Estratégia Yanque de submissão de estados autoritários para servir aos seus interesses.


Tommy Vietor foi porta-voz do Conselho de Segurança Nacional do presidente Obama, no primeiro mandato. Deixou o posto para criar uma empresa de consultoria (associado a Jon Favreau, que escrevia discursos para Obama), a serviço da qual pôs seus contatos na Casa Branca,[1] para construírem estratégias de ação nas redes sociais e na mídia em geral[2] para empresas que negociam (grandes negócios) com o governo. Sua sala de trabalho, hoje, é adornada com pôsteres do presidente Obama (como se vê nesse vídeo[3]).

A função de Vietor [não são INCRÍVEIS esses jovens empreendedores?! [NTs]), que ele cumpre aplicadamente é simples: expressar e incorporar as ideias mais definitivas, mais convencionais, do que a Washington imperial pensa sobre ela mesma.

Vietor foi ao Twitter,[4] para atacar publicamente Oliver Stone, por ter manifestado seu apoio ao governo de Maduro na Venezuela:

[no twiter:] @Oliver Stone: Como você pode apoiar Maduro, quando ele mantém ilegalmente presos líderes da oposição como #LeopoldoLopez?

Aí, claro, nada se vê além da velha tática preferida da Washington oficial: fingir cinicamente que se preocupa com direitos humanos, ao mesmo tempo que trabalha para minar governos que não obedeçam às ordens dos EUA.

Para os Tommy Vietors do mundo, o governo de Maduro não é ruim porque “mantém ilegalmente presos líderes da oposição”; é ruim porque se opõe a políticas dos EUA, recusa-se a obedecer ordens dos EUA e derrota,[5] em eleições livres e populares, os candidatos neoliberais subservientes preferidos dos EUA. Até aí, nada de novo.

A coisa para de me parecer cômica, contudo, quando vejo a habilidade dos Tommy Vietors do mundo para convencerem, em primeiro lugar eles mesmos e, na sequência, também outros, de que conseguem distribuir esse tipo de ‘comentário’, sem serem imediatamente arrastados para praça pública, em desgraça. A mesma pessoa que invoca preocupações com direitos humanos a ponto de condenar publicamente Stone por apoiar governo democraticamente eleito na Venezuela passou anos apoiando tiranias – essas sim! – brutais e viciosas, que jamais foram eleitas para governar coisa alguma.

O governo Obama, do qual Vietor foi porta-voz, várias vezes forneceu armas ao governo do Bahrain[6] para esmagar brutalmente manifestações democráticas de opositores do ditador. O mesmo governo Obama apoiou vigorosamente[7] o repelente regime de Mubarak, aliado dos EUA por muito tempo, até que a queda tornou-se inevitável;[8] Hillary Clinton, logo depois de nomeada secretária de Estado, não teve pejo:[9] “Realmente considero o Sr. e a Sra. Mubarak amigos de minha família”. Obama várias vezes abraçou os monarcas do Qatar,[10] dos Emirados Árabes Unidos[11] e do Kuwait.[12] E tudo isso, independente do apoio político, financeiro, diplomático e militar inigualável que os EUA dão com prodigalidade a Israel, mesmo depois de décadas ininterruptas de ocupação, repressão e agressão.

E há também o mais íntimo dos aliados dos EUA, o principal, que é também uma das ditaduras mais brutalmente repressivas do mundo: a Casa de Saud. Durante o mandato de Vietor, o governo Obama revelou planos[13] para entregar aviões de guerra à Arábia Saudita, negócio de mais de $60 bilhões, o maior negócio de vendas de armas nos EUA em toda a história, e “conversações com o reino saudita sobre upgrades nos sistemas naval e de mísseis de defesa que poderiam chegar a mais dezenas de bilhões de dólares.” Há cinco meses, o Pentágono anunciou[14] “planos para vender à Arábia Saudita e aos Emirados Árabes Unidos $10,8 bilhões em armamento avançado, incluindo mísseis cruzadores ar-terra e munição de precisão”, um pacote que “inclui as primeiras vendas dos EUA a aliados no Oriente Médio das novas armas fabricadas por Raytheon e Boeing que podem ser lançadas à distância pelos aviões F-15 da Arábia Saudita, e F-16 dos Emirados Árabes Unidos.”

