Os russos já consideram o Brasil um aliado estratégico.


brasil_russia

A delegação militar russa, chefiada pelo ministro da Defesa, Sergei Shoigu visitou o Brasil e o Peru com o tema principal de negociações sobre o fornecimento de armas no valor total de cerca de US $ 1,7 bilhões. A Rússia está a fortalecer a sua posição no mercado de armas na América Latina.

No Brasil, as autoridades russas e brasileiras combinaram assinar os contratos discutidos anteriormente para o fornecimento de sistemas de defesa antiaérea Panzir -S1 e complexos individuais Igla 9K38 no valor de mais de um bilhão de dólares. Além da compra dessas armas com assinatura prevista para meados de 2014, o ministro brasileiro da Defesa Celso Amorim anunciou um outro passo importante no estreitamento da cooperação militar com a Rússia: a possibilidade de o Brasil participar no desenvolvimento do mais avançado jato militar do mundo neste momento, o Sukhoi T-50. Outro assunto que passou a fazer parte das conversas entre o Brasil e a Rússia na área militar é a aquisição de caças Su-35, incluindo a possível transferência de tecnologia para a sua produção para substituir os atuais Mirage 2000.

A atividade por parte russa fica baseada no movimento do Brasil para suspender a execução do contrato assinado para a compra dos caças americanos F- 18 no valor de cerca de US $ 4 bilhões. A medida foi provocada pelo escândalo sobre a espionagem pela Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos (NSA) à presidente brasileira Dilma Rousseff, ao governo e às empresas públicas. No entanto, de acordo com a imprensa brasileira, o problema é que é impossível voltar a incluir a Rússia no concurso F- X2, com Sukhoi Design Bureau por ele ter saido da primeira etapa dele. Então, se encerrar F-X2 e abrir um novo — F- X3, isto pode causar danos à reputação brasileira e possivelmente provocar um conflito diplomático, opina o o jornal brasileiro Estadão.

O concurso F- X2 inclui agora formalmente três aeronaves rivais: Rafale vindo da empresa francesa Dassault, o F- 18 Super Hornet — americana Boeing e Gripen NG — sueca Saab. Em 2008, o Ministério da Defesa do Brasil recusou três participantes: F -16 Fighting Falcon — por Lockheed- Martin, Eurofighter Typhoon — por consórcio Eurofighter e Su- 35 — por Sukhoi da Rússia.

A Rússia, sendo inspirada com o Brasil não ter assinado o contrato com os americanos, agora pretende vender seu caça Su-35, oferecendo o desenvolvimento conjunto de aeronave da quinta geração T-50. Este caça de quinta geração é caracterizado pelo alto índice de informatização a bordo e pelo chamado voo furtivo, ou seja, capaz de escapar aos radares possuindo a tecnologia stealth. De acordo com os planos do governo russo, os aviões vão começar a chegar para Força Aérea Russa em 2016. A Rússia já tem a experiência de desenvolvimento conjunto do T-50 com a Índia. De acordo com os representantes da empresa indiana Hindustan Aeronautics Limited (HAL), que está realizando a construção do jato, as partes concluíram o projeto preliminar do avião, provisoriamente chamado de FGFA. As negociações estão em andamento sobre os seus detalhes. Sem ser a Rússia, que tem neste momento cinco protótipos desse caça em teste, apenas os EUA possuem um aparelho similar, o F-22.

” As nossas propostas são de caráter sistêmico e complexo”, disse ao Pravda. Ru Igor Korotchenko, o editor chefe da revista russa Defesa Nacional. ” Os sistemas de armas de defesa aérea que estão sendo oferecidos ao Brasil é uma arma muito eficaz, de acordo com suas características de desempenho, e podemos supor que, com alta probabilidade o Brasil assine o contrato. Quanto às propostas para a produção conjunta do Su-35 e para o desenvolvimento do T-50, ninguém, exceto a Rússia fará uma proposta similiar aos brasileiros. Nenhum país ocidental nunca vai oferecer tal pacote de opções com a transferência de tecnologia. Significa que a Federação Russa considera o Brasil um parceiro estratégico “, concluiu Korochenko .

Neste contexto, os brasileiros poderiam nomear um novo concurso para a compra de aviões de caça .

Digno de nota, que a Força Aérea do Brasil já tem os helicópteros russos de ataque Mi- 35, outro grupo dos quais foi entregue para o país a partir da Rússia em agosto sob o contrato com Rosoboronexport. Além disso, durante a visita da presidente Dilma Rousseff no ano passado, Russian Helicopters holding assinou o primeiro contrato para fornecer sete helicópteros Ka- 62 para a empresa brasileira Atlas Táxi Aéreo. Este helicóptero de transporte ganhou o concurso da petrolífera nacional brasileira Petrobras. A frota destes helicópteros vai estar crescendo .

A delegação russa, que, além de ministro da Defesa, Shoigu, incluiu Alexander Fomin, o chefe do Serviço Federal para Cooperação Militar e Técnica, e Anatoly Isaikin, o chefe da Rosoboronexport, a empresa russa -exportadora de armas, também visitou o Peru que pretende comprar na Rússia 110 tanques T- 90S e carros de combate BTR- 80A no valor cerca de US $ 700 milhões, de acordo com o jornal Kommersant .

“Esta é uma visita importante, o nosso Exército e a Força Aérea, inicialmente, surgiram com a colaboração e apoio logístico da ex-União Soviética, que é hoje, a Rússia”, — disse o ex- ministro da Defesa e deputado peruano, Daniel Mora. Ressaltou a importância de rearmamento do Peru e da cooperação com a Rússia no domínio das tecnologias avançadas, incluindo espaciais.

Autor: Lyuba Lulko

Fonte: http://www.pravda.ru/world/restofworld/southamerica/15-10-2013/1178263-brazilia-0/