Porque o colapso global do petróleo pode ocorrer em 2020.


As reservas monetárias da Arábia Saudita ‘se evaporam’ a um ritmo recorde.

As reservas de divisas da Arábia Saudita estão se reduzindo a um ritmo recorde devido à situação deteriorada na região, assim como pelo aumento do gasto social.

Em condições de queda dos preços do petróleo, o país gastou em fevereiro e março 36 bilhões dos ativos externos líquidos do Banco Central, que representa cerca de 5% do total, segundo revela os dados publicados esta semana, citados pela agencia Bloomberg.

Estas cifras se devem em parte à ‘generosidade’ do rei Salman ben Abdelaziz que ordenou assinar milhares de milhões de dólares em prêmios e subsídios para os empregados públicos depois de sua ascensão ao trono.

A queda dos preços do petróleo em 48% o ano passado e o aumento dos gastos militares obrigou o Governo a começar a gastar as reservas e pedir empréstimos aos bancos nacionais para manter o gasto com os salários e os investimentos.

“Este vai ser um ano excepcional em termos de queda das reservas. Inclusive se o próximo ano o petróleo se estabilizar entre 70 e 80 dólares o barril, alguma racionalização dos objetivos do gasto terá que ocorrer para limitar um maior deteriorização da situação fiscal”, disse Monica Malik, economista chefe do Banco Comercial de Abu Dabi (Emiratos Árabes Unidos).1

“O grande segredo da Arábia Saudita”: suas reservas de petróleo estão se esgotando?

A contrariedade da Arábia Saudita e da OPEP em reduzir a produção de petróleo é um dos temas mais populares dos últimos meses. Mesmo que existam muitas teorias a respeito, nenhuma delas fala da possibilidade dos próprios recursos sauditas estarem se esgotando.

Segundo um artigo publicado no portal de noticias vestifinance.ru, os especialistas “preferem não falar desta possibilidade, ou simplesmente não se dão conta dela”, mas o fato e´que não sabemos quase nada sobre as reservas de petróleo da Arábia Saudita, já que esses dados estão sendo cuidadosamente ocultados.

“E se os sauditas atuam desta maneira é porque sabem que pronto, dentro de uns anos, a produção no reino alcançará seu pico e começará a baixar? E se temem que o aumento da eficiência energética, a substituição de combustíveis (por exemplo, pelo gás natural) e a redução das emissões de gases de efeito estufa contribuem para a queda de seus lucros do petróleo na próxima década? Talvez esta década seja o melhor momento para maximizar os ganhos de petróleo?”, se pergunta o autor do texto.

“Nesse caso, o ataque contra a industria petrolífera dos EUA e Canadá adquire um novo significado”, já que “os baixos preços durante um ano serão um fator suficiente para espantar a todos os investidores durante muitos anos por a frente”. Assim Arábia Saudita poderia obter o máximo de lucro das exportações de petróleo antes que a produção comece a reduzir-se, é o que diz o artigo.

Como a investimento na indústria petrolífera está estreitamente relacionado com o preço do petróleo, em teoria a volatilidade do mercado pode ser enorme, com ciclos curtos de aumentos e quedas da produção e preços. No entanto, é pouco provável, já que nos próximos 18 meses as pequenas empresas iriam à falência, e seus ativos seriam comprados pelos gigantes internacionais do petróleo, que aplicam um enfoque mais equilibrado do desenvolvimento de negócios e investimento.

Esta versão é difícil de confirmar devido à falta de informação, lamenta o autor do artigo. Saudi Aramco, a empresa que controla toda a produção do petróleo no reino, pertence cem por cento ao Estado, por isso não é obrigada a informar o público, assim como não é obrigada a passar por auditoria externa independente.

Mas Riad já tem advertido que o mundo não conta com uma produção superior a 12,5 milhões de barris por dia no reino, enquanto que atualmente produz próximos a 9,7 milhões de barris diários, dos quais se exporta mais ou menos 6,9 milhões de barris.  

Dando por certa essa teoría, o mundo enfrentaria uma grave crise das reservas depois de 2020, assim como uma queda da produção. Em termos gerais, em algum momento dos próximos 10 anos, a OPEP já não sería capaz de equilibrar a oferta e a demanda. E como não há mais informação sobre o tema, é pouco provável que alguem esteja preparado para uma mudança tão drástica na situação do mercado de petróleo.2

Oficial da Reserva Federal dos EUA: “A Arábia Saudita organizou a crise petrolífera”

Um oficial da Reserva Federal dos EUA acusa a Arábia Saudita de ter organizado a crise global de preços do petróleo com o objetivo de prejudicar o seu rival regional Irã.

Durante um discurso no Clube Econômico de Nova Iorque, Richard Fisher, o presidente da Reserva Federal de Dallas, anunciou que “os sauditas têm organizado” a crise do petróleo, informa Press TV. Mesmo assim, Fisher acrescentou que Riad tira benefícios tanto econômicos como políticos do colapso dos preços do petróleo.

O funcionário anunciou que a Arábia Saudita é capaz de enfrentar a queda dos preços do petróleo durante um período de tempo muito mais longo já que suas reservas são muito maiores que as do Irã. Além disso, Fisher estima que os preços não voltarão a subir até 100 dólares por barril tão cedo.3

[1] http://actualidad.rt.com/economia/173771-arabia-saudita-reservas-monetarias-caida-record
[2] http://actualidad.rt.com/actualidad/167331-reservas-petroleo-produccion-arabia-saudita
[3] http://actualidad.rt.com/actualidad/166273-arabia-saudita-organizar-crisis-petroleo