em plataforma. Estaleiros locais tem produzido cópias do projeto 636 de submarinos diesel-elétricos. O Japão tem sido ainda mais preocupante e desafiador em sua expansão de capacidades. Sua força de “auto-defesa” encomendou uma série de muito avançados ativos oceânicos de classes anteriormente desconhecidas. O Japão construiu uma série de grandes submarinos convencionais AIP equipados e está trabalhando em outros mais avançadas apresentando estendida autonomia marítima e indetectáveis através do uso de motores Stirling de alta potência de ciclo fechado.

O Atago DDG177 e o destruidor DDG178 Asigara com deslocamento total de 10.000 toneladas entrou em serviço em 2007-2008. O Hyuga DDH181 e o DDH182 ISE “destruidores de helicóptero”, com deslocamento total de 18.000 toneladas entrou em atividade em 2009 e 2011, respectivamente. A JMSDF logo vai estar adicionando a classe Shirane ainda maior ao crescente arsenal. Os últimos três navios carregam helicópteros, mas sugestões foram feitas para que seu tamanho e sistemas sirvam às operações de plataforma do caça II F-35 Lightning.

16ddh10

Porta-helicópteros japonês 16ddh10.

DDH182_Ise_IHIMU

O JDS Ise (DDH-182) é um destruidor de helicóptero da classe Hyūga da Força de Auto-Defesa (JMSDF) da Marinha japonesa. É o segundo navio a ser nomeado Ise, o primeiro navio de combate Ise foi da Marinha Imperial Japonesa na época da Segunda Guerra Mundial. O navio foi construído pelo IHI Marinha Unida e colocado em serviço em 16 de março de 2011. Fonte: Wikipedia.

A Índia também tem investido pesadamente em forças oceânicas. Este ano, o INS porta-aviões Vikramaditya será empossado para se tornar o maior navio de combate de todos os tempos no inventário nacional. Além disso, a Índia está construindo “desenvolvidos em casa” submarinos da classe Arihant de propulsão nuclear. Moscou tem ajudado estes e outros programas em uma base comercial. A participação nestas atividades ajudou os estaleiros russos e fabricantes de mísseis navais a sobreviver ao difícil período de transição de um comando para uma economia orientada para o mercado, e manter as habilidades necessárias para o desenvolvimento de sistemas de combate avançados.

vikramaditya-aircraft-carrier

Porta-aviões indiano fabricado pela Rússia e batizado de Vikramaditya na Índia.

vikramaditya-carrier-5616

Porta-aviões indiano Vikramamaditya.

comparison-china-india-aircraft

Comparação do porta-aviões chinês e indiano.

China-aircrarft

Porta aviões Variag vendido à China ainda inacabado na época pós-soviética, agora totalmente concluído.

Disputas territoriais.

Submarinos modernos com propulsão nuclear podem chegar a quase qualquer dado ponto oceânico. Ao lançar a produção em massa dos submarinos atômicos em 1950, a União Soviética queria seus cruzeiros subaquáticos para sempre seguir os grupos de porta-aviões USN e destruí-los em caso de guerra.

Os planos de hoje são diferentes. Moscou quer que os seus navios de guerra submarinos atômicos sirvam à proteção de vastas posses da Rússia no Norte e no Oriente contra possíveis agressores. Estas possessões contêm enormes recursos naturais, que, como os estrategistas do Kremlin pensam, podem um dia ser desafiadas por países vizinhos economicamente fortes, mas com recursos limitados. Na opinião deles, as forças chinesas e japonesas devem ser combatidas por esse motivo.

Em 2007 e 2008, o Kremlin tinha de fazer medidas no sentido de Pequim e aliviar a longa disputa territorial sobre as linhas da fronteira terrestre sino-russa. Os dois países assinaram acordos em que os guardas de fronteira russos se retiraram algumas das terras disputadas, deixando-os com os seus homólogos chineses. Isso permitiu a ambas as partes afirmarem que a questão foi finalmente retirada de pauta. No entanto, nem todo mundo está feliz com o acordo, e assim algum tipo de tensão ainda permanece.

