A credulidade do povo e as semelhanças: os casos Charlie Hebdo e Tsarnaev.


Atualizações:
Os bem conhecidos escritores Thierry Meyssan e Kevin Barrett vêem ataque “terrorista” em Charlie Hebdo como um ataque de bandeira falsa. Ver: http://www.voltairenet.org/article186441.html [1] e http://presstv.com/Detail/2015/01/10/392426/Planted-ID-card-exposes-Paris-false-flag

Segundo os relatórios de notícias, um dos acusados no ataque em Charlie Hebdo ouvindo que estava sendo buscado pelo crime entregou-se à policia com um álibi blindado. Ver:
https://www.intellihub.com/18-year-old-charlie-hebdo-suspect-surrenders-police-claims-alibi/

Segundo os relatórios de notícias, a polícia encontrou a ID de Kouachi Dito na cena do tiroteio de Charlie Hebdo. Isto soa familiar? Lembre-se, autoridades afirmam ter encontrado o passaporte não danificado de um dos pretensos seqüestradores do 9/11 entre as ruínas pulverizadas maciças das torres gêmeas. Uma vez que as autoridades descobriram que as pessoas no Ocidente são estúpidas e acreditarão em qualquer mentira evidente, as autoridades usam a mentira muitas vezes. A afirmação da polícia de ter descoberto um ID deixado é uma indicação segura que o ataque em Charlie Hebdo foi um trabalho de dentro e que as pessoas identificadas pela NSA como contrárias às guerras Ocidentais contra muçulmanos estão sendo enquadradas para um trabalho interior projetado para puxar a França firmemente de volta para baixo do polegar de Washington. Ver: http://www.wfmz.com/shooting-at-french-satirical-magazine-office/30571524

Há dois modos de ver o suposto ataque terrorista à revista satírica francesa Charlie Hebdo.

Uma delas é que no mundo dos falantes do inglês, ou a maior parte dele, a sátira teria sido considerada como “discurso de ódio,” e os satiristas detidos. Mas muçulmanos da França são excluídos da categoria privilegiada, tomaram a ofensa na sátira, e retaliaram.

Por que os muçulmanos se incomodariam? A essa altura, os muçulmanos devem estar acostumados da hipocrisia Ocidental e dos padrões duplos. Um pouco de dúvida que os muçulmanos são zangados que eles não gozam das proteções outras minorias recebem, mas por que retaliar por causa da sátira, mas não pela participação da França nas guerras de Washington contra muçulmanos em que centenas de milhares morreram? Ser morto não é mais sério do que ser satirizado?

Outro modo de ver o ataque consiste em como um ataque projetou reforçar a posição de vassalo da França a Washington. Os suspeitos podem ser tanto culpados como patsies [NT – uma pessoa que é facilmente aproveitada, especialmente por ser enganada ou culpada por algo, pato.]. Somente lembre-se de todas as conspirações terroristas criadas pela CIA serviu ao propósito de fazer a ameaça de terrorismo ser séria para os Americanos. Ver: http://reason.com/blog/2014/07/22/human-rights-watch-all-of-the-high-profi

A França está sofrendo com as sanções impostas por Washington contra a Rússia. Os estaleiros são pressionados a se fazer incapazes de entregar ordens russas devido à posição vassalagem da França a Washington, e outros aspectos da economia francesa estão sendo adversamente impactados pelas sanções que Washington forçou os seus estados marionetes da OTAN a aplicar à Rússia.

Nesta semana o presidente francês disse que as sanções contra a Rússia devem terminar (assim fez o vice-chancelor alemão).

Isto é demasiada independência de política estrangeira da parte de França contrariando Washington. Teria Washington ressuscitado a “Operação Gladio,” que consistiu da CIA bombardeando ataques contra europeus durante a era pós-segunda-guerra quando Washington culpou comunistas e usou isso para destruir a influência comunista em eleições européias? Tal como o mundo foi levado a acreditar que os comunistas estiveram por trás da Operação ataques terroristas de Gladio, os muçulmanos são culpados dos ataques na revista satírica francesa.

