Putin e Hollande cancelam oficialmente o contrato Mistral.



O presidente russo, Vladimir Putin, e o presidente francês, François Hollande, chegaram a um acordo para rescindir o contrato por dois porta-helicópteros da Classe Mistral. Paris vai pagar a Moscow todos os custos pelo contato cancelado – a soma será inferior a € 1,2 bilhão.

“As negociações entre o presidente Putin e o presidente François Hollande foram concluídas dia 5 de agosto. Não há mais disputa sobre o assunto,” o ministro da Defesa francês Jean-Yves Le Drian disse à rádio RTL da França.

Ele acrescentou que os dois navios Mistral custam € 1,2 bilhão (US$ 1,3 bilhão), mas Paris vai pagar menos pois os porta-helicópteros não foram concluídos.

Le Drian acrescentou que existem “muitos países” dispostos a comprar os Mistrals porque os navios são “bem-construídos.” RTL citou várias fontes dizendo que a Índia e o Canadá são supostamente interessados em adquirir os porta-helicópteros.

Na quarta-feira, o serviço de imprensa do presidente russo disse que as partes concordaram que a Rússia será reembolsada pelo que já tinha pago ao abrigo do contrato. Isso inclui todos os seus equipamentos e materiais.

“A França já transferiu esses fundos e, após o retorno dos equipamentos, vai adquirir a propriedade e ser capaz de assumir o controle de ambos os navios”, disse o serviço de imprensa do presidente russo.

“Moscou considera a questão Mistral completamente resolvida.”

A Rússia planeja enviar uma equipe de especialistas para a França para remover o equipamento instalado no porta-helicópteros Mistral em setembro.

“Uma equipe de especialistas está atualmente se preparando para o desmantelamento do equipamento de comunicações a partir dos porta-helicópteros. A ida da equipe para a França está prevista para setembro deste ano,” disse um oficial russo anônimo à TASS.

O contrato Mistral avaliado em € 1.2 bilhões que foi assinado pela companhia francesa DCNS / STX e a companhia de defesa russa Rosoboronexport Export Corporation em 2011 previa a entrega de dois porta-helicópteros franceses para a Rússia, com o primeiro para ser entregue em 2014 e o segundo em 2015.

No entanto, o governo francês decidiu não entregar os navios a Moscou depois que sofreu intensa pressão política dos EUA e seus aliados europeus após a reunificação da Criméia com a Rússia e a eclosão dos conflitos armados no leste da Ucrânia.

Apesar dos protestos dos trabalhadores envolvidos na construção dos navios, o ministro da Defesa francês Jean-Yves Le Drian disse em novembro que a França não iria entregar os Mistrals para a Rússia “, mesmo que tivesse que custar ao país € 1,2 bilhão (US $ 1,3 bilhão).”

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Russia Today