A situação é semelhante com o Japão, que tem fortes reivindicações para a cadeia de ilhas Curilas e a ilha de Sakhalin. No decorrer da Segunda Guerra Mundial e logo após a rendição japonesa incondicional aos Aliados em 1945, o Exército Vermelho levou a Sakhalin e o arquipélago das Curilas em uma rápida e avassaladora operação militar. A disputa entre Rússia e Japão sobre a soberania sobre as ilhas Curilas do Sul veio à agenda em 1950, quando Tóquio tentou rever os acordos de paz assinados sob extrema pressão. A área em disputa vai todo o caminho para o sul da península de Kamchatka até Kunashir perto de Hokkaido. As ilhas em questão são banhadas pelo Mar de Okhotsk, no oeste e pelo Oceano Pacífico Norte, a leste.

Leia também: Curilas, disputa.

Entre outras considerações, uma boa razão para manter as Curilas é que esta cadeia de ilhas efetivamente bloqueia a entrada para o Mar de Okhotsk das forças USN de guerra anti-submarina (ASW), e assim fornece a segurança relativa dos submarinos russos cruzadores de mísseis em patrulhas de dissuasão nesta grande área. No tempo de Gorbachov o Kremlin deu a entender que poderia desistir das reivindicações sobre as ilhas de Iturup, Kunashir, Shikotan e Habomai em troca de promessas do Japão sobre o estado não-militar dessas. Isso não ajuda a situação e desde então tudo continuou como estava.

Em fevereiro de 2010 o presidente da Rússia, Dmitri Medvedev, ordenou melhorias substanciais para a defesa das Curilas, incluindo reforma de dois aeroportos e a implantação de sistemas anti-mísseis S-400 de longo alcance. A mudança foi feita após o Japão ter protestado contra a visita de altos dirigentes russos às ilhas, inclusive ele próprio Medvedev e o Ministro da Defesa Anatoly Serdyukov, chamando-as de “provocativa”. Ao mesmo tempo, durante essas visitas às ilhas, a população [russa e nativa] que fortemente tem rejeitado a idéia de soberania japonesa pediu proteção ao Kremlin.

Segundo o jornal Kommersant, sediado em Moscou, dentre as unidades do exército russo nas disputadas ilhas [Curilas do Sul] estão a 18ª Divisão Machine-gun/Artillery composta de dois regimentos. O 46º Regimento está estacionado em Kunashir, e o 49º Regimento em Iturup. Além disso, há um regimento de tanques independente sobre Kunashir (durante 2010 seus 92 principais tanques de batalha T-55 desatualizados foram substituídos por um número não-especificado do mais moderno T-80) e um batalhão de infantaria motorizado independente em Iturup. O jornal dá a seguinte [incompleta] lista de armas na posse das unidades acima mencionadas: 18 lançadores múltiplos de foguetes Grad BM-21, 36 canhões rebocados Giatsint-B e 18 howitzers obuses rebocados D-30, 12 Buk e 12 lançadores SAM Strela-10, 12 autopropulsados ZSU-23-4 Shilka e 8 sistemas de armas anti-aéreas rebocadas ZSU-23-2. A 39ª brigada de infantaria motorizada em Ilha Sakhalin dá suporte a essas forças. Curiosamente, o jornal não menciona a 451ª Brigada de Mísseis. Alegadamente, a brigada foi formada no início de 1990 para se unir sob um único comando separado com as unidades estacionadas em Sakhalin e as ilhas Curilas, incluindo quatro regimes de mísseis que na época estavam armados com o Rubezh (P-15M) e Redut (3M44 Progresso) sistemas de mísseis anti-navio. Em 2011, o Ministério da Defesa russo falou dos planos para reforçar ainda mais as defesas das Curilas com o sistema Bastion (3M55).

A Plataforma do Ártico é mais uma parte da Terra cuja soberania está sendo discutida. O Kremlin quer ter uma maior parte dela, enquanto os EUA, Canadá, Noruega e outros membros da Otan têm opiniões diferentes.

arctic2

Àreas em disputa no Ártico.

