Pode a 6ª geração dos aviões de combate da América dominar os céus?


Uma sexta geração de caças F/A-XX vai substituir a frota envelhecida de caças de ataque a serviço da Marinha dos Estados Unidos, os atuais Boeing F/A-18E/F Super Hornet, e devem ser projetados principalmente para funções ar-ar. A capacidade de ataque pode ser tratada como preocupação secundária, pelo menos essa é a opinião de alguns funcionários da indústria aeronáutica.

De acordo com alguns especialistas do setor com profundo conhecimento tanto da Lockheed Martin F-35C Joint Strike Fighter como do Super Hornet, nenhum jato pode lidar adequadamente com as novas ameaças, e desafiar o chinês Chengdu J-20 ou o russo Sukhoi T-50 PAK-FA. O chinês J-20 é particularmente ameaçador, de acordo com um oficial sênior do setor com uma extensa experiência como piloto de caça.

“Quando você vê esses lutadores de próxima geração, o PAK-FA fora da Rússia e do J-20 para fora da China e um pouco de sua nova tecnologia de mísseis, a nossa vantagem está diminuindo”, disse um oficial sênior do setor.

Impressão artistica do novo caça chines J-20 de quinta geração decolando do porta-aviões Shi Lang (Ex-Varyag).

Normalmente, os pilotos de caça medem as capacidades dos equipamentos e comparam as vantagens e desvantagens relativas de seu jato com os dos seus inimigos”, na esperança de encontrar uma vantagem. Isso poderia significar encontrar uma parte do curva de vôo onde um lutador se sai melhor ou acelera por fora o jato inimigo ou talvez onde mísseis amigáveis tem uma vantagem de alcance. No entanto, contra o J-20 e PAK-FA, apenas o Lockheed Martin F-22 Raptor oferece quaisquer vantagens reais, disse o funcionário.

Uma área em que o J-20, por exemplo, completamente deixa para trás o F/A-18 e F-35, é o desempenho supersônico. O J-20 pode voar em altas velocidades supersônicas sem usar o combustível de pós-combustão (que consume excessivamente) por longos períodos, o que lhe permite partilhar muito mais energia para o lançamento de seus mísseis.

“Considere que um J-20 com capacidade de voar no poder supersônico de 300 milhas a mais antes de virar ao contrário e voltar, [isso] faz com que seja muito difícil para um caça subsônico [que precisa de pós-combustão ‘afterburner’ para o vôo supersônico] para entrar nesse ambiente e sobreviver “, disse o funcionário. “Especialmente em um desdobramento quando estamos em desvantagem numérica.”

Em uma batalha de ar-ar complicada, onde há muitos combatentes envolvidos, há casos em que um lado ou o outro terá que tentar “separar” – o que significa, basicamente, tentar fugir em alta velocidade.

Um lutador que precisa usar afterburners para vôo supersônico pode normalmente só manter essas velocidades por um ou dois minutos antes de o combustível torna-se um problema crítico. “Se ele está na potência de super cruzeiro, correndo para baixo, essa não é uma boa posição para ficar,” disse o oficial.

Outra fonte concorda que o F/A-XX poderia ser mais adequado para a missão ar-ar. O segundo oficial citou duas razões principais para isso. Em primeiro lugar, o F-35C pode desempenhar a função ataque, e, segundo, o grande número de aviões inimigos que as transportadoras no futuro pode trazer para um confronto. “Os requisitos do F/A-XX podem muito bem pender para a defesa aérea da frota contra operações de ataque”, disse o segundo oficial. “A questão principal é a ameaça provável de superioridade numérica em múltiplas dimensões.”

O segundo funcionário acrescentou que, em sua opinião, o F-35C pode lidar com o J-20 um-para-um. No entanto, se as forças amigas forem maciçamente superadas em número, e não tiverem mísseis suficientes para abater todos os aviões inimigos m aproximação, a situação se modifica.

