Rússia transportará os astronautas dos EUA ao espaço até 2020.


Soyuz_Nasa

O Presidente dos EUA, Barack Obama, assinou um decreto que permite à NASA efetuar pagamentos à Rússia pelo envio de astronautas norte-americanos para a Estação Espacial Internacional (EEI) até ao final de 2020. A Administração dos EUA, perante o financiamento limitado do seu programa espacial, decidiu renunciar ao emprego de naves tripuladas de uso múltiplo.

Deste modo, cada lugar na Soyuz custará 60 milhões de dólares. Convem assinalar que a tarifa não foi inventada ao acaso, mas foi bem calculada por ambas as partes contratantes e inclui ainda aos serviços de alimentação porque, nos próximos anos, os produtos alimentares serão levados para a EEI por naves espaciais russas. Claro que isto tudo beneficia a Rússia, cujo ramo espacial carece de investimentos, apesar de estar a ganhar um peso cada vez maior, considera o redator-chefe da revista Novosti Kosmonavtiki, Igor Marinin.

“As empresas industriais, incluindo a corporação Energia produzem espaçonaves e cargueiros Progress, empregando o máximo das capacidades disponíveis. Há já vários anos que não se consegue construir uma nave espacial “turística”. A empresa, embora tecnicamente tenha capacidade para o fazer, já esgotou as capacidade produtivas. Para a Rússia, isso é um fardo pesado. Ao mesmo tempo, nós como parceiros, assumimos tais compromissos quando examinávamos a questão do prosseguimento do trabalho da EEI até ao ano de 2020.”

A colaboração com os EUA e outros parceiros nossos não se limita à EEI, mas tem perspectivas mais vastas e aliciantes. Tem-se em vista os programas conjuntos de pesquisas da Lua e de Marte. Assim sendo, em troca do envio de astronautas dos EUA, seria possível obter acesso a outras inovações tecnológicas, reputa o perito em política espacial Andrei Ionin.

“A Rússia pode desfrutar de vantagens atuais que tem na área de tecnologias de pilotagem a fim de obter mais benefícios. Tais tecnologias não se vendem, mas se trocam por tecnologias análogas e por acesso a tais tecnologias.”

Hoje, no mercado de serviços espaciais, surgiram novos jogadores, se bem que a concorrência possa ser feita apenas pela China. Para manter a liderança, a Roskosmos (Agência Aeroespacial Russa) tem prosseguido com a elaboração de ferramentas mais seguras.

Um passo concreto nesse sentido será a produção em série de foguetões Soyuz-2 com um sistema de comando digital, a serem utilizados em viagens à EEI. A Roskosmos já fez as respectivas encomendas. Através destes meios novos, já em finais de 2013 e em 2014, serão efetuados dois lançamentos de cargueiros Progress.

Autor: Oleg Nekhai

Fonte: http://portuguese.ruvr.ru/2013_01_16/Espaconaves-Soyuz-levarao-astronautas-dos-EUA-para-a-EEI/