EUA, Rússia e China: 2015 será um ano temeroso em muitos aspectos.


O presidente dos EUA, Barack Obama (à esquerda) e o presidente chinês, Xi Jinping (à direita) e o presidente russo, Vladimir Putin (no centro) chegam na Conferência da APEC em 11 de novembro de 2014, em Pequim, China.

Tal como está, o que nós sabemos é que 2015 será um ano de arrepiar os cabelos em inúmeros aspectos… todos nós ainda permanecemos sob o indício de um assustador, perigoso e excessivamente irracional Império do Caos.

O Império Romano fez isso. O Império Britânico o copiou em grande estilo. O Império do Caos tem feito sempre. Todos eles fazem assim. Divide et impera. Dividir para reinar – ou dividir e conquistar. É desagradável, brutal e eficaz. Embora não para sempre, como os diamantes, porque impérios se desmoronam.

Um quarto com vista para o Panteão pode ser uma celebração de Vênus – mas também um vislumbre sobre as obras de Marte. Eu tinha estado em Roma, essencialmente, para um simpósio – Global WARning – organizado por um muito comprometido grupo talentoso, liderado por um ex-membro do Parlamento Europeu, Giulietto Chiesa. Três dias mais tarde, conforme a operação no rubro se desencadeou, Chiesa foi preso e expulso da Estônia como persona non grata, mais uma ilustração gráfica da histeria anti-Rússia que agarra os países bálticos e da pressão orwelliana da OTAN sobre os elos fracos da Europa. [1]

A divergência é simplesmente não permitida.

Foto ao lado: Em resposta às sanções da UE e dos EUA contra a Rússia, o conselheiro econômico do Kremlin, Sergey Glazyev declarou abertamente que, se os abutres financeiros persistissem, a Rússia criaria imediatamente um sistema financeiro independente que é separado daquele do dólar americano.

No simpósio, realizado em um antigo refeitório Dominicana do século 15 divinamente decorado, que agora faz parte da biblioteca do Parlamento italiano, Sergey Glazyev, por telefone, de Moscou, fez uma leitura austera da Guerra Fria 2.0. Não há “governo” real em Kiev; o embaixador dos EUA está no comando. Uma doutrina anti-Rússia eclodiu em Washington para fomentar a guerra na Europa – e os políticos europeus são seus colaboradores. Washington quer uma guerra na Europa porque está perdendo a competição com a China.

Glazyev abordou as sanções sem efeito: a Rússia está tentando simultaneamente reorganizar a política do Fundo Monetário Internacional, combater a fuga de capitais e minimizar o efeito de bancos fechando linhas de crédito para muitos empresários.

No entanto, o resultado final das sanções, diz ele, é que a Europa vai ser economicamente o perdedor final; a burocracia na Europa tem perdido o foco econômico conforme os geopolíticos americanos tomaram conta.

Somente três dias antes da corrida ao rubro, perguntei a Mikhail Leontiev da Rosneft (Diretor do Departamento de Informação e Propaganda) sobre os rumores crescentes de que o governo russo se preparava para aplicar controles cambiais. Na época, ninguém sabia que um ataque ao rubro seria tão rápido, e concebido como um xeque-mate para destruir a economia russa. Depois de cafés expressos sublimes no Tazza d’Oro, frente ao Panteão, Leontyev disse-me que os controles da moeda foram de fato uma possibilidade. Mas não ainda.

O que ele fez foi enfatizar, isso era guerra financeira pura e simples, apoiada por uma quinta coluna no estabelecimento russo. O único componente semelhante nesta guerra assimétrica foram as forças nucleares. E ainda a Rússia não se renderia. Leontyev tem caracterizado a Europa não como um sujeito histórico, mas como um objeto:

“O projeto europeu é um projeto americano.” E “democracia” tornou-se ficção.