A questão romana é sempre: Quem se beneficia? A resposta é: Não a França, nem os muçulmanos, mas a hegemonia mundial dos Estados Unidos. A hegemonia dos Estados Unidos por cima do mundo consiste no que a CIA apoia. A hegemonia mundial dos Estados Unidos é a política estrangeira neoconservadora-imposta a partir dos EUA.

Segundo a Rádio Pública Nacional, Charlie Hebdo é sobre o discurso livre. Os EUA têm o discurso livre, afirmam as pessoas eruditas de NPR, mas terroristas levou a liberdade de expressão embora dos franceses.

Somente como faz os EUA têm a liberdade de expressão quando o repórter do NY TIMES James Risen foi psicologicamente posto na tortura para revelar a sua fonte a força, apesar de tanto Risen quanto a sua fonte serem protegidos pela Constituição dos Estados Unidos e proteções denunciantes. Claramente, por fins da “segurança nacional dos Estados Unidos” superou-se todo o resto.

“A segurança nacional” não tem nada a ver com segurança nacional. Apenas trata da proteção dos criminosos no governo dos Estados Unidos da responsabilidade dos seus crimes. A cada vez que você ouve Washington invocar “segurança nacional,” você sabe para um fato de 100 % que o governo cometeu ainda outro crime. A segurança nacional é o capote de operações criminais de Washington. “A segurança nacional” impede os crimes do governo de vir à luz e, por meio disso, protege o governo da responsabilidade.

É de se perguntar que papel a “segurança nacional” teve no julgamento do escolhido suspeito Dzhokhar Tsarnaev do Bombardeio da Maratona de Boston. Tsarnaev ficou sob a guarda desde Abril de 2013 e sob acusação desde o dia 22 de Abril de 2013. No entanto a seleção do júri só está começando agora em Janeiro de 2015. Por que este atraso longo? A garantia de uma prova rápida já não significa mais nada, mas com todos os tipos de cobranças além do bombardeio para o qual o governo afirma ter testemunhas oculares e confissões com os irmãos Tsarnaev já condenados nos meios de comunicação, o atraso longo é um quebra-cabeça.

No entanto, não ouvimos Dzhokhar Tsarnaey ele mesmo. É difícil afastar o pensamento de que o julgamento de Dzhokhar foi adiado a fim de confrontar seu condicionamento e aceitação da sua culpa e para que as muitas perguntas levantadas por meios de comunicação alternativos fossem esquecidas.

A impressa e os meios de comunicação de televisão serviram a explicação do governo sem investigação. Contudo, os meios de comunicação alternativos tomaram a grande exceção a cada aspecto do caso. Como o governo dos Estados Unidos ensinou-nos desde o regime de Clinton, que a suposição mais segura é que tudo que o governo diz é uma mentira.

O aspecto mais suspeito do evento foi a velocidade com a qual um exército de 10.000 pessoas pesadamente armadas compostas da polícia de várias jurisdições e soldados da Guarda Nacional equipados na máquina militar e proveidos de tanques ou transportadores blindados de pessoal estiveram nas ruas de Boston. Nunca antes teve uma força tão maciça equipada com o equipamento pesado militar sendo empregado em uma perseguição, muito menos para um garoto ferido, desarmado, de 19 anos.

Para tal força a ser reunida e desdobrada tão rapidamente isso sugere pré-planejamento. O que foi apresentado como caçada humana a um suspeito gravemente ferido pareceu mais com um caso de teste e precedente para bloquear uma das maiores cidades da América, enquanto as esquadras de tropas desalojaram cidadãos dos Estados Unidos das suas casas sob a mira de arma e conduziram buscas indiscriminadas de casas que não contribuíram para nada à apreenção do suposto suspeito. As possibilidades são zero de que qualquer casa teria abrigado um fugitivo desarmado gravemente ferido morrendo por falta de assistência médica.

Não só Boston e os seus subúrbios foram bloqueados, a Administração de Aviação Federal restringiu o espaço aéreo de Boston e emitiu “uma parada de terra” para o aeroporto Logan. Por que?

Várias outras cidades no Massachusetts e até alguns outros estados colocaram as suas forças de polícia em alerta. Por que?

