Sanções dos Estados Unidos contra a Coréia do Norte irritam a China.



Hillary Clinton, secretária de estado americana em discurso na Coréia do Sul.

 Hillary Clinton, a secretária de Estado americana, disse que as medidas são para desencorajar a agressão da Coreia do Norte mas a China reagiu irritadamente acusando os americanos de “agravar as tensões regionais”.


 As relações têm sido especialmente tensas desde o naufrágio de um navio de guerra da Coreia do Sul em março, causando a morte de 46 marinheiros e a suspeita cresce tendo à frente o exercício naval conjunto dos EUA e da Coréia do Sul, previsto para a próxima semana.

 A Sra. Clinton disse que as novas sanções limitariam a compra e a venda de armas, e congelariam os ativos da liderança isolada de Pyongyang, que é acusada de permitir que milhões das pessoas do país morressem de fome.

 Poucos detalhes específicos foram dados, mas a Secretária de Estado disse que as sanções foram planejadas para impedir Pyongyang de vender a tecnologia de armas em troca da moeda forte que então é usada para desenvolver mais armas da destruição em massa.

 Ela acrescentou que as sanções não são dirigidas ao povo norte-coreano, mas às equivocadas e “malignas prioridades de seu governo”.

 “As sanções vão aumentar a nossa capacidade de prevenir a proliferação da Coréia do Norte, suspender as suas actividades ilícitas de ajuda a financiamento dos programas de armas e evitar mais ações provocativas”, disse Hillary Clinton.

 Durante uma visita incomum até a zona desmilitarizada e fortemente defendida que divide as duas Coréias, a secretária de Estado disse que o Norte poderia ter um tratado de paz, ter as relações normalizadas com os Estados Unidos e o fim das sanções, se abrir mão da sua agressividade e tomar medidas irreversíveis de abandono às tentativas de construir armas atômicas.

Hillary Clinton e Robert Gates em visita à Coréia do Sul.

 Hillary Clinton foi à Coreia do Sul com Robert Gates, o secretário de Defesa americano, para sublinhar o compromisso de Washington em apoiar a Coreia do Sul e preservar a estabilidade na região.


 Ela disse que enquanto o Sul tinha feito “progresso extraordinário” desde o fim da Guerra Coreana em 1953 o Norte não só tinha “estagnado na isolação,” mas que também a sua gente tinha “sofrido por muitos anos”.

 Referindo-se a um inquérito internacional, que concluiu que o navio sul-coreano Cheonan tinha sido destruído por um torpedo disparado de um submarino norte-coreano – uma acusação que Pyongyang negou –  uma afirmação conjunta dos sul-coreanos e dos Estados Unidos foi lançada ontem dizendo que qualquer “comportamento irresponsável” da Coreia do Norte teria “encontrado consequencias sérias”.

Os destroços do navio da Marinha sul-coreana Cheonan é recuperado por um guindaste gigante.


 Enquanto isso, a China, único aliado da Coreia do Norte na região, manifestou a sua preocupação sobre os exercícios navais em conjunto de EUA-Coréia do Sul, que devem começar no domingo e durará quatro dias e devem ocorrer ao largo da Península da Coreia.

 Um total de 20 navios de guerra e submarinos, incluindo o porta-aviões de propulsão nuclear USS George Washington, assim como 100 aeronaves e 8.000 funcionários de serviço vão participar.

 O Pentágono teria tentado entrar em contato com autoridades militares na Coreia do Norte para adverti-los dos exercícios iminentes, mas telefonemas para Pyongyang não estão sendo respondidos. Em vez disso, os agentes americanos recorreram ao uso de megafones e mensagem através da fortemente defendida fronteira para informar o Norte.

 Qin Gang, um porta-voz do Ministério chinês dos Negócios Estrangeiros, disse: “Pedimos às partes relevantes para manter a calma e moderação e não fazer nada para agravar as tensões regionais.”

 Não houve resposta imediata às novas sanções por parte da Coreia do Norte, que repetidas vezes alega a necessidade de construir um arsenal nuclear em face da agressão dos EUA.

 A Coreia do Norte e a Coreia do Sul estão tecnicamente em guerra porque nenhum tratado de paz foi assinado no fim do seu conflito de três anos.


Fonte: http://www.telegraph.co.uk/news/worldnews/asia/northkorea/7902684/US-sanctions-against-North-Korea-provoke-Chinese-anger.html

Hillary Clinton e Robert Gates olham a Coreia do Norte a partir da Zona Desmilitarizada.

                        
 Coreia do Norte já é um dos países mais sancionados do planeta, mas parece que os Estados Unidos estão determinados a apertar ainda mais.

 Em grande parte, esta visita tem sido sobre o simbolismo – em especial, a viagem até à fronteira pesadamente fortificada, onde a Sra. Clinton foi capaz de obter a sua própria visão de ‘close-up’ do antigo adversário, e agora estes exercícios militares em larga escala, todos bastante e claramente concebidos para enviar uma mensagem de dissuasão à Coreia do Norte.

 Mas serão as sanções que trarão mais reviravolta.

 A Coreia do Norte havia dito desde o início que iria ver quaisquer novas sanções como um ato de guerra, então é possível seguramente esperar uma reação muito forte de Pyongyang durante os próximos dias.

Fonte: http://www.bbc.co.uk/news/world-asia-pacific-10710296