Índia e Paquistão estão escorregando para uma Guerra?


‘O aumento da violência ao longo da linha de controle próxima à fronteira indo-paquistanesa é um evidente e concernente sinal de deterioração das relações de Índia e Paquistão em uma mais larga escala…’

O acordo de cessar-fogo alcançado entre a Índia e o Paquistão em Novembro de 2003 é irreconhecível agora, com o tiroteio que tem crescido seriamente desde fim de 2012. O ataque de segunda-feira (27/07) em uma estação de polícia na cidade Punjabi de Gurdaspur, sinaliza um novo crescimento na violência. A imprensa paquistanesa culpou extremistas da caxemira pelo ataque, mas isto pode bem ser trabalho de um grupo como o Lashkar e-Taiba. As aberturas diplomáticas entre os Primeiros Ministros Narendra Modi e Nawaz Sharif foram altas e visíveis, baixas em substância, e se limitaram às proposições multilaterais. As condições estão amadurecidas para uma crise neste ambiente de estranhamento, até aumentado se um ataque terrorista em solo indiano — como o de segunda-feira — for responsabilizado por grupos extremistas apoiados pela Inteligência de Inter-serviços do Paquistão (ISI). Essa tensão crescente dificulta a gestão de crises e aumenta o risco de um conflito com dimensões nucleares.

O governo do primeiro ministro Modi avisou o Paquistão que as provocações teriam respostas severas — se ao longo da Linha de Controle (LoC) na Cachemira ou em outro lugar. Durante a campanha de eleição, Modi adotou uma linha difícil com o Paquistão, criticando a Aliança Progressiva Unida prévia (UPA) “a postura débil” do governo. Em Maio de 2015, os funcionários do governo conseguiram minimizar os comentários do Ministro de Defesa Manohar Parrikar quando neutralizou com a frase “terroristas com terroristas só isso.” Quanto à Linha de Controle, em Outubro de 2014, o então Ministro da Defesa Arun Jaitley ameaçou infligir preços “não disponíveis” ao Paquistão. Em Dezembro de 2014, Parrikar disse que se atacado, as forças indianas “reagiriam com dupla força.” Essas ameaças retaliatórias — respondendo de várias formas à violência — não conseguiram diminuir a violência.

As violações do cessar-fogo na Linha de Controle de foi informada em 21 por cento dos dias em 2013. A violência conseguiu o seu nível mais alto desde a “Crise dos Picos Gêmeos” em 2001-2002 faiscada pelo ataque de Dezembro de 2001 por extremistas baseados no paquistão ao Parlamento indiano. Este ataque, acompanhado pelo tiroteio pesado ao longo da Linha de Controle, quase levou à guerra. Quase um milhão de soldados foram mobilizados. A violência em 2014 e 2015 permaneceu alta, com violações de cessar-fogo informadas em 20 por cento dos dias de 2014, e 23 por cento dos dias nos três primeiros meses de 2015. A título de comparação, as violações do cessar-fogo ao longo da Linha de Controle foram informadas em só dez por cento dos dias em 2012.

Neste ambiente de desconfiança, o ataque de segunda-feira é especialmente relacionado. A Índia e o Paquistão foram incapazes de estabelecer canais diplomáticos eficazes para dirigir questões salientes. Esses canais são usados só esporadicamente e em proposições multilaterais. Os esforços para melhorar as relações comerciais e liberalização de vistos estão procedendo lentamente, e não há nenhum movimento avançado quanto às medidas de redução dos riscos nucleares e construção da confiança.

A violência que migra a partir da extensa Linha de Controle na Cachemira do Punjab não só coloca obstáculos à melhoria das relações, como também torna a gestão de crises mais difícil e traz os riscos do escalada de tensões. Os ataques terroristas em solo indiano por extremistas oriundos do Paquistão faiscaram duas crises recentes: em 2008 depois dos ataques de Mumbai, e em 2001-2002 a já mencionada “Crise dos Picos Gêmeos”. Aguarda-se que o Primeiro Ministro Modi mostre a restrição dos seus predecessores.

Os eventos recentes destacam os riscos nucleares associados com qualquer crise Índia-Paquistão e a sabedoria de exercer o maior esforço para melhorar as relações bilaterais. A Linha de Controle é o único lugar na Terra onde dois rivais nucleares-armados regularmente trocam fogo. Os perigos nucleares são reduzidos quando a Linha de Controle está tranqüila; eles são mais preocupantes quando as tropas indianas e paquistanesas trocam o fogo pesado.

Uma saída para Paquistão e Índia estabilizarem suas relações seria um restabelecimento do cessar-fogo. A Índia e o Paquistão não combinaram novas medidas de construção da confiança desde 2007. Acalmar a Linha do Controle seria um bom lugar para começar.

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Autora: Julia Thompson

Fonte: National Interest