Os Estados Unidos podem impedir uma guerra com a Rússia?


Ambos os lados precisam tentar ver o ponto de vista do outro.

América está caminhando para a guerra com a Rússia. Alguns chamam a situação atual “um aumento da hostilidade” ou “II Guerra Fria.” Há dois lados para esta história. Eu acredito que os jornalistas americanos de todos os quadrantes políticos não estão oferecendo análise crítica. Compreender o lado russo e levar a sério os seus argumentos pode ajudar a prevenir consequências graves.

Os americanos acreditam que os russos são alimentados pela propaganda dos meios de comunicação controlados pelo Estado e que se os russos apenas pudessem ouvir a verdade iam refletir e ficar a favor dos EUA. Mas não é assim. Existem mais de 300 estações de televisão disponíveis em Moscou. Apenas 6 são controladas pelo Estado. A verdade é que os russos preferem ouvir a notícia do estado em vez da Internet ou de outras fontes. Isso é diferente de quase qualquer outro país. Não é assim na Coréia do Norte, onde a notícia é censurada. Cada noite durante a crise na Criméia, qualquer um poderia assistir a CNN ou a BBC batendo na Rússia.

No que diz respeito à Ucrânia, a Rússia tem desenhado uma linha vermelha: A Rússia nunca permitirá que a Ucrânia faça parte da OTAN. A Rússia vê os EUA como o agressor, cercando a Rússia com bases militares na Europa Oriental em todas as oportunidades, desde o colapso da União Soviética. Os EUA vêem a Rússia como o agressor contra os seus vizinhos. Um pequeno passo em falso poderia levar a uma guerra. Desta vez, a guerra não será “por lá.” Os bombardeiros russos que voam na costa da Califórnia em 04 de julho demonstram claramente esta conclusão. Os russos entendem que os EUA não lutou uma guerra em seu território desde a guerra civil. Se novas hostilidades começarem, a Rússia não vai deixar a guerra ser uma guerra por procuração, onde os EUA fornece armas e assessores e permite que outros façam o combate com as “botas no chão”. A Rússia vai levar a guerra para os EUA. Como chegamos a esta conclusão crítica em tão pouco tempo?

Primeiro, um pouco de informação. Eu me mudei para Moscou dois anos e meio atrás. Fui à Rússia para construir um canal de notícias não-governamental financiado com visões editoriais consistentes com a Igreja Ortodoxa Russa. Após ter completado essa tarefa voltei para o Ocidente. Eu vejo dois lados deste conflito crescente e a menos que haja uma mudança no pensamento, o resultado será catastrófico. Quando cheguei na primeira vez, a relação entre os EUA e a Rússia parecia normal. Como um americano, minhas idéias foram bem-vindas, até mesmo requisitadas. Na época, Obama planejava atacar o exército de Assad na Síria para cruzar a “linha vermelha” para um ataque de arma química. A Rússia interveio e convenceu a Síria a destruir suas armas químicas. Putin tinha ajudou Obama a livrar a cara e não fazer uma grande asneira na Síria. Pouco depois, Putin escreveu um editorial publicado no New York Times, que foi de modo geral bem recebido. As relações pareciam estar no caminho certo. Houve cooperação no Oriente Médio e a fobia Rússia tinha melhorado.

Em seguida, a Rússia aprovou uma lei que impedia a propaganda sexual a menores. Este foi o início das tensões. O lobby LGBT no Ocidente viu esta lei como anti-gay. Eu não. A lei era uma cópia direta do direito Inglês e foi destinado a evitar a pedofilia, não consentindo relações entre adultos. Relações homossexuais na Rússia não são ilegais (embora não sejam aceitas pela maioria do público). Em relação aos protestos dos homossexuais, eles foram impedidos de ver as crianças. Eu vi isso da mesma forma que nós, na América restringimos a criança de ver “R” filmes classificados – ver http://movies.about.com/od/miscellanous/f/film-ratings.htm. A punição por quebrar esta lei é uma multa de menos de 100 dólares. Estacionar ao lado de um carro já estacionado numa rua em Moscou acarreta uma multa mais pesada de US$ 150. No entanto, a reação foi esmagadora contra a Rússia.

O boicote aos Jogos Olímpicos de Sochi foi a oportunidade do Ocidente de desacreditar a Rússia. A Rússia viu este boicote como um ato agressivo por parte do Ocidente de interferir na sua política interna e envergonhar a Rússia. Sochi foi para os russos uma grande fonte de orgulho nacional e não tinha nada a ver com política. Para o Ocidente, esse foi o primeiro passo para criar a narrativa de que a Rússia era a antiga União Soviética repressiva e a Rússia deve ser parada.

Depois veio a revolução colorida na Ucrânia. Quando o presidente da Ucrânia foi derrubado, a partir do ponto de vista russo, aquilo foi um golpe organizado pelo Ocidente. A derrubada de um presidente democraticamente eleito sinalizou que o Ocidente estava interessado em uma expansão do poder, e não nos valores democráticos. As conversas gravadas da Secretária de Estado Adjunta Victoria Nuland vazaram, e o embaixador dos EUA Geoffrey Pyatt sugeriu que os EUA estavam ativamente envolvidos na mudança de regime na Ucrânia. Para a Rússia, os ucranianos são os seus irmãos, muito mais do que qualquer outro grupo. As línguas são semelhantes; eles estão ligados culturalmente e religiosamente. Kiev desempenhou um papel central na cristianização da Rússia. Muitos russos têm familiares na Ucrânia. Para os russos, essa relação especial foi destruída por forças externas. Imagine se de repente Canadá se alinhasse com a Rússia ou China. Os EUA certamente veriam isso como uma ameaça em sua fronteira e agiria de forma decisiva.

