Obama e Putin tiveram uma reunião a portas fechadas em São Petersburgo, para discutir a crise na Síria.


obama-putin

Putin se reuniu com Barack Obama; presidente norte-americano disse que preferiria resolver intervenção via ONU, mas “não pode”.

O presidente russo, Vladmir Putin, afirmou na sexta-feira (06/09) que o país ia “apoiar” a Síria em caso de “ataque militar estrangeiro”. A declaração foi dada em entrevista coletiva à imprensa em São Petersburgo, durante a reunião do G20.

Putin também foi categórico ao afirmar que o ataque químico na Síria foi “uma provocação dos rebeldes [oposição] para conseguir apoio internacional”.

O presidente russo disse que as opiniões estaavam dividas no G20. EUA, França, Árabia Saudita, Canadá e Turquia defendendo a intervenção militar. Putin lembrou que o primeiro-ministro britânico, James Cameron, também apoiou a ação militar, mas o parlamento do Reino Unido foi contra. A chanceler alemã, Angela Merkel, cautelosa preferiu não participar da possível intervenção.

Unidos à voz russa contra uma ação na Síria, Putin destacou a Índia, a China, o Brasil, a Indonésia, a Argentina, a África do Sul e a Itália. O líder russo lembrou ainda que o secretário-geral da ONU e o Papa Francisco foram contrários a intervenção militar.

Obama e Putin.

Putin e o presidente norte-americano, Barack Obama, tiveram uma reunião a portas fechadas nessa ocasião, que esteve marcada pela crescente tensão na escalada do conflito na Síria e da iminente intervenção americana. Durante a reunião, o assunto foi debatido, mas os líderes não conseguiram chegar a um consenso, explicou o conselheiro para política externa de Putin, Yuri Ushakov.

Obama e Putin tinham planejado uma reunião bilateral em Moscou antes da Cúpula do G20, mas o presidente americano cancelou depois de Moscou ter concedido asilo a Edward Snowden, que revelou ao mundo as espionagens americanas. Com jornalistas, o norte-americano brincou com a situação, ao dizer que conversou com Putin sobre Snowden, mas, que esse último “não veio [à Cúpula]”.

Preferia, mas não posso resolver o problema via ONU, disse Obama.

Após a entrevista de Vladimir Putin, Barack Obama falou às centenas de jornalistas que desde cedo estiveram a esperar na porta do salão destinado para o líder americano. O conflito da Síria foi obviamente o assunto principal. Obama disse que teria preferido resolver o problema através das Nações Unidas, mas que não “podia”. Para ele, era necessária uma resposta internacional que não viria do Conselho de Segurança da ONU.

Fonte: http://www.iranews.com.br/noticia/10788/russia-vai-apoiar-siria-em-caso-de-ataque-estrangeiro-diz-putin