Colaboração: a Rússia e a China conduzem as suas Primeiras Operações Militares Conjuntas.


Rússia e China são responsáveis ​​por proporcionar segurança para arsenal químico do governo sírio enquanto está sendo levado para fora do país, disse um diplomata russo na quarta-feira 25/12.

“Nós nos responsabilizamos de assegurar que essas substâncias químicas são carregadas de forma segura aos navios recipientes holandeses e noruegueses e transportadas com segurança, enquanto em águas sírias. Em outras palavras, vamos em comboio com estas embarcações,” disse o chefe do departamento de segurança e desarmamento do Ministério das Relações Exteriores, Mikhail Ulianov, a RIA Novosti.

“Nós não vamos fazer isso por nós mesmos, nossos parceiros chineses vão nos ajudar”, disse. “Será a primeira vez em que os militares da Rússia e da China executarão tarefas profissionais lado-a-lado em crise na vida real, e não durante exercícios conjuntos.”

A operação para destruir o arsenal do governo sírio de mais de 1.000 toneladas de produtos químicos para armas é que deverá ter lugar em duas etapas. As armas mais perigosas têm de ser removidas da Síria até o final de dezembro e destruídas no mar até abril, enquanto o resto está previsto para a destruição, em meados de 2014.

Entre muitos países a Rússia está ajudando o esforço de desarmamento. Na semana passada, Moscou implantou 75 veículos na Síria para o transporte de carga perigosa.

Também a Rússia vai doar até US$ 2 milhões para financiar a operação internacional. O dinheiro deve ser transferido em breve para as contas da ONU.

Os Estados Unidos vão fornecer um navio da Marinha sobre o qual os produtos químicos serão neutralizados em águas internacionais, bem como cerca de 3.000 tambores recipientes para armazenar os produtos químicos e rastreadores GPS para monitorar seus movimentos. Também irá fornecer carregamento, transporte e descontaminação de equipamentos.

Dinamarca e Noruega providenciará navios e escoltas militares para os produtos químicos sírios transportados no mar e para o transporte de produtos químicos a serem eliminados em instalações comerciais.

A Finlândia também ofereceu capacidades “de resposta de emergência” de arma químicas, e a Itália forneceu o acesso a um porto para trans-carregar os produtos químicos de prioridade de navios dinamarqueses e noruegueses ao barco dos Estados Unidos.

Fonte: http://www.globalresearch.ca/working-together-russia-and-china-conduct-their-first-joint-military-operations/5362814