A CIA e o Pentágono são contrários ao Glonass.




A administração de EUA, sob pressões da CIA e do Pentágono, adiou a autorização para a instalação no território norte-americano dos radares para o sistema de navegação por satélite russo Glonass, informou o diário Nezavisimaya gazeta.



De acordo com o jornal russo, especialistas dos EUA citados pelo diario New York Times, consideram que as estações de radar russas em seu territorio, no caso de ataque nuclear, ampliarão a precisão dos mísseis balísticos intercontinentais, aumentarão a eficácia das atividades de espionagem e em geral, são competência direta ao sistema de navegação por satélite estadonidense Navstar/GPS.



Para corrigir o sinal de um sistema de navegação por satélite em qualquer ponto da terra são necessárias 40 estações de radar em diferentes países em todos os continentes. Os EUA, por exemplo, têm 100 estações e por isso, no territorio dos EUA o sinal GPS é mais exato que o do Glonass.



Na atualidade a Rússia tem 19 estações de radar de correção e por isso, o sinal Glonass é mais exato que o GPS nas regiões polares. No continente Antártico existem três estações russas, o restante em território nacional, em países vizinhos que foram antigas repúblicas da URSS e só a partir de fevereiro de 2013, entrou em funcionamento uma estação no Brasil, a primera no hemisfério ocidental e antes do fim do ano se fará operacional uma segunda no sul do Brasil.



A Rússia negocia a instalação de estações de radar com vários países mas as conversações avançam muito lentamente inclusive com países com os quais Moscow tem boas relações. Por enquanto, a Rússia teve êxito com o Brasil porque o governo brasileiro tem interesse de desenvolver esta tecnologia para trabalhos de cartografía nas regiões de montanhas e na selva amazônica. Cuba já firmou o acordo correspondente e permanece pendente acertar os prazos de realização.
De acordo com os especialistas citados pelo diário russo, muitos governos temem atropelar suas relações com os EUA ou tentam conseguir mais benefícios ao negociar com Moscow a instalação das estações russas.



No que diz respeito à postura dos EUA, a situação é compreenssível, os EUA está incomodado com a autonomia da Rússia e sua tendência de ampliar sua influencia no mundo, principalmente em assuntos ondo os EUA dominam a situação.



No entanto, desde o ponto de vista técnico, como reconhecem os especialistas, a cooperação de GPS e Glonass é proveitosa tanto para os usuários como para os proprietários.



E apesar de os radares russos não serem um perigro para a segurança nacional, o departamento de Estado se vê obrigado a ceder ante a resistência obstinada de congressistas, da CIA e do Pentágono, indica o diário russo.



Fonte: http://sp.ria.ru/revista_de_prensa/20131118/158573551.html