Hoje, a Rússia é o maior possuidor mundial de recursos naturais, cujo valor é estimado em 140 trilhões de dólares americanos, cerca de 10 vezes o PIB dos EUA e cerca de 200 vezes maior do que o seu próprio. A quota russa em reservas mundiais conhecidas de petróleo é de 23%, de gás natural 33%, de carvão 50% e de madeira de 23%. A renda anual das exportações de petróleo é estimada em apenas US$300 bilhões. Através da exploração dos vastos territórios, o Kremlin quer manter sua liderança mundial no desenvolvimento e exploração de recursos naturais. A capacidade da Marinha é essencial para fornecer a proteção desses territórios de possíveis agressores.

Construção naval nuclear: estado atual

De acordo com estatísticas oficiais, entre 1955-1993 na União Soviética [e depois na Rússia] foram construídos 234 submarinos a propulsão nuclear a queda em três gerações. Estes incluíram 123 n-subs feitos em Severodvinsk, 56 em Komsomolsk, 39 em São Petersburgo e 25 em Nizhny Novgorod. A Rússia continua agora a uma velocidade muito mais lenta. O navio principal da classe Borei Projeto 955, Yuri Dolgorukiy, tornou-se o 1001º submarino [armado] construído na Rússia desde outubro de 1917.

Após o colapso da União Soviética, a indústria de construção naval nuclear da Rússia foi transformada em algo muito menor. Empresas-chave na costa do Mar Negro pareciam estar no território da agora independente Ucrânia – que se proclamou estado não-nuclear. É verdade, essas empresas tinham pouco a ver com a tecnologia de propulsão nuclear, com exceção de algumas ambições no final de 1980, quando a marinha soviética planejou a construção de porta-aviões nucleares.

Russian Black Sea fleet

Frota do Mar Negro, sediada em Sebastopol, na Ucrânia, região militar administratada pela Rússia.

Atividades nucleares na cidade de São Petersburgo foram diminuindo por uma série de razões. Sob as convenções internacionais, o Mar Báltico tem um status não-nuclear. A marinha russa não implanta ogivas atômicas em navios de guerra e não dá ordens para a construção de navios de propulsão nuclear na área.

Os estaleiros do Almirantado concluíram seu último projeto 671RTMK do submarino de ataque rápido Tambov K-448, em 1992. Desde então, a empresa esteve completamente focada em submarinos diesel-elétricos. O último combatente de propulsão nuclear de superfície construído em São Petersburgo foi o denominado Pedro, o Grande, do Projeto 1144,2. O cruzador de 23.800 toneladas, adiante e o último da série Atlant (após Ushakov, Lazarev e Nakhimov), foi encomendada em 1998, e serve com a Frota do Norte.

Os estaleiros de São Petersburgo continuam trabalhando em projetos civis. Foi completado uma estação de geração de energia elétrica nuclear flutuante conhecida como Projeto 20870 com deslocamento de 21.500 toneladas. Mais seis estações e cinco quebra-gelos de propulsão nuclear estão em ordem. No entanto, este negócio está sob fortes críticas como não adequado e potencialmente muito perigoso para uma cidade com uma população de cinco milhões.

O pátio Sormovo Vermelho em Nizhny Novgorod construiu uma série de submarinos exclusivos, incluindo o Projeto 945 de casco de titânio, que ainda está em serviço. Sob as ordens do Kremlin, esta empresa foi reestruturada em 1990 e não funciona mais para os militares.

A Usina Shipbuilding Amur (ASP) está localizada em Komsomolsk. O rio Amur atravessa a cidade até o Oceano Pacífico. ASP sofreu durante a transição da economia russa de comando para princípios dirigidos ao mercado. Não fosse o negócio indiano para o projeto de 971 de submarinos de ataque rápido, esta empresa teria fechado. Em 2008 a ASP completou o submarino Nerpa K-152. Após os testes de mar e treinamento da tripulação indiana, o navio foi entregue à Marinha da Índia em 23 de janeiro de 2012. Mas mesmo com a existência do cliente indiano, é improvável que a ASP vá mais longe do que a conclusão de mais um ou dois navios do Projeto 971.

