A Polícia dos EUA mata 100 vezes mais que a de outros países.


O número de asesinatos da Polícia de Estados Unidos supera em cem vezes ao de outros países capitalistas, assegura a página Web ‘Global Research’ num recente artigo escrito por Richard Becker, membro da coalição anti guerra ANSWER.

Becker explica que se bem o Governo dos EUA não revela a cifra das pessoas que morrem cada ano neste país pelas mãos da Polícia, alguns sitios Web como ‘KilledByPolice.net’ dão a conhecer as estatísticas que mostram o alto nível dos assassinatos que a Oficina Federal de Inteligência (FBI, em inglês) considera “justificáveis”.

“Os policiais dos EUA acabaram com a vida de 1100 pessoas só nos últimos oito meses de 2014. Porém se considerarmos que somente 800 das 18.000 oficinas de polícia oferecem as estatísticas, pois a cifra verdadeira das vítimas é muito maior”.

O ativista recorda que, num país como o Reino Unido, onde os agentes de polícia que realizam a patrulha não portam armas, só consta, desde 2010 a 2014, 5 casos de violência policial que deixaram vítimas fatais.

Enquanto que “somente numa cidade como Albuquerque [no estado do Novo México (EUA)] foram registrados 26 assassinatos cometidos pela Polícia no mesmo período”.

O artigo sustenta que a violência policial no país norte-americano é radical com a “perigosa” idéia de “excepcionalismo dos EUA”, ou seja, quer dizer que os Estados Unidos é superior a todos os demais países.

Becker recorda um discurso pronunciado em 28 de maio de 2014 pelo presidente dos EUA, Barack Obama, na Academia Militar de West Poin, onde insistiu que os “Estados Unidos deve ser sempre o líder no cenário internacional. Se não o fizermos, ninguém o fará (…) Creio no excepcionalismo dos EUA com cada fibra do meu ser”.

‘Global Research’ afirma que esta política discriminatória de Washingtom dá lugar aos atos violentos contra os afro-americanos, latinos e outras minorias que residem nos Estados Unidos.

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: HISPANTV