Dois pelo preço de um: desdolarizar e reduzir a Hegemonia Americana.



Conforme a influência dos Estados Unidos no mundo declina lentamente, a desdolarização que vai junto com eles vai beneficiar a Rússia e o resto do mundo.

A Rússia não fez segredo sobre o fato de que ela gostaria de ver o rublo mais amplamente utilizado, e ver uma redução do uso de dólares norte-americanos.

Putin e Medvedev mencionaram muitas vezes um desejo de ver o rublo como uma moeda de reserva. Para que isto se torne mais uma realidade, Moscou precisa continuar o seu desenvolvimento como um centro financeiro regional.

O declínio da hegemonia americana gerenciado via economia precisa ser continuado cuidadosamente para evitar uma guerra. Felizmente, a América falida não tem mais capacidade para efetivamente ganhar uma grande guerra. O que vemos é a rota de menor custo de mudanças de regime, golpe de estado financiados e intromissão constante no exterior.

O mundo precisa pensar em como parar o terrorismo mundial contínuo da América. A maneira pacífica para fazer isso é continuar ativamente a desdolarizar; que tem acontecido na última década de qualquer maneira. Envie os dólares de volta à América e você vai criar inflação lá corroendo o poder econômico da América. É uma opção melhor do que bombas.

No ano passado, mesmo a Nigéria converteu $ 4,3 bilhões de suas reservas de dólares para o yuan chinês. Kingsley Moghalu, o vice-governador da Nigéria disse: “O futuro da economia e do comércio internacionais mudará em grande parte para o negócio com e pela China”. Você sabe que há mudança no ar quando até mesmo a África está se livrando do dólar.

Muitos leitores aqui vão se lembrar quando o dólar foi amplamente utilizado na Rússia. Ele não é usado qualquer coisa como muito mais. O rublo tem sido mais forte e bastante estável por algum tempo; com exceção do blip recente causado pelas sanções de que ele vai se recuperar.

Muitos leitores aqui vão se lembrar quando o dólar foi largamente usado na Rússia. Não é usado mais usado como era antes. O rublo está mais forte e mais estável durante algum tempo; exceto recentemente por causa das sanções impostas das quais ele se recuperará.

Contra a libra esterlina, o rublo foi historicamente mais estável do que o dólar. Durante a última década ou mesmo – antes da crise Ucrânia e sanções – o rublo geralmente pairou entre 45 e 55 para a libra.

Durante o mesmo período, o dólar oscilou entre 1,36 dólares e 2,11 dólares para a libra, tornando-se significativamente mais volátil do que o rublo. Até o euro cambaleou entre € 1 e € 1,50 para a libra. Essa é uma volatilidade significativa. Volatilidade que não vimos no rublo.

Uma das razões de a América ter empurrado tão duras sanções contra a Rússia, foi uma tentativa de desestabilizar o rublo e dificultar o desenvolvimento financeiro da Rússia. No entanto, eles não contavam com a capacidade da Rússia de substituir quase qualquer importação da fabricação nacional. Nem contaram com o Sistema de Pagamento de Cartão Nacional recentemente criado de Rússia (co-emblemático com JCB do Japão). Conforme a desdolarização continua, o impacto das sanções vai se tornar menos perceptível em toda a economia russa.

A economia russa é, fundamentalmente, bastante sólida, é dirigida usando os princípios sensíveis com baixo endividamento. As sanções não tiveram o efeito que a América esperou ser e teve espectativa. Os benefícios serão vistos mais claramente quando as sanções forem suspensas, ou quando a economia russa concluir a mudança longe de seu alinhamento ocidental. A força construída ao mesmo tempo diversificando e trabalhando contra o peso pesado das sanções, levará a uma economia russa muito mais forte no futuro.

Tudo o que é necessário para se utilizar menos o dólar é qualquer coisa que não seja o dólar ser utilizado mais. A Rússia tem encontrado um aliado na China a este respeito. Ambos os países buscam aumentar o perfil de suas moedas, e ambos estão seguindo ativamente um programa de desdolarização.

Você pode observar como a amizade entre a Rússia e a China está se desenvolvendo. O presidente da China estava ombro-a-ombro com Putin na parada de Moscow do Dia da Vitória. O exército chinês participou nesse desfile. Há novos acordos de petróleo e gás e operações militares conjuntas no Mediterrâneo. A infra-estrutura do Banco Asiático de Investimento (AIIB) já chegou a ser concretizada, juntamente com o Banco de Desenvolvimento do BRICS. Estes são todos os sinais que mostram à América onde se senta a China: Próxima à Rússia. Em mais de um sentido.

Com uma amizade entre China e Rússia que brota e a economia chinesa ultrapassando a americana, a agressão americana está indo rápido a lugar nenhum na região.

Putin tem falado muitas vezes da tentativa americana de nomear-se líder e criar um mundo unipolar. Ele ressaltou que um mundo unipolar é simplesmente um meio de justificar a ditadura sobre pessoas e países.

Quanto mais o Ocidente cutuca o urso russo, e mais sanções econômicas são jogadas sobre a Rússia, mais ela será forçada a negociar evitando o dólar e buscando alternativas que envolvem países como China, Irã e Índia, onde o comércio será realizado em rublos ou em yuan. O yuan está entre as dez moedas negociadas no mundo. Sua utilização já ultrapassa o franco suíço.

Apenas esta semana conforme Bloomberg assinalou, a saída econômica combinada no ano passado do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul quase igualou o PIB bruto dos Estados Unidos. Só em 2007, a economia dos EUA teve o dobro dos BRICS.

A Rússia é o maior exportador de gás no mundo e o segundo maior exportador de petróleo. Não seria muito exagero ver como a Rússia, com a ajuda da China, seria capaz de dar ao Tio Sam um grande problema financeiro muito rapidamente se ela quiser.

O dólar, num momento de força dos Estados Unidos, se tornou a ferramenta para criar um declínio dirigido da sua influência. Nós estamos vendo ao longo do tempo, os EUA como uma potência em declínio, o fim de um mundo unipolar e uma lenta desdolarização ocorrendo. Se isso acontecer, o que torna os EUA mais perigoso, não irá para baixo sem uma luta. Não se engane, os EUA vão descer chutando, gritando e atacando.

É um processo. Um processo que o mundo precisa agora. A única maneira de encerrar as constantes guerras norte-americanas, mudanças de regime, o terrorismo e agressão em todo o mundo, sem um Terceira Guerra Mundial, é desvalorizar e prejudicar a moeda. E relegar a América e seu dólar a uma potência regional.

Autor: Stuart Smith

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: russia-insider.com/en/two-price-one-de-dollarise-and-reduce-american-hegemony/ri8678