Isso deixa a Rússia com apenas uma empresa de pleno direito capaz de construção naval nuclear no longo prazo. Este é o Estaleiros Sevmash (SMP) em Severodvinsk, localizadas perto da fronteira do extremo norte com a Finlândia. A empresa teve momentos difíceis no período de 1998-2003, quando as ordens eram escassas. No entanto a gestão da empresa se recusou a demissão em massa, em vez disso fez manter os trabalhadores no local, servindo jantares durante o horário de trabalho para todos os funcionários e a distribuição de alimentos para suas famílias. Isso ajudou a salvar um núcleo de pessoal competente da empresa até que a situação financeira melhorou.

Estaleiro Sevmash (SMP)

A especialização principal do estaleiro é a fabricação de navios, submarinos e equipamentos militares para a Marinha russa. Sevmash é o único estaleiro na Rússia produzindo submarinos nucleares. O último submarino nuclear produzido no estaleiro é o Severodvinsk submarino de propulsão nuclear de ataque, que foi lançado em 2010. fonte: wikipedia.

Dmitry Medvedev e Vladimir Putin têm sido os visitantes frequentes de Severodvinsk, ajudando as empresas locais e a cidade a aliviar os seus problemas financeiros, tecnológicos e sociais. Hoje, Sevmash emprega diretamente 27 mil pessoas, com salário médio mensal ligeiramente acima dos US$ 1.000. A administração considera esta figura como “suficiente” para manter as famílias dos funcionários acima da linha da pobreza. Com as ordens recentemente cumpridas do Projeto 955 e do projeto 885 de submarinos, a participação das ordens militares domésticas no portfólio da empresa subiu acima de 70%.

Ao visitar Severodvinsk em fevereiro, o representante do ministro do Governo russo Dmitry Rogozin encarregado da indústria de defesa disse que os estaleiros locais são contratados para construir oito submarinos nucleares da quarta geração até 2020, e que mais pedidos estão chegando. Ele ainda disse que o programa anterior para a demolição da terceira geração de submarinos está a ser revisto, de modo que “estes navios irão obter mísseis mais novos e ser submetidos a uma série de esforços de reparação… o que lhes permite servir por mais sete anos.”

Preços

Em novembro de 2011, o Ministério da Defesa russo premiou Sevmash com encomendas para a construção de quatro cruzadores submarinos estratégicos Projeto 955 Borey-A armados com os mísseis balísticos intercontinentais Bulava. Este pedido vem após a construção de três Boreis do Projeto 955 (Yuri Dolgorukiy, Aleksander Nevsky e Vladimir Monomakh) agora submetidos a testes de aceitação.

O cliente também encomendou cinco submarinos de ataque rápido Projecto 885M Yasen-M, em adição ao submarino Severodvinsk K-329, já submetido a ensaios para o mar. A soma exata desses contratos não foi tornada pública. Sabe-se apenas que o Alexander Nevsky foi construído sob contrato no valor de 23 bilhões de Rublos, o que equivale a US$ 0,75 bilhões de dólares.

Em 2012 a Sevmash espera encomendas adicionais para o cumprimento de certos cascos da terceira geração de submarinos colocados em serviço em meados da década de 1990, bem como para o reequipamento e modernização de submarinos encomendados anteriormente e combatentes de grande superfície. Por que tantas encomendas domésticas do Ministério da Defesa a Sevmash e os seus principais parceiros industriais, apenas recentemente? Por que o ministério não agiu de forma semelhante durante alguns anos anteriores? Nós podemos sugerir uma resposta a estas perguntas.

As grandes encomendas do final de 2011 – início de 2012 foram precedidas por um longo processo para a elaboração de um sistema de cálculo de preços completamente novo que foi realizado pelo Ministério da Defesa e pela indústria. Quando o corrente ministro da Defesa, Anatoly Serdyukov teve sua posição, em 2007, ele chamou a indústria para uma nova abordagem de contratos que devem priorizar preços eficientes da produção em série de armas modernas. Como ele disse, a abordagem tem que ser feita e precisa permanecer no local até 2020.

Estaleiros locais não estavam preparados para esta mudança na política de aquisição do governo. Só em 2011 – depois de uma série de mudanças estruturais – foi que a indústria foi capaz de retomar as negociações com o cliente. Em meados de 2011 os lados formularam princípios mutuamente aceitáveis e prosseguiram com o cálculo dos valores do contrato para uma selecionada gama de produtos navais.

