A Presença Global da China Está Alienando o Belicoso Japão.


Importantes equipamentos implantados por China e Japão, de acordo com a análise do Instituto Internacional de Estudos Estrateǵicos, 2014.


A atitude belicosa recente de Tóquio empurra o Japão à alienação e ao isolamento em relação à crescente presença global da China.

O Japão oficialmente tende à alienação

O primeiro-ministro Shinzo Abe viu crítica amarga após a câmara baixa do parlamento do Japão, em 16 de julho, aprovar a legislação que muda radicalmente a estratégia de Defesa pós-guerra do Japão, permitindo as forças armadas combaterem no exterior pela primeira vez desde a Segunda Guerra Mundial. O movimento vem sobre o contexto de «As Orientações para a Cooperação em Defesa de Japão-EUA», aprovado em 27 de abril, e foi posteriormente confirmado, em 21 de julho, conforme o gabinete aprovou o Livro Branco da Defesa 2015, compilado pelo Ministério da Defesa.

Talvez Abe considere sua assertividade belicosa como oportuna e proporcional, mas na verdade representa o oposto com a proximidade das comemorações da Segunda Guerra Mundial no início de setembro em Pequim, um mês, quando a nova legislação provavelmente será aprovada na Câmara Alta do parlamento japonês e a atenção internacional incidirá sobre os crimes de guerra japoneses, não só na China, mas no resto do Oriente e Sudeste Asiático.

Por que Shinzo Abe está causando dano à sua imagem internacional e ao interesse nacional do seu país? Japão não foi definitivamente bem sucedido nos cálculos de potência que o levaram à destruição há 70 anos, e em meados de 2015 está mostrando uma repetitiva falta de sucesso em chegar a um acordo com seu passado agressivo.

Em novembro passado o mundo testemunhou um aperto de mão reconciliatório entre o presidente chinês Xi e Abe, a pedido do último, à frente do 22° Fórum Econômico de Cooperação Ásia-Pacífico (APEC). A atitude zig-zag de Tóquio contra os seus próprios interesses tem três explicações. Primeiro, a própria fraqueza econômica do Japão nas últimas décadas impulsionando ansiedade por causa da ascensão da China, em segundo, o colapso do Partido Social-Democrata (que historicamente e por muitos anos era um partido não-militarista), e em terceiro lugar, a pressão cíclica de Washington. Na verdade, a última coisa que um presidente dos Estados Unidos gostaria de ver é Tóquio e Pequim compartilhando de bons termos. Nesse sentido, a recente Koizumi, as administrações Aso e Abe têm sido fundamentais para a estratégia Ásia-Pacífico de Washington, incluindo mais recentemente o pivô de Obama para a política da Ásia complementada por Tóquio.

As explicações rivais de que o Japão deve conter o expansionismo militar da China não é convincente uma vez que Pequim está claramente criando uma ordem financeira internacional alternativa e colaborativa para a prosperidade comum, que exige regionalismo harmônico. O Japão oficial presumivelmente está marcado para insistir com retórica belicosa, incluindo novos obstáculos para a ascensão da China. Teoricamente, a provocação constante pode causar um aumento extraordinário no orçamento militar da China. Mas Pequim está consciente de que tal estratégia é um beco sem saída conforme a corrida armamentista das superpotências da Guerra Fria mostrou.

Mantendo uma visão equilibrada a administração de Abe conseguiu alterar o tratado de segurança histórico assinado pelo primeiro-ministro Shigeru Yoshida com Washington, em 1951. Em outras palavras, ele tem a duvidosa honra de ter realizado a divisão da sociedade em uma questão crucial. A opinião pública interna esmagadoramente reagiu contra a recente aprovação da câmara baixa do parlamento do Japão permitindo o combate das forças militares japonesas no exterior. As pesquisas de opinião antes da votação mostram que cerca de 80 por cento duvidam e se opõem ao movimento e a maioria considera a legislação como inconstitucional. Apesar disso, a coalizão de Abe ostensivamente ignorou a oposição, nas ruas e igualmente importante, dentro do Parlamento.

Há espaço para interpretar que Pequim poderia tratar o Japão oficial (o governo japonês) e a sociedade civil como entidades separadas e, ao mesmo tempo reavaliar a necessidade de entender a política e a economia como claramente entrelaçadas, ao contrário de crises bilaterais anteriores. Na verdade, na sequência da crise de 2012 sobre as ilhas Diaoyu, o comércio bilateral estagnou no ano passado.

Ilhas em disputa no arquipelago que o Japão denomina Diaoyu e a China Senkaku.