Quando a União Soviética entrou em colapso, do ponto de vista americano, as fronteiras da Europa Oriental ficaram congeladas. No entanto, no final de 1990, as fronteiras da Iugoslávia foi alterada, quebrando aquele país distante. Os russos haviam aceitado a condição da Criméia como propriedade de Kiev desde 1954 assim como um irmão confiável pode olhar uma propriedade da família. Mas quando esse irmão não é mais uma parte da família, a Rússia queria a Criméia de volta. A Criméia também queria a Rússia de volta. Os crimeanos falam russo e estão intimamente ligados à herança russa há 300 anos. Do ponto de vista russo, este foi um assunto de família e de nenhum interesse para o Ocidente, as sanções impostas foram vistas como uma agressão do Ocidente para manter a Rússia em seu lugar.

As sanções estão guiando a Rússia para longe do Ocidente e para próximo da China. O turismo chinês na Rússia está em níveis recordes. Mais operações agora são liquidadas diretamente entre Rublos e Yuan, com a importância intermediária do dólar americano limitada. Embora o dólar continue forte atualmente, isso é enganoso. A China criou o banco AIIB para competir diretamente contra o FMI que banca o poder do mundo e os EUA estão tendo problemas para prevenir seus aliados a se juntar. Esta é a primeira rachadura no domínio financeiro dos EUA como resultado direto das sanções.

Estamos nos movendo cada vez mais perto de uma guerra real. Republicanos e democratas falam duramente sobre a política externa em relação à Rússia. Quando todos os políticos estão de acordo, não há discussão de abordagens alternativas. Qualquer alternativa a completar o isolamento da Rússia e uma OTAN construindo-se sobre as fronteiras da Rússia é um sinal de fraqueza. Qualquer alternativa a este fortalecimento militar é criticada como “apaziguamento” e comparada à política externa falha do primeiro-ministro britânico Neville Chamberlain em direção a Alemanha nazista entre 1937 e 1939.

Liberais Democratas são historicamente anti-guerra, mas não desta vez. Na República Checa, houve o início de um movimento anti-guerra, quando a OTAN desfilou seus militares ao longo de suas fronteiras. “Tanques, mas não, obrigado” tornou-se um grito de guerra. Os checos tornaram-se desconfortáveis com uma abordagem de dobramento de músculo ante o impasse. Apenas um libertário solitário, Ron Paul, levanta uma crítica de sabedoria desse aumento militar.

O erro que vai custar caro à América é a suposição de que a Rússia tem as mesmas ambições que a União Soviética. A estratégia de guerra fria usada contra a União Soviética pode ser repetida mas não com o mesmo resultado. A União Soviética era comunista e atéia. A Rússia moderna voltou às suas raízes cristãs. Há um renascimento da Ortodoxia Russa com mais de 25.000 novas igrejas construídas na Rússia após a queda do comunismo. Em qualquer domingo, as igrejas estão lotadas. Mais de 70% da população se identifica como cristãos ortodoxos. Combine esse renascimento religioso com o renovado nacionalismo e a Rússia está crescendo em auto-confiança. A guerra com a Rússia não pode ser ganha economicamente. A Rússia tem petróleo e uma abundância de recursos naturais. E ocupa a maior massa de terra do mundo.

A ideologia marxista seguida pela União Soviética era evangelística. Apenas quando o mundo inteiro tornasse os princípios marxistas em vontade comunista se realizaria. Quando as fazendas coletivas perderam seus objetivos, foi porque o mundo inteiro não era comunista, não porque a ideologia destruiu a iniciativa individual. Por esta razão, a União Soviética precisava dominar o mundo inteiro. Para a Rússia moderna, a dominação do mundo não é seu objetivo. A Rússia quer manter sua identidade russa e não perdê-la para as forças externas.

A história da Rússia é preenchida com os invasores que tentam conquistar a Rússia. Napoleão e Hitler são apenas os exemplos mais recentes. A Rússia sempre prevaleceu. Dirigindo a partir do aeroporto, você pode ver exatamente o quão perto Hitler chegou de Moscou. Você também é lembrado de que foi ali que ele foi parado. A Rússia está certa que vai repelir o mais novo invasor a OTAN.

A guerra com a Rússia não pode ser ganha economicamente. A Rússia tem petróleo e uma abundância de recursos naturais. Ela ocupa a maior massa de terra do mundo. Ela está crescendo em sua capacidade de substituir os bens restritos que dependia do Ocidente. A guerra por procuração usando o exército ucraniano não vai resolver o problema.

Ainda há tempo para fazer um acordo. Mais sanções e mais isolamento do Ocidente não são o modo de resolver as diferenças. Os EUA ao flexionar seus músculos militares não vão resolver os problemas. A guerra não é a resposta, mas também muitas vezes na história se torna a única solução quando os dois lados se recusam a ver o ponto de vista do outro.

Sobre o autor: Jack Hanick completou recentemente o desenvolvimento de uma rede estado-da-arte de televisão em Moscou, construído sem financiamento do governo. O seu programa de notícias da noite transmite para 65 milhões de lares na Rússia em oito fusos horários. Anteriormente Jack era um diretor de TV, onde ele venceu o New York Emmy em 1994 de melhor diretor. Sua biografia de Desmond Tutu também ganhou um Emmy New York. Atualmente Jack é Presidente do Conselho de HellasNet, um grupo de estações de TV na Grécia.

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Observer.com