A Casa Branca de Obama repetidas vezes afirmou[15] sua “forte parceria”[16] com a tirania saudita.

Hoje [29/03], Obama chega a Riad, para garantir aos monarcas sauditas que os EUA continuam tão firmes como sempre na íntima parceria entre os dois governos, e tentar acalmar as ansiedades sauditas. Vai-se encontrar com o rei Abdullah, “terceiro encontro entre Obama e o rei, em seis anos.”

O objetivo da visita:[17] “tentar suavizar as relações com a Arábia Saudita, mostrando ao antigo aliado dos EUA que não está esquecido.” De fato “altos conselheiros do presidente dizem que a visita é um ‘investimento’ numa das mais importantes relações dos EUA no Oriente Médio.”

Se você quer justificar tudo isso e argumentar cinicamente que seria benéfico para os EUA apoiar tiranias brutais e repressoras, ok, vá em frente. Pelo menos, será falar conforme age, postura honesta. Mas não se ponha a falar como se os EUA fossem alguma espécie de bastião contra a repressão política e a violação de direitos humanos, quando já se sabe que a verdade é, tão dolorosamente, o contrário disso.

E se você já trabalhou tanto, por tanto tempo, para garantir todos os tipos do mais irrestrito apoio vital a todos os regimes mais brutais do mundo, não se meta, agora, a fazer pose de líder da gangue, a criticar os que defendem governos mais democráticos e benignos.

Autor: Glenn Greenwald

Leia tambem: https://firstlook.org/theintercept/2014/03/28/us-takes-break-condemning-tyranny-celebrate-obamas-visit-saudi-arabia/

[1] http://www.bloomberg.com/video/from-the-oval-office-to-d-c-s-hottest-free-agent-EEcyljPTQ4O1tfTk9OkTyw.html
[2] http://www.salon.com/2013/03/01/obama_aides_cash_in/
[3] http://www.bloomberg.com/video/from-the-oval-office-to-d-c-s-hottest-free-agent-EEcyljPTQ4O1tfTk9OkTyw.html
[4] https://twitter.com/TVietor08/status/448502174994415618
[5] http://www.washingtonpost.com/world/hugo-chavez-heir-nicolas-maduro-leads-in-polls-ahead-of-vote/2013/04/14/334cd2ba-a54b-11e2-9e1c-bb0fb0c2edd9_story.html
[6] http://www.csmonitor.com/World/Middle-East/2012/0514/US-resumes-arms-sales-to-Bahrain.-Activists-feel-abandoned
[7] http://www.truth-out.org/archive/item/94149:us-continues-to-back-egyptian-dictatorship-in-the-face-of-prodemocracy-uprising
[8] http://www.csmonitor.com/Commentary/Opinion/2011/0202/Why-Obama-s-position-on-Egypt-s-Mubarak-was-too-little-too-late
[9] http://abcnews.go.com/blogs/politics/2011/01/secretary-clinton-in-2009-i-really-consider-president-and-mrs-mubarak-to-be-friends-of-my-family/
[10] http://www.whitehouse.gov/blog/2013/04/23/president-obama-welcomes-amir-hamad-bin-khalifa-al-thani-qatar-white-house
[11] http://www.whitehouse.gov/the-press-office/2013/04/16/joint-statement-united-states-and-united-arab-emirates
[12] http://www.whitehouse.gov/the-press-office/2013/09/13/remarks-president-obama-and-amir-sabah-al-sabah-kuwait-after-bilateral-m
[13] http://online.wsj.com/news/articles/SB10001424052748704621204575488361149625050
[14] http://www.bloomberg.com/news/2013-10-15/u-s-seeks-10-8-billion-weapons-sale-to-u-a-e-saudis.html
[15] http://www.whitehouse.gov/the-press-office/2010/12/26/readout-president-obama-s-call-king-abdullah-saudi-arabia
[16] http://www.whitehouse.gov/the-press-office/2011/10/12/readout-presidents-call-king-abdullah-saudi-arabia
[17] http://www.latimes.com/world/middleeast/la-fg-obama-saudi-20140328,0,4484108.story#ixzz2xGYbro2Q

Fonte: Pravda.ru