A Rússia não aspira a hegemonia mas nem por isso vai tolerar a superioridade de outros.


O presidente Vladímir Putin afirmou que Rússia não aspira à hegemonia mas também não tolerará supremacia de outros.

“Sempre nos sentimos orgulhosos de nosso país mas não aspiramos ao título de superpotencia, entendendo assim a pretensão à hegemonía global ou regional. Não atentamos contra interesses alheios, nem impomos nosso patrocínio, nem aleccionamos a nada”, declarou Putin em sua locução anual à Assembleia Federal (Parlamento) da Rússia.

Em outra parte do seu discurso, O presidente deixou claro que Moscow não está disposto a tolerar superioridade de outros.

“Que não se tenha ilusões com respeito à posibilidade de alcançar superioridade militar sobre a Rússia. Nunca toleraremos isso. A Rússia responderá a todos estes desafios, políticos e tecnológicos. Temos o potencial necessário para isso”, afirmou.

Acrescentou que a doutrina militar da Rússia e as armas avançadas que já estão ou estarão no arsenal de seu Exército permitem garantir a segurança.

Durante sua intervenção, Putin expressou a inquietação de Moscow sobre a criação de novas armas, tais como cargas nucleares de baixa potência, mísseis estratégicos com ogivas tradicionais e sistemas hipersônicos convencionais de alta precisão, destinados para um ataque rápido em qualquer ponto do globo.

“Seguimos de perto o desenvolvimento do chamado conceito de ataque global imediato”, admitiu.

Em sua locução com os legisladores, o presidente reiterou a rejeição da Rússia ao plano dos Estados Unidos de defesa antimísseis ao apontar que “na realidade se trata de um componente importante do potencial estratégico ofensivo”.

Outros países, alertou, reforçam o potencial de sistemas convencionais estratégicos de alta precisão e as melhorias de defesa antimísseis, o que poderia reduzir a zero os anteriores acordos sobre armas estratégicas e alterar o equilíbrio neste tema.

Segundo o presidente, a Rússia tem “muito a fazer no que diz respeito ao avanço das armas de alta precisão”.

“Para reforçar nossa tríade nuclear, estamos desenvolvendo novos sistemas de mísseis estratégicos de instalação terrestre, naval e aéreo”, indicou.

Também disse que a Rússia seguirá consolidando sua frota de submarinos nucleares e as forças de mísseis estratégicos, assim como seguirá avançando com o desenvolvimento de um bombardeiro estratégico de nova geração (PAK DA).

Fonte: http://sp.ria.ru/neighbor_relations/20131212/158767127.html