Filipinas e EUA estudam ampliação da presença militar norte-americana.


USS_Enterprise_at_Subic_Bay

Altos representantes das Filipinas e dos EUA estabeleceram ontem (14-08) em Manila negociações sobre a ampliação da presença miliar dos Estados Unidos no arquipélago, informou a imprensa indonesia.

As consultas se desenvolveram em quatro etapas. A delegação estadonidense está a ser presidida pelo assesor para assuntos de segurança do Departamento de Estado, Erick John. Pela parte filipina participam vice-ministros da Defesa, do Interior e da Justiça.

O chanceler filipino Albert del Rosario disse esta semana que as partes estarão em acordo a princípio para a ampliação da presença militar dos EUA e que Filipinas pedirá maior aceso aos arsenais militares dos EUA para defender suas águas.

“Estamos dispostos a aproveitar todos os recursos, a dirigir chamamento a qualquer aliado e a fazer o que for necessário para defender o que nos pertence”, declarou Del Rosario em meio ao aumento da tensão com a China que disputa várias zonas do mar da China Meridional.

Colônia da Espanha durante séculos, Filipinas foi governada pelos EUA de 1941 a 1946, ano em que obteve a independência. Cinco anos depois, Manila firmou com Washington um convênio de defesa recíproca.

A Constituição das Filipinas proíbe a instalação de bases estrangeiras em seu território. Mas um convenio de 1998 permitiu a presença provisional de tropas dos EUA no arquipélago filipino.

Em 2002, as Filipinas chegaram a 600 efetivos de comandos especiais e marines para servir de assesores no Exército filipino que luta contra o terrorismo. Alem disso, milhares de soldados norte-americanos participam em manobras conjuntas anuais.

Fonte: http://sp.rian.ru/Defensa/20130814/157814589.html