A geopolítica de tentativas desesperadas.


Desde a queda do Muro de Berlim, velhos parceiros da Rússia foram se alinhando com a União Europeia. A nova União Eurasiatica se entende como um contrapeso.Clique na imagem para ampliar.

A Rússia tem sido atingida pelas sanções dos EUA após o episódio Crimeia. O valor do rublo caiu 47% desde então. As reservas federais da Rússia foram registradas em $380 bilhões que cairam $510 bilhões em 2014. Isso é extremamente perigoso para a Rússia, um país que se orgulha em ser uma das maiores e mais poderosas nações do mundo. A Rússia parece desesperada o suficiente.

Apesar de toda essa turbulência econômica, a Rússia manteve a ficar firme em sua “posição” na Criméia. Como isso é possivel? Eu vou te dizer como.

A resposta é a China. A maioria das pessoas diria: Por que a China “Financia” ou “AJUDA” A Rússia, que tem uma história de relações difíceis. Nós vamos chegar a isso daqui a pouco, mas primeiro deixa eu dizer o que está acontecendo.

O volume de comércio entre a Rússia e a China aumentaram 6,8%, ou seja $95,3 bilhões no ano passado. Putin planeja levar este a $200 bilhões até o ano de 2020. Isto significa que a China e a Rússia estão dispostas a resolver quaisquer disputas que tinham ou, pelo menos, ignorá-las agora para o maior interesse de seus respectivos países.

Em novembro, a China importou 876 mil barris de petróleo por dia a partir da Rússia. Este é um ponto mais alto. Uma estimativa de 87% desde 2013.

O ministro do Comércio da China fez observações “se houver necessidade do lado russo, a China está disposta a oferecer ajuda necessária dentro de sua capacidade. ”

A China assinou um acordo de 24,4 bilhões de dólares com a Rússia. O Banco Popular da República, Banco Central da China, em 26 de dezembro de 2014 permitiu a negociação de derivativos renminibi [ver NT] rubros facilitando o comércio entre russos e empresas chinesas.

Putin e Xi Jinping se reuniram com freqüência, 5 vezes para ser exato no ano passado. Rússia e China estão enviando uma mensagem? Tudo isso acontecendo bem quando a América colocou sanções à Rússia. Não podemos negar que Washington parece ser a principal motivação por trás de tais medidas tomadas por China e Rússia. O que precisamos entender é que os EUA não podem se dar ao luxo de ter influência russa na Europa. Também não podem se dar ao luxo de perder o controle da Ásia. EUA sabem que o Irã não é um país que pode ser visto como um aliado no futuro. Bem, não no futuro próximo, ou seja, o Paquistão está atravessando o pior momento de turbulência política e de segurança; em poucas palavras, o Paquistão tem pouca influência no Sul da Ásia. Embora o Paquistão tenha o potencial de ter essa influência, sendo um Estado nuclear e devido à sua importância geoestratégica, mas no momento Paquistão atingiu uma fase difícil. A Rússia parece estar indo bem, recuperando-se como eu gostaria de chamar isso. Ganhando terreno na Europa e recuperando-se economicamente e com uma nova aliança que está sendo formada entre a China e a Rússia, o que significaria a influência da China sobre a Ásia. Não devemos esquecer que a China e o Paquistão também têm um vínculo geoestratégico. Então, isso faz da Ásia o quintal da China.

Quem está desesperado agora?

Correto! É Estados Unidos. Estados Unidos terão quase zero influência na Ásia se as coisas correrem da maneira que vão. O único país que tem um potencial para “pressionar” a China e permanecer fiel aos Yankes é a Índia. Os Estados Unidos sabem que a Índia pode ser usada para criar a sua influência na Ásia. Os Estados Unidos têm uma história de ter soluções diplomáticas excelentes que em sua maioria acabam em “matar dois coelhos com uma cajadada só”. O presidente dos EUA, Barack Obama, visitou a Índia em 25 de janeiro. As partes mais importantes desta visita foram a cooperação nuclear civil para ser iniciada e, finalmente, fazer lobby para um assento permanente da Índia no Conselho de Segurança.

Por que os EUA querem fazer o lobby para o assento permanente do CSNU para a Índia? Pela mesma razão, ele quer ter certeza de que existe um forte aliado dos EUA presente na Ásia. Não devemos esquecer que a Rússia e a Índia fizeram acordos num montante de até mais de US$ 130 bilhões de dólare na última visita de Putin. Mais más notícias para os EUA. É dia de pagamento para a Rússia, teoricamente.

Talvez os americanos queiram desviar o “negócio” ou da receita que os russos vão fazer na Índia, tornando-os investidores em empresas americanas. Ao trazer a Índia mais perto não só o presidente Obama cria o seu legado, ele vai trazer as empresas americanas para investir na Índia, e também irá garantir um forte aliado na região. Dois coelhos com uma cajadada. EUA querem que a Índia seja economicamente e militarmente forte.

A China no momento tem uma prioridade. Ela precisa reforçar a sua moeda, e dominar o dólar norte-americano. A Rússia está servindo ao propósito. A Rússia servirá como um forte aliado que irá ajudar a China a espalhar sua influência. A China já está socorrendo a Rússia, além disso o negócio indiano de 135.000 milhões dólares com a Rússia é uma questão preocupante para Washington. Washington é tão inocente que não se lembra de que a Índia tem sido “amiga” com a Rússia, além disso, ficou do lado da Rússia durante a guerra fria? Mesmo se nós acreditarmos que tudo o que é considerado sobre o passado que sabemos da Índia não pode servir como país aliado permanente dos Estados Unidos. A Índia vai servir para ser aliada de longo prazo dos EUA? Talvez agora. Mas vai ser um país aliado no longo prazo? Talvez não. O teste do novo ICBM Agni V da Índia tinha sido adiado devido à visita de Obama. Foi realizado no dia 31 de janeiro. Este é um sinal claro para os Estados Unidos de que a Índia vai fazer tudo o que está em seus interesses. É tão ingênuo os EUA? Não, apenas desesperado.

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

[NT: Nota do Tradutor] – renminbi é o sistema de moeda da República Popular da China, introduzida em 1948.
Fonte: https://haiderwrites.wordpress.com/2015/02/06/a-desperate-attempt/