França reconhece que sua economia é muito fraca.


Veja as taxas de crescimento do PIB no último trimestre de 2013 e no primeiro trimestre de 2014 na zona Euro.

O ministro francês de Finanças, Michel Sapin, admitiu que o crescimento econômico do país é demasiadamente fraco, após conhecer-se que o Produto Interno Bruto (PIB) subiu 0,4 por cento em 2014.

Neste contexto, Sapim expressou à imprensa que o indicador se comportou em linha com as previsões do Governo.

Por outro lado, o Instituto Nacional de Estatísticas e de Estudos Econômicos (Insee) da França divulgou as primeiras estimativas sobre o PIB durante o ano passado, ao informar um comportamento similar ao de 2013.

O consumo avançou um ponto, enquanto que o investimento total caiu 1,6 por cento, o dobro que o retrocesso registrado no exercício anterior.

De acordo com o Insee, o investimento retrocedeu tanto nos lugares como nas administrações públicas, num contexto de crise econômica.

Nas últimas informações, a Comissão Europeia (CE) focou demais no tema do déficit fiscal, um dos objetivos que mais pressiona o Governo francês, ante o distanciamento dos três por cento do PIB, exigido por autoridades comunitárias européias.

O descompasso se encontra atualmente em 4,6 por cento do PIB, uma cifra que o Ministério de Finanças calcula rebaixar ao menos 0,5 por cento em 2015. Só em 2017 espera-se chegar a cumprir a meta estabelecida.

De acordo com a Comissão, este ano o déficit se situará em 4,1 por cento do PIB, sendo distante do exigido.

Sobre o nivel de endividamento, especialistas indicam que o fraco crescimento da economia é um dos elementos que mais pesa sobre o incremento de uma dívida pública que supera os dois bilhões de euros.

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: HISPANTV