A corrida ao rubro entrou e saiu como um furacão econômico devastador. No entanto, você não ameaça um jogador de xadrez qualificado com um xeque-mate, a menos que o seu poder de fogo seja mais forte do que o raio de Júpiter. Moscou sobreviveu. A Gazprom atendeu ao pedido do Presidente Vladimir Putin e vai vender suas reservas de dólares no mercado interno. O Ministro dos Negócios Estrangeiros alemão, Frank-Walter Steinmeier seguiu o protocolo contra a UE ainda mais “girando o parafuso” com sanções mais ainda tendo o efeito oposto ao desejado contra Moscou. E em sua conferência de imprensa anual, Putin enfatizou como a Rússia iria resistir à tempestade. No entanto, eu fiquei especialmente intrigado com o que ele não disse. [2]

Como Mars assumiu, em uma frenética aceleração da história, afastei-me para o meu quarto Pantheon tentando canalizar Seneca; da eutimia – serenidade interior – para esse estado de imperturbabilidade que os estóicos definiram como aponia. Ainda assim, é difícil de cultivar eutimia quando a Guerra Fria 2,0 enraivece.

Mostre-me seu destemido míssil.

A Rússia sempre pode implantar uma opção econômica “nuclear”, declarando uma moratória sobre sua dívida externa. Então, se os bancos ocidentais apreendem ativos russos, Moscou pode aproveitar cada investimento ocidental na Rússia. De qualquer forma, o propósito do Pentágono e da OTAN de uma guerra de tiros no teatro europeu não iria acontecer; a menos que Washington seja tolo o suficiente para iniciá-lo.

Ainda assim, isso continua a ser uma possibilidade séria, com o Império do Caos acusando a Rússia de violar a de Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF), enquanto que se prepara para forçar a Europa em 2015 a aceitar a implantação de mísseis de cruzeiro nucleares dos EUA.

A Rússia poderia passar a perna nos mercados financeiros ocidentais, cortando-as a partir de sua riqueza de petróleo e gás natural. Os mercados iam inevitavelmente ao colapso – caos descontrolado pelo Império do Caos (ou “caos controlado”, nas palavras do próprio Putin).

Imagine a desintegração dos mais de quatriliões de derivados. O “Ocidente” levaria anos para substituir o petróleo e o gás natural russo, mas a economia da UE seria devastada instantaneamente.

Apenas este ataque Ocidental relâmpago sobre o rubro – e os preços do petróleo – usando o poder esmagador das empresas de Wall Street já teria abalado no núcleo os bancos europeus expostos à Rússia; seus credit default swap (CDS) subiram. Imagine que os bancos em colapso num efeito dominó ao estilo Lehman Brothers se a Rússia decidir pelo padrão (CDS)- desencadeando uma reação em cadeia. Pense em um MAD não nuclear (destruição mútua assegurada) – de fato uma hostilidade. Ainda assim, a Rússia é auto-suficiente em todos os tipos de energia, riqueza mineral e agricultura. A Europa não é. Isso poderia se tornar o resultado letal da guerra por sanções.

O gráfico abaixo mostra como os bancos de 12 principais países desenvolvidos estão expostos:

Uma série de bancos podem ficar seriamente expostos se a moeda da Rússia, o rubro, cair.

Essencialmente, o Império do Caos está blefando, usando a Europa como peões. O Império do Caos é tão ruim no xadrez como é em história. O que se destaca consiste em elevar a aposta para forçar a Rússia a recuar. A Rússia não vai recuar.

Alvorada de trevas num intervalo de caos.

Parafraseando Bob Dylan em When I Paint My Masterpiece, deixei Roma e desembarquei em Pequim. A viajam de Marco Polo de hoje pela Air China; em 10 anos, eles ampliarão em sentido contrário, levando ferrovias de alta velocidade a partir de Xangai até Berlim. [3]

Partindo de um quarto na Roma imperial para um quarto numa hutong pacífica – um memorial da China imperial.

