O novo sistema de mísseis russo RS-26 inquieta os EUA.


EUA busca desesperadamente um pretexto para impedir o desenvolvimento de armas modernas na Rússia, escreve hoje Nezavisimaya Gazeta em referencia ao novo sistema de mísseis RS-26 cujos testes, de acordo com a imprensa dos EUA, poderiam supor uma violação do Tratado de eliminação de mísseis nucleares de médio e curto alcance (INF).

Oficialmente, a Administração de Obama recusa de momento falar de uma violação do acordo que Washington e Moscow firmaram em 1987, mas a subsecretária de Estado dos EUA, Rose Gotemoeller, se mostrou preocupada em mais de uma ocasião pelas características do novo sistema e alguns membros do Congresso dos EUA exigiram que a Casa Branca dê uma resposta mais firme ao Kremlin.

Durante o governo de George W. Bush, Rússia propôs a EUA enterrar o Tratado INF ante a suposta ameaça de um ataque com mísseis de médio alcance desde países limítrofes, mas os EUA se negaram alegando que a OTAN vê no acordo uma pedra angular do controle de armamentos.

Rússia manteve em vigor o tratado mas, de acordo com especialistas dos EUA, seguiu desenvolvendo o potencial nuclear para compensar-se a debilidade das forças convencionais. Alguns especialistas consideram que a função do sistema RS-26 é tapar a brecha resultante do Tratado INF que proíbe mísseis com alcance de entre 500 e 5.500 km.

Até a data, a Rússia não revelou as características técnicas do sistema RS-26, conhecido também pelo nome de Rubezh, mas um alto cargo do Estado Maior Geral disse a jornalistas em 2013 que é um sistema de mísseis balísticos intercontinentais, com maior grau de precisão que os modelos atuais.

O viceprimeiro ministro russo Dmitri Rogozin qualificou o sistema Rubezh como “assassino de antimísseis” sobreentendendo que nenhum sistema conhecido pode interceptar suas ogivas. Uma vez separadas do veículo, seguem uma trajetória imprevisível que o ordenador de bordo muda constantemente mediante uma tabela de números aleatórios.

De acordo com as conjecturas, o RS-26 Rubezh tem um alcance de 2.000 a 6.000 km, o que se sobrepõe a algumas restrições impostas pelo acordo de 1987.

Fonte: http://sp.ria.ru/revista_de_prensa/20140131/159122135.html