Na cena estavam o FBI, o Escritório de Álcool, Armas do Fogo e Explosivos, a CIA, a Administração de Execução de Droga, o Centro de Contraterrorismo Nacional. O General de Representante dos Estados Unidos confiou todas fontes ao Departamento da Justiça dos Estados Unidos.

Por que?

A única resposta plausível é para levantar o nível de medo para ganhar a aceitação do público do toque-de-recolher de Boston e as invasões policiais das casas de cidadãos. Não faz sentido que o perigo de um desarmado gravemente ferido de 19 anos pode justificar possivelmente tal despesa e violação de direitos constitucionais de cidadãos.

Uma pessoa incrédula deve admirar-se se o bombardeio foi um evento orquestrado com objetivo de coordenar o estado, governos locais, e federais no simulado toque-de-recolher de uma cidade principal. Uma pesquisa de opinião pública em Julho passado mostrou que 42 por cento dos moradores de Boston tinham dúvidas sobre a versão oficial dos eventos. Ver: http://www.globalresearch.ca/four-in-ten-bostonians-skeptical-of-official-marathon-bombing-account/5390848

Os crédulos sempre dizem que se uma conspiração existiu alguém teria falado. Mas as pessoas falam. Isso só não serve. Por exemplo, durante o primeiro mandato de George W. Bush um denunciante da NSA escoou ao New York Times que a Agência de Segurança Nacional passa por cima do Tribunal FISA e espiava cidadãos americanos sem autorizações. Sob a lei dos Estados Unidos, a NSA esteve em uma conspiração com o regime de Bush para cometer felonias sérias (possivelmente para fins de extorsão), mas o Times de Nova York segurou a história durante um ano até que George W. Bush fosse reeleito e o regime teve tempo para ‘ex post facto’ legalizar as felonias.

A Operação Gladio foi uma conspiração que manteve-se secreta durante décadas até que um Presidente da Itália a revelasse.

O Projeto de Northwoods foi guardado secretamente até anos posteriores quando a segunda Comissão de Kennedy o revelou.

Mais do que cem policiais e bombeiros informaram ter ouvido e pessoalmente experimentado múltiplas explosões andar por andar e até nos sub-caves das torres gêmeas do World Trade Center, e esses testemunhos não teve nenhum efeito seja o que for.

Ele só tomou um Ph.D. de física para derrubar a explicação do NIST do colapso do WTC. O fato que foi conclusivamente provado que este edifício veio abaixo pela demolição controlada não teve nenhum efeito na história oficial.

Os conferencistas e o conselho legal da Comissão de 9/11 publicaram livros nos quais eles dizem que a informação foi retida da Comissão, que os Militares dos Estados Unidos mentiram à Comissão, e que a Comissão “foi fundada para falhar.” Nem o Congresso, os meios de comunicação, nem o público dos Estados Unidos tiveram qualquer interesse na investigação por que a informação foi retida, por que os militares mentiram, e por que a Comissão foi fundada para falhar. Essas afirmações extraordinárias pelos líderes da investigação oficial não tiveram nenhum impacto em absoluto.

Mesmo hoje uma maioria da população dos Estados Unidos acredita na propaganda de Washington de que a Rússia invadiu a Ucrânia e anexou algumas províncias. Nem julgamento nem inteligência são pontos fortes do público e júri americanos.

O governo diz aos americanos qualquer história que o governo coloca e senta e ri da credulidade do público.

Hoje o público dos Estados Unidos é dividido entre aqueles que confiam “nos meios de comunicação dominantes” e aqueles que confiam nos meios de comunicação de Internet alternativos. Só o último tem qualquer pista quanto ao que realmente está acontecendo.

As histórias de Charlie Hebdo e dos irmãos Tsarnaev serão baseadas não em fatos mas nos interesses do governo. Como no passado, o interesse do governo prevalecerá por cima dos fatos.

Autor: Dr. Paul Craig Roberts

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.worpress.com

Fonte: http://www.globalresearch.ca/false-flags-charlie-hebdo-and-tsarnaevs-trial-cui-bono/5424038