O Projeto 955 serviu de cobaia, nele os novos métodos de cálculo de preços foram julgados. Este produto já tinha sido dominado pela indústria, enquanto o Ministério da Defesa queria adquirir mais navios. Em setembro-outubro os cálculos foram feitos e apresentados ao ministro da Defesa para aprovação. Isto permitiu a assinatura do contrato novembro de 2011.

A essência do novo sistema é o de incentivar a indústria a reduzir continuamente custos de produção e melhorar a gestão de recursos. Os lucros do fabricante são feitos diretamente dependente de poupança que ele alcança durante a produção em série de armas modernas. Isso requer uma gestão de recursos mais eficaz, reduzindo os custos de produção e tornando a produção mais eficiente economicamente.

Figurativamente falando, o papel de Serdyukov na transformação do complexo de defesa militar russa é semelhante ao de Robert McNamara em os EUA. Mas as considerações de preços são apenas uma parte da resposta para as perguntas acima. Além disso, existe o fator de 2012: as eleições presidenciais de Março, que Putin ganhou. Na véspera das eleições, o Kremlin aumentou os gastos militares, na esperança de conseguir mais apoio dos eleitores de empregados por empresas de grande porte e de defesa dos cidadãos das cidades onde essas empresas situam.

Ameaça de Aviação evaporada

Em fevereiro, o porta-voz da força aérea russa disse que o serviço pretende atualizar cerca de 30 Tu-22M3 bombardeiros supersônicos balança-asas durante os próximos oito anos. Dizem que, entre 50 e 60 de tais grandes jatos preenchem os requisitos de aeronavegabilidade. Hoje, o Tu-22M3 é o único ativo da aviação eficaz disponível para combater grupos de transportadores (porta-aviões) e forças-tarefa navais formadas em torno de cruzadores modernos e destruidores.

Leia também: Bombardeiros estratégicos russos

O acervo de aeronaves da aviação naval da Rússia sofreu 78% de redução numérica durante o período 1992-1997. Além disso, diminuiu até meados de 2011, quando a maioria dos aviões de grande porte da Aviação Naval foram transferidos para a Força Aérea. Efetivamente, a Marinha perdeu sua aviação componente anti-transportador. A iniciativa causou polêmica, e ainda havia uma boa razão por trás disso. Os tipos de aeronaves mais poderosas e complexas em serviço com a Força Aérea e a Aviação Naval tornou-se tão pequena em número que suas operações separadas e manutenção perdeu o merecimento de combate e sentido econômico. Isso se aplica especialmente para os bombardeiros Tupolev e aviões de reconhecimento.

Navios de guerra de superfície contam pouco

Com o Tu-22M3 já não mais em sua posse, a Marinha russa tem que confiar inteiramente em seus navios de guerra, quando se trata de lutar contra transportadores do inimigo. A Marinha tem alguns combatentes de superfície, mas estes pouco podem fazer diante da potencial superioridade aérea do inimigo e do número maior de navios. O máximo que pode fazer é ajudar submarinistas durante operações conjuntas.

aircraft_carrier-comparison

O programa de construção naval em 2005 prevê a construção de 30 corvetas, 20 fragatas e seis destróieres. Por deslocamento, capacidade de operar em mares revoltos e duração de operações autônomas estes navios não são páreos para cruzeiro in-service.

russian fleet

As Frotas da Marinha russa.

O Ministério da Defesa russo agendou o almirante Nakhimov para reequipamento e modernização em 2013. Seu construtor Severnoye PKB foi convidado a preparar um pacote de documentação adequada, até abril de 2012. O terceiro Projeto 1144 cruzador movido a energia nuclear foi encomendado em 1988. Ele está no porto de Severodvinsk aguardando reparos. O destino do seu navio irmão concluído em 1984, o Almirante Lazarev, será decidido mais tarde, enquanto o anterior Almirante Ushakov foi desmantelado há muito tempo e deve ser demolido.O Ministério da Defesa está buscando uma forma rentável para a atualização do Projeto 1144. Isso envolve manter suas máquinas e substituir mísseis mais antigos por outros mais modernos. O sistema anti-navio P-700 Granit empregando os mísseis de cruzeiro 3M45 não está mais em produção e é considerado ultrapassado.

