Os militares da União Européia dão ainda outro sinal de impotência.


A situação no Baltico desestabiliza se a Otan multiplicar suas manobras, afirma Moscou. foto: civilwarineurope.com

Você provavelmente ouviu da tentativa européia de readquirir alguma relevância: a proposta de criar “um Exército de União Européia”. Em parte, isto é, uma tentativa dos europeus de mostrar que são importantes, que podem fazer algo por eles mesmos, que não são completamente lacaios dos Estados Unidos. Isto também poderia ser uma reação às afirmações loucas do General Philip Breedlove , o Comandante do Comando Europeu dos EUA e Comandante Aliado Supremo da Europa (SACEUR) cujos comentários inflamatórios até adquiriram um longo contra-argumento em Der Spiegel (há até rumores de que os europeus querem Breedlove demitido).

Qualquer que seja o caso, a idéia de uma espécie de exército europeu é quase nova – nós já tivemos a brigada franco-alemã e os Eurocorps. Isso é tudo muito bom, mas apenas no papel. A realidade é que ninguém na Europa tem dinheiro para pagar o futuro exército da UE. Mas ainda pior é que mesmo dentro da OTAN a contribuição europeia é quase insignificante.

Primeiro, dê uma olhada neste gráfico mostrando a contribuição financeira feita por cada estado membro da OTAN em 2013:

Claramente, os EUA pagam a parte de leão e, se acrescentarmos que é Poodle Europeu (Reino Unido), o “compartilhamento Anglo” torna-se ainda maior. Mas essa não é a história completa. Vamos tomar os próximos dois (e praticamente únicos) países relevantes, Alemanha e França. Não é apenas a suas contribuições financeiras muito pequenas, os seus exércitos nacionais são uma bagunça total. Rússia Insider acabou de postar um excelente estudo do estado das forças armadas alemãs , ao que eu só gostaria de acrescentar este artigo intitulado “L’armée française n’a plus un rond et le moral à zéro” (Os militares franceses não tem um centavo e seu moral está baixo a zero), que chega a conclusões semelhantes sobre os militares franceses.

E quanto ao resto da OTAN você pode perguntar?

Eles são mesmo uma piada mais patética do que França e Alemanha. A única força militar que sobra é a Turquia que nunca vai concordar em participar de tal força e que provavelmente não serão convidados de qualquer maneira (há uma razão por que os europeus nunca deixaram “os então muçulmanos” no interior da UE, para começar!). Então vamos ficar com algumas forças aéreas semi-decentes e marinhas, mas sem capacidades de armas combinadas reais. Finalmente, toda a Europa sempre dependeu dos EUA para a inteligência, em particular a inteligência do campo de batalha. Assim, mesmo essas forças aéreas e marinhas são, na realidade, totalmente dependentes do Tio Sam.

Que nos deixa com os palhaços europeus centrais como a Polônia ou a Lituânia. Para ver o que eles podem realisticamente “contribuir” você pode pensar somente nos militares georgianos em 2008, que foram totalmente treinados e totalmente equipados pelas mesmas pessoas que estão agora treinando e equipando os europeus Centrais.

A realidade é que ninguém na Europa pode pagar nada além de ar quente e que todas as forças militares europeias são boas para a exibição de poder militar inteiramente não convincente como recentemente mostrado pela Noruega ou as forças navais da OTAN no Mar Negro (qualquer navio no Mar Negro é um um alvo fácil para os militares russos) E mesmo que isso não venha assustar ou “deter” a Rússia, que não tem intenções hostis para começar, vai contribuir para o agravamento das relações como mostrado pela recente decisão russa para abandonar todas as atividades do CFE.

Esta última iniciativa, longe de mostrar qualquer tipo de despertar Europeu, é mais uma prova da total falta de sentido de Estado por parte dos Eurocretinos no poder em Bruxelas e nas capitais da UE. Uma exposição muito mais convincente do poder e dignidade seria ousar simplesmente dizer “não” a algo exigido pelo Tio Sam.

Mas isso, infelizmente, não vai acontecer tão cedo.

Autor: The Saker

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: http://thesaker.is/the-european-unions-military-yet-another-sign-of-impotence/