Não se deve relaxar e acreditar que uma perigosa escalada levando a um conflito aberto é impossível, porque os dois países são parte da mesma cadeia de abastecimento global, em linha argumentativa «o mundo é plano». As duas Guerras Mundiais (foram travadas entre os parceiros comerciais mais próximos) devem convencer qualquer observador de que o conflito aberto é possível entre as economias extremamente interligadas, como as de China e Japão.

Relativo isolamento do Japão enquanto cresce a presença global da China

O poder de Xi Jinping se consolida e pode durar além desta década, ele está numa posição de manobra que o seu homólogo japonês carece (coalizões governantes são efêmeras na política japonesa). Na verdade, pela primeira vez na história, a China tem simultaneamente a possibilidade de pensar e agir regionalmente e globalmente.

Estrategicamente Japão pode se sentir cada vez mais isolado. Em primeiro lugar, o ex-primeiro-ministro japonês Junichiro Koizumi tinha uma estratégia para a Ásia Central chamada “Ásia Central, além do Japão” Diálogo, lançada em 2004 para promover o comércio e a segurança na região euro-asiática. Agora está claramente prestes a ser ofuscada pela Rota da Seda, a nova grande estratégia da China, que está comprometida com o aprofundamento da presença estratégica euro-asiática de Pequim.

Em segundo lugar, nomeie um ponto quente e Pequim estará, fazendo mediação em conflitos no Sul do Sudão e no Afeganistão ou apelando para acordos negociados no Iêmen e na Síria, ou ostensivamente preocupado com a Líbia, ou obtendo uma vantagem estratégica, como indica tão claramente o recente acordo nuclear do Irã. Se o acordo progredir, supõe-se que Teerã será uma capital importante na infra-estrutura e no esquema de interconexão da China para a Rota da Seda.

Em terceiro lugar, se olharmos para as organizações internacionais, a China é um dos membros-chave das estruturas financeiras e de segurança alternativas, tais como o Banco de Investimentos e Infra-estrutura da Ásia (AIIB), os BRICS, e a Organização de Cooperação de Xangai (SCO), envolvendo tanto países desenvolvidos como países subdesenvolvidos. E enquanto a aliança China-Rússia é reforçada significativamente, Tóquio não conseguiu chegar mais perto de Moscou. Mesmo Nova Deli, durante décadas distante de Pequim, vai entrar numa organização como a SCO em que o Japão não é nem mesmo observador ou parceiro de diálogo. Com este panorama para Tóquio, suas aspirações futuras para aceder a um assento permanente no Conselho de Segurança das Nações Unidas se transformam em puro sonho.

Em quarto lugar, é também claro que Tóquio está perdendo a oportunidade importante de manter o seu papel na América Latina, especialmente no Brasil, onde vive a diáspora japonesa mais importante fora do Japão. A China não só se tornou o principal parceiro comercial do Brasil, mas também ambos os países são membros do Banco de Desenvolvimento do BRICS não deixando nada comparável para Tóquio compartilhar com Brasília. Um panorama semelhante – maior presença da China e comparativamente menos para o Japão – é claro na África.

Em quinto lugar, mesmo em termos culturais deve-se considerar Institutos Confúcio se espalhando ao redor do mundo a um ritmo impressionante, ultrapassando realmente o que Tóquio tem feito há décadas ao disseminar a língua e a cultura japonesas no exterior.

Corrigindo padrões de comportamento

As percepções atuais, com base na história recente, certamente desempenham um papel significativo nas relações bilaterais. Infelizmente, uma interpretação conjunta do passado comumente aceito parece remota com o atual ou o futuro governo japonês. E, embora presumivelmente o caráter contraditório de ambos os países sobre questões-chave tenda a permanecer inalterado a longo prazo, poderiam ser tomadas algumas medidas.

Em termos práticos, é evidente que nenhuma das partes pretende propor arbitragem internacional para resolver ou mediar disputas territoriais. Talvez um fórum regional ad hoc para lidar com o gerenciamento de risco, a fim de evitar a escalada, outro como o Diálogo Shangri-La, deve ser considerado.

Passos adicionais devem incluir uma maior autonomia. Administração padrão-hegemônico de Obama de comportamento e monitoramento de perto do Japão (como o Wikileaks apenas divulgou em 31 de julho) não se encaixa às necessidades estratégicas de um arquipélago de alta tecnologia que tem uma economia complementar com a China.

É interessante que a deterioração dos laços chineses-japoneses estão ocorrendo ao mesmo tempo em que ambos os países estão de fato contribuindo para o multipolarismo financeiro, uma vez que em 2012 ambos decidiram iniciar a negociação direta do iene japonês e do yuan chinês para aumentar o investimento mútuo e o comércio. É hora de o Japão oficial definitivamente evitar a instabilidade regional, a atitude temerária perigosa e a luta contra o oponente imaginário fútil.

Autor: Augusto Soto

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Strategic Culture