Aviões serão capazes de fazer pouso “às cegas” em convés.


Su-33 Flanker-D

Engenheiros russos criaram um sistema de navegação para a aviação naval capaz de permitir o pouso “às cegas” de um avião no convés de um porta-aviões. Nos próximos tempos, a marinha começará a testar esse sistema. Se os testes decorrerem com sucesso, a aviação naval terá pela frente novas possibilidades.

O pouso no convés é  por si só uma tarefa que não é para pessoas fracas. Um caça, que em condições normais aterrissaria numa pista de 2000 metros de comprimento e 50 metros de largura, tem de ser pousado numa superfície mais estreita e dez vezes mais curta que, ainda por cima, está em movimento e frequentemente também oscila. O avião tem de ser freado pelos cabos do arresto ou por uma barreira de emergência levantada com urgência se as coisas estiverem fora de controle. Mas o pouso tem de ser feito à máxima potência para que, em caso de falha acertar no cabo, o avião possa recuperar altitude e fazer uma segunda volta.

O número de pilotos, que sabem pousar um avião no convés, é reduzido e quaisquer perturbações climáticas provocam uma diminuição  na quantidade de tripulações com mais preparo para decolar do que a defesa antiaérea inimiga. Nenhum comandante do grupo de voo irá dar a ordem de decolagem a um avião se as condições de pouso forem duras e o piloto não estiver preparado.

A marinha norte-americana, com a sua tradição de longos anos de operação de aviões de convés, acumulou uma grande experiência em pousos “às cegas”. Mas mesmo neste caso as dificuldades para pousar um avião numa tempestade de areia sobre o Golfo Pérsico ou numa tempestade de neve sobre o Atlântico Norte ou no Pacífico, são grandes. Para a aviação naval russa, a questão das limitações por condições de mau tempo é ainda mais premente. As bases navais principais de ambas as frotas oceânicas da Rússia se encontram em zonas cheias de surpresas meteorológicas. No Grande Norte essas surpresas ainda são agravadas pela noite polar.

O novo sistema de pouso cego SRNK (sistema de radionavegação por satélite) permite aumentar de forma exponencial a precisão da determinação das coordenadas dos aviões graças ao método da chamada navegação relativa. Na sua base está o sistema de navegação por satélite que já é utilizado há muito tempo. Contudo, neste caso o avião que se prepara para pousar troca sinais em tempo real com mais uma máquina equipada com esse sistema. O ponto de cálculo suplementar permite aumentar a precisão do cálculo de coordenadas até 10 centímetros e relacioná-lo com as coordenadas do próprio navio, tendo em conta as oscilações do convés devido á ondulação. A marca de pontaria apresentada na tela do parabrisas, e que o piloto deve manter num determinado ponto, garante uma aproximação de precisão para pouso e toque no convés com uma margem de erro aceitável mesmo com visibilidade de zero absoluto.

No futuro, o SRNK poderá ser instalado em qualquer tipo de avião. Uma aproximação ao pouso com quaisquer condições de tempo é importante não só para os pilotos navais. O bloco de SRNK pode ser instalado não só no avião, mas também na torre de controle de um aeródromo, permitindo ao aparelho que pouse mesmo na ausência de visibilidade em relação ao solo. No seu limite um sistema destes permitirá evitar catástrofes como a que aconteceu a 10 de abril de 2010, quando junto ao aeródromo de Smolensk-Norte se despenhou o Tu-154 com o presidente da Polônia.

Os testes preliminares do SRNK já permitiram obter resultados. Um caça Su-30, equipado com esse sistema, efetuou várias passagens sobre o convés do Admiral Kuznetsov tocando o convés com as rodas do trem. Se os testes tiverem êxito, o SRNK será instalado nos Su-33 atualmente no ativo e nos futuros MiG-29K encomendados para a aviação da marinha da Rússia no âmbito do programa estatal de armamento para 2011-2020.

Autor: Ilya Kramnik

fonte: http://portuguese.ruvr.ru/2012_12_02/Avi-es-ser-o-capazes-de-fazer-pouso-s-cegas-em-conv-s/