O motor turbo KR-93 acelera as 7 toneladas do míssil de 10 metros de comprimento com uma ogiva de 750 kg (cumulativa, vácuo ou carga nuclear) até Mach 2.5. Para o emprego eficaz alcança até no máximo 500-600 km, os mísseis Granit precisam da designação de alvo ou de aeronaves ou veículos espaciais. A Marinha russa não opera o avião designador dedicado Tu 95RTs (todas as 53 aeronaves estão aterrizadas). A legenda-M constelação de satélites foi com força total em 1983, mas tem desde então degradado. Em teoria, a vulnerável plataforma de helicópteros Kamov pode fornecer direcionamento em intervalos mais longos do que o próprio radar do navio. Isto se aplica particularmente à mais recente Ka-31 com o seu radar Oko de longo alcance.

A Marinha russa opera três cruzadores do Projeto 1166 com turbina a gás de propulsão – Moscou, Varyag e Ustinov. Estes estão armados com os sistemas Bazalt ou Vulcan anti-navio em serviço desde 1975 e 1982 respectivamente. Seu míssil 3M70 com alcance de tiro máximo a 700 quilômetros partilha os problemas com alvo do Granit.

Mísseis de cruzeiro submarinos.

Junto com cruzadores atualizados, os submarinos de propulsão nuclear continuarão a ser os ativos mais poderosos no inventário russo. Hoje, a Marinha opera dedicados transportadores-assassinos da terceira geração, a exemplo dos submarinos do Projeto 949A armados com o sistema P-700 Granit. A marinha russa também opera quase vinte terceira geração de submarinos de ataque rápido do Projeto 971, e do Projeto 945 e do Projeto 671RTMK capazes de disparar mísseis equivalentes aos Tomahawks a partir de tubos de torpedo.

kuz4Granit Anti-ship Missile System instalado no porta-avião cruzador classe Kuznetsov (Type 1143.5) de posse da Marinha da Federação Russa.

No final de 2012, a Marinha espera o comissionamento do K-329 Severodvinsk. Este submarino de chumbo do Projecto 885 é considerado como sendo de quarta geração. O K-329 é equipado com oito silos verticais SM-346 (10m de comprimento, 2 m de diâmetro) cada um capaz de abrigar ou quatro Onix ou cinco contêineres de mísseis Caliber.

O P-800 Onix (a versão de exportação é chamada Yakhont) emprega os mísseis ram-jet propulsados 3M55. Estas armas têm quase 9 metros de comprimento e pesam 3 toneladas sem reforço [versão lançado do ar, também conhecido como Alfa] ou 4 toneladas com ele. O míssil acelera a 750m/sec e tem um campo de tiro de 150-300 km dependendo do perfil de altitude. Ele tem uma cabeça de radar homing capaz de detectar um cruzador a uma distância de 75 km. O Onix forneceu a plataforma para o desenvolvimento do indo-russo BrahMos PJ-10.

navy-rus

O P-800 Onix, também conhecido na versão de exportação como Yakhont (rubi ou safira), é um míssil de cruzeiro supersonico russo-soviético anti-navio desenvolvido pela empresa militar NPO Mashinostroyeniya.

As capacidades do míssil antinavio Yakhont

1. alvo preliminar

2. fase de lançamento

3. Aceleração e subida

4. Fase de cruzeiro de alta altitude

5. fase de mergulho

6. ativação do candidato a objetivo principal e aquisição de alvo (mudança do buscador de volta à detecção do destino)

7. descida e baixa altitude de vôo

8. Ativação repetida do objetivo principal do alvo e míssil retornando

O Caliber é a versão não exportável do Club-N / S, que já equipa a marinha indiana no Projeto 1.135,6 da classe de fragatas Talwar e submarinos do projeto 877EKM. Ambos são capazes de empregar três tipos básicos: o míssil anti-submarino 91R (carrega um torpedo, ou APR-3M ou MPT-1UM), 3M54 anti-navio e 3M14 ataque terrestre. Além disso, o sistema não exportável também pode disparar os mísseis de longo alcance RK-55 Granat (Tomahawk da Rússia) e seus derivados, o Biruza. Em comparação com o 3M14 exportável, o Granat não exportável tem intervalos de queima muito mais longos.