“Um F-35C pode facilmente lidar com um J-20, mas não pode contar com o apoio do grupo de aeronaves que realiza a defesa aérea da frota sem se assegurar antes de superar em maior número do que o número de disparos que eles têm”, disse o segundo oficial.

Se o futuro F/A-XX precisa transportar mais mísseis, necessariamente vai precisar ter um grande volume – se o jato for ser Stealth, disse o oficial. Mas porque um design de asa voadora é necessário para todos os aspectos de banda larga stealth – não há espaço para empilhar compartimentos para as armas ao longo do comprimento do jato se considerar que o F/A-XX será um projeto supersônico. Por necessidade, um avião supersônico de alta performance tem que ser longo e fino, a fim de ter uma “proporção de finura” boa para um desempenho eficiente.

Por isso, será necessário o desenvolvimento de novas armas. “Um caça supersônico, de asa voadora [ver NT] provavelmente vai exigir mísseis menores, ou contar com armas de energia dirigida como um laser de alta energia para minimizar o volume de carga interna”, disse o segundo oficial. “No entanto, a banda larga, de aspecto totalmente Stealth é certamente possível para uma aeronave transportadora de característica subsônica, onde finura não é uma preocupação.”

O primeiro funcionário da indústria, por sua vez, disse que a Marinha precisa de desenvolver o F/A-XX com características ar-ar. Atributos básicos incluem a capacidade de cruzeiro hiper-supersônico em grandes altitudes entre 50.000 e 60.000 pés, invisível, sensores avançados e armas avançadas. “Eu acho que você sempre pode fazer um bom lutador em um bom atacante”, disse o oficial. “Eles estão fazendo isso com o F-22. Não há lutador no mundo tão bom quanto um F-22. ”


Veja também: Comparação dos aviões de combate modernos.

Enquanto isso, John Stillion, um analista do Centro de Avaliação Estratégica e Orçamental argumenta em um artigo recente que um lutador da próxima geração não seria necessariamente um caça supersônico, mas sim um asa voadora furtivo subsônico que levaria extremamente mísseis de longo alcance. Em termos simples, os argumentos de Stillion são invisibilidade, carga útil e capacidade de sensor de Trump métricas de caça tradicionais, como velocidade, altitude e capacidade de virar.

Um oficial sênior da Força Aérea disse que concordou até certo ponto. Mas o oficial da Força Aérea acrescentou que, enquanto as métricas tradicionais podem diminuir em importância, elas ainda vão ser eminentes em aviões de caça no futuro como FX desse serviço ou o da marinha F/A-XX- onde os dois serviços estão esperando para o lançamento de uma análise conjunta de alternativas no próximo ano.

No entanto, o início de um consenso é que a Marinha e a Força Aérea provavelmente vão construir plataformas separadas que compartilham tecnologias-chave.

Enquanto isso, alguns duvidam que a Marinha pode pagar um F/A-XX quando se olha para o futuro orçamento do serviço. Há “uma pilha de contas deve-paga, como o programa de substituição da classe Ohio”, disse a fonte. “Não tenho certeza se eles podem engolir um projeto de lei de desenvolvimento grande para o F/A-XX, e dar conta a tempo.”

Sobre o autor: Dave Majumdar tem vindo a cobrir defesa desde 2004. Ele atualmente escreve para o Instituto Naval dos EUA, Aviation Week e The Daily Beast, entre outros. Majumdar anteriormente abrangeu questões de segurança nacional em Flight International, Defesa Notícias e C4ISR Journal. Majumdar formou0se em Estudos Estratégicos na Universidade de Calgary e é um estudioso da história naval.

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: http://nationalinterest.org/feature/can-americas-6th-generation-fighter-jets-rule-the-skies-12613

[NT] Nota do tradutor: uma asa voadora é uma aeronave de asa fixa sem cauda que não tem fuselagem definitiva.