Serviços secretos russos intensificam suas atividades de espionagem.


Autoridades de Alemanha, Suécia e dos países bálticos advertiram aos seus cidadãos sobre a excessiva atividade dos agentes de Inteligencia russos no território desses países. Especialistas russos consideram que esta informação não necessita de fundamento visto que Moscow “tem um conflito exterior”, mas acrescentam que os serviços secretos do Ocidente também reforçaram a vigilância sobre a Rússia, escreveu a agencia Kommersant.

O Escritório Federal para a Proteção da Constituição da Alemanha informou há dias que a Inteligência russa recruta ativamente novos informantes no país.

Segundo a entidade, a Rússia está interessada em todo tipo de informação “sensivel ou secreta”.

“Informações sobre os lugares de instalação das tropas da OTAN e as Forças Armadas da Alemanha, informação política, novidades das empresas alemãs, tudo, absolutamente tudo é de interesse para os russos”, disseram no Escritório Federal alemão.

A Suécia também realizou uma declaração similar esses dias para denunciar a atividade dos agentes russos em seu território. “Parece que estão se preparando para a guerra”, indicou o Serviço Estatal de Segurança do país europeu.

Inclusive os agentes russos coletam informação sobre “a política, a defesa, as finanças e as tecnologias” suecas.

Os países bálticos se somaram a estas denúncias para advertir sobre o trabalho dos serviços de Inteligência da Rússia que trabalham sob a fachada das embaixadas e escritórios comerciais.

De acordo com o especialista russo Andrei Soldatov, se trata de procedimentos habituais.

“Se um país, neste caso a Rússia, tem um conflito exterior, seus serviços secretos intensificam o trabalho”, explicou.

Acrescentou ainda que o Ocidente também reforçou a vigilância sobre a Rússia como demonstram as imagens de satélite publicadas pela OTAN sobre os movimentos das tropas russas próximos da fronteira com a Ucrânia.

Fonte: Ria Novosti