Leia também: Club – K : O sistema de mísseis em Container.

O Granat tornou-se operacional em 1984, com 3M10 mísseis disparados de tubos de torpedos de submarinos de ataque rápido. A arma turbojato de 1,7 tonelada tinha um alcance de 3.000 km. A 3M54 difere por ter uma terceira fase (para além do reforço e turbojato cruzeiro) rodando em combustível sólido e acelerando a 1000 m / seg. Esta versão pode ser acionada a partir de qualquer navio de superfície ou submarinos se seus tubos de torpedo puderem abrigar esta arma de 8,2 m de comprimento. Sem a terceira fase, o 3M54 pesa 1,8 toneladas, em vez de 2,3 e tem um comprimento de 6,2 metros.

O K-329 foi para o mar à prova em duas ocasiões, em 2011, e realizado com sucesso testes com mísseis Caliber fictícios. Ao longo de 2012 o submarino deve continuar testando os sistemas Caliber e Onix. Para completar testes de aceitação do cliente, o K-329 é obrigado a gastar um total de180 dias no mar. O próximo da série, o Kazan, está sendo construído para o projeto melhorado [Project 885M] e deverá estar concluído no final do ano.

A documentação do projeto para o reequipamento e modernização do Projeto 949A foi preparada. Ele chama para a substituição do Granit pelo Onix e Caliber. Sem alterações no original do submarino estruturas de rolamentode de carga são necessários. Três Onix ou quatro contêineres de mísseis Caliber podem ser espremidos em um local de lançamento do Granit – este último será reformulado em conformidade. O submarino vai receber um sistema de combate melhorado capaz de empregar os mísseis mais recentes.

Com um deslocamento padrão de 15.000 t, o projeto 949A é um dos mais complexos e difíceis n-subs de manter do mundo. Até agora, reparos foram realizados com sucesso apenas no Severodvinsk, enquanto tais tentativas no Extremo Oriente se mostraram ineficazes.

De acordo com fontes abertas, a frota do Norte opera o K-119 Voronezh e o K-266 Orel. O Voronezh concluído numa grande reformulação em novembro de 2011, passou por inúmeras melhorias, mas não especificado para equipamentos missilery e embarcados. Isto permitiu a Frota do Norte enviar o K-410 Smolensk para reparos no final de 2011. O K-525 e K-206 foram descartados. O K-148 Krasnodar e K-173 Krasnoyask têm sido desclassificados e aguardam a sua vez para a desmontagem.

A Frota do Pacífico mantém o K-456 Tver, K-186 Omsk e K-150 Tomsk em serviço, enquanto o Irkutsk K-132 vem passando por reforma desde 2005. O estado do K-442 Chelaybinsk não é claro. O K-139 Belgorod está num elevado grau de conclusão (mais de 70%) em Sevmash, mas o cliente tem continuado a alterar as suas opiniões sobre se querer completar ele. Em fevereiro, o comandante da Marinha almirante russo Vysotsky disse que o Belgorod será encomendado como um submarino para operações especiais.

Russian Fleet Pacific

Frota russa do Pacífico.

Pacific Fleet

Vladivostok base da Frota Russa do Pacífico.

Se o Kremlin permanece com seus atuais planos de desenvolvimento navais, a Marinha russa terá uma força potente de submarinos alimentados por energia nuclear “assassinos de transportadores” no ano de 2020. No futuro próximo este tipo de sistemas de armas vai continuar a ser o elemento mais importante de dissuasão russa em relação ao crescimento econômico e militar dos vizinhos asiáticos com poucos recursos naturais, mas revivendo ambições imperiais.

Autor: Vladimir Karnazov para Asia-Pacific Defence Reporter

fonte: http://www.isn.ethz.ch/isn/Digital-Library/Articles/Detail/?lng=en&id=150713