Em Roma, os bárbaros aos enxames dentro dos portões, suavemente pilham as migalhas de um rico patrimônio, inclusive a máfia local. Em Pequim, os bárbaros são mantidos sob rigorosa vigilância; é claro que há um elemento de Panopticon a ela, essencial para garantir a paz social interna.

A liderança do Partido Comunista Chinês (PCC) – depois das reformas transcedentais na pequena Timoneiro Deng Xiaoping – é perfeitamente consciente de que o seu Mandato do Céu está diretamente condicionado pela perfeita sintonia fina do nacionalismo e o que poderíamos denominar “neoliberalismo com características chinesas”.

Em uma veia diferente das “camas macias do Oriente” que seduziram Marco Aurélio, os esplendores da seda da chique Beijing oferecem um vislumbre de uma potência emergente extremamente auto-confiante. Afinal, a Europa não é nada além de um catálogo de esclerose múltipla e o Japão está sob sua sexta recessão em 20 anos.

O presidente chinês Xi Jinping e o presidente russo, Vladimir Putin assinam uma declaração conjunta prometendo cooperação em todos as áreas.

Para finalizar, em 2014 o presidente Xi Jinping tem implantado um frenesi diplomático / geoestratégico sem precedentes – em última análise, vinculado ao projeto de longo prazo lento, mas seguramente mantendo apagada a supremacia dos Estados Unidos na Ásia e reorganizando o tabuleiro de xadrez global. O que Xi disse em Xangai, em maio encapsula o projeto;

“É hora de os asiáticos gerirem os negócios da Ásia.” Na reunião da APEC em novembro ele inclinou-se a promover um “sonho Ásia-Pacífico”.

Enquanto isso, o frenesi é a regra. Além dos dois monstros, 725 bilhões de dólares em contratos de gás – os gasodutos Poder da Sibéria e Altai – e uma recente ofensiva relacionada à Nova Rota da Seda na Europa Oriental [4], praticamente ninguém no Ocidente lembra que em Setembro, o primeiro-ministro chinês Li Keiqiang assinou não menos que 38 acordos comerciais com os russos, incluindo um acordo de troca e um acordo fiscal, que implicam interação econômica total.

É possível considerar que a mudança geopolítica no sentido da integração Rússia-China é sem dúvida a maior manobra estratégica dos últimos 100 anos. O plano mestre final de Xi é óbvio: uma aliança mercantil/comercial Rússia-China-Alemanha. A empresa/indústria alemã não aprova, embora os políticos alemães ainda não tenham recebido a mensagem. Xi – e Putin – estão construindo uma nova realidade econômica no chão Eurasiático, abarrotado com ramificações políticas, econômicas e estratégicas cruciais.

Naturalmente, esta será uma estrada extremamente rochosa. Isso não vazou para a mídia ocidental corporativa ainda, mas acadêmicos de mentalidade independente na Europa (sim, eles existem, quase como uma sociedade secreta) estão cada vez mais alarmados, não existe um modelo alternativo ao concentrador entrópico, caótico capitalismo neoliberalismo/cassino promovido pelos Mestres do Universo.

Mesmo se a integração euro-asiática prevalecer no longo prazo, e Wall Street tornar-se uma espécie de bolsa de valores local, os chineses e o mundo multipolar emergente ainda parecem ser trancados no modelo neoliberal existente.

E, no entanto, tanto quanto Lao Tzu, já octogenário, deu ao jovem Confúcio um tapa intelectual na face, o “Ocidente” poderia fazer com uma chamada de despertar. Divide et impera? Não está funcionando. E isso está sujeito a falhar miseravelmente.

Tal como está, o que nós sabemos é que 2015 será um ano de arrepiar os cabelos em aspectos inumeráveis. Por causa da mudança Europa para a Ásia, a partir das ruínas do Império Romano para o Reino Médio re-emergente, todos nós ainda permanecemos sob o indício de um assustador, perigoso, e excessivamente irracional Império do Caos.

Autor: Pepe Escobar

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: http://www.veteransnewsnow.com/2015/05/31/518774russia-and-china-mock-divide-and-rule/