Política da Rússia Rumo ao Mundo Árabe.


No início de Agosto o ministro do Exterior russo Sergey Lavrov fez uma viagem para o Catar. Não foi uma visita comum. Em um curto espaço de tempo ele conheceu o Emir do Estado do Qatar Tamim bin Hamad Al Thani, o ministro dos Negócios Estrangeiros do Qatar Khalid bin Muhammad al-Atiyah, o ministro das Relações Exteriores da Arábia Saudita Adil al-Ahmad al-Jubayr e o Secretário de Estado dos EUA, John Kerry.

A agenda incluiu as perspectivas da gestão pacífica dos conflitos na Síria, no Iêmen e na Líbia, a situação na Palestina, o acordo sobre o programa nuclear iraniano e a luta contra o terrorismo. Lavrov discutiu as relações comerciais e econômicas entre a Rússia e o Qatar. A visita de Lavrov e a recente reunião em Moscou entre o presidente russo Vladimir Putin e o príncipe Mohammed bin Salman, ministro da Defesa da Arábia Saudita, foram importantes eventos para sinalizar um marco no desenvolvimento do relacionamento de estado russo-árabe em geral, e do relacionamento Rússia-Arábia Saudita em particular.

Encontro em Moscow entre o presidente russo Vladimir Putin e o príncipe Mohammed bin Salman, ministro da Defesa da Arábia Saudita em 18 de Junho de 2015.

Possivelmente a visita do Ministro das Relações Exteriores Russo põe fim no período da tensão entre a Rússia e Qatar que se seguiu após o Embaixador Vladimir Titorenko sofrer uma agressão violenta do pessoal alfandegário no Aeroporto de Doha no Novembro de 2011.

Sendo um pequeno país (que ocupa apenas 11.437 km2), com pequena população (cerca de 2 milhões de pessoas), o emirado tem um papel de liderança no Conselho de Cooperação dos Estados Árabes do Golfo, juntamente com a Arábia Saudita. É membro influente da OPEP e um dos principais exportadores de gás do mundo. O país detêm a terceira maior reserva de gás natural do mundo e é a sexta maior exportadora de gás natural do mundo. O Qatar utiliza os seus recursos financeiros para a política de investimento intensivo em países árabes e muçulmanos, assim como na Europa. Por exemplo, os cidadãos do Qatar têm investido alguns bilhões de euros na economia da França, o emirado tem uma relação estreita com aquele país (o emir Al Thani Tamim estudou na Sorbonne).

Desempenhando um papel visível na arena política no Médio Oriente, o Qatar adota uma abordagem «multidirecional» na política externa. O emirado apóia o movimento nacional Palestino e grupos da oposição síria. O país é um membro da coalizão liderada pelos EUA, formada para lutar contra o Estado islâmico. Também participa da coalizão liderada pela Arábia Saudita para apoiarem o presidente do Iêmen, Abd-Rabbu Mansour Hadi, em sua luta contra o movimento xiita Houthi, chamado Ansar Allah (Partidários de Deus).

Algumas questões causaram polêmica, mas Sergey Lavrov disse que as conversas foram frutíferas.

A crise na Síria foi uma questão na ordem do dia, durante as negociações de Doha. O conflito da Síria entrou no seu quinto ano. O número de mortos entre os sírios é medido em dezenas de milhares. Milhões de refugiados fugiram do conflito. As pessoas deixam áreas apreendidas por grupos terroristas. De modo algum eles podem levar uma vida normal sem água, eletricidade e comida. Eles correm para as áreas sob o controle das tropas governamentais (85% dos sírios permanecem no território controlado pelo governo). Muitos deles se estabelecem em Damasco. A população da capital cresceu para até 7 milhões de pessoas.

Os quatro anos de confronto entre o governo sírio e a oposição mostrou que a maioria da população apoia o presidente Assad. O conflito é resultado da agressão planejada cometido por forças externas, com a participação do Ocidente, da Turquia e das monarquias do Golfo Pérsico, que apoiam os extremistas e tentam derrubar o regime no poder da Síria. Eles adotam atitudes cruéis para com as pessoas de outras confissões. Mercenários estrangeiros representam a maioria das pessoas que participam nas atividades terroristas. Eles vêm de 80 países do mundo, incluindo Estados Unidos, Europa, China (a minoria muçulmana uigur) e Rússia.

O exército sírio ganhou terreno da oposição recentemente. No final de julho 2015 as forças do governo cercaram mais de 500 terroristas em Zabadani – uma área limítrofe na fronteira do Líbano. A formação foi eliminada. Ao mesmo tempo, as unidades do exército derrotaram grupos de militantes perto da fronteira com a Turquia para libertar Al-Hasakah, a cidade capital do Governorate de Al-Hasakah. As forças do governo lutaram simultaneamente batalhas em duas áreas, localizadas a grande distância uma da outra. Isso prova o fato de que o exército sírio tem alta capacidade de combate. Há uma luta selvagem que se enfurece. Até 500 jihadistas tem vindo da Turquia e da Jordânia para a Síria diariamente. A Turquia arca com a iniciativa de ataque esforçado. É responsável por 75% dos militantes, armas e outros tipos de apoio.

Sergey Lavrov disse na conferência dedicada aos resultados das negociações de Doha, que a posição russa é irreversível. Moscou representa um diálogo entre o governo sírio e a oposição para encontrar uma solução pacífica para o conflito com base nos acordos de Genebra. Em Doha Lavrov realizou uma reunião com Ahmad Mouath Al-Khatib, ex-líder da Coalizão Nacional para a Síria Revolucionária e as Forças da oposição, um dos grupos mais influentes da oposição com sede no exterior.

A Rússia forneceu a «plataforma» Moscou para duas reuniões inter-sírias. Os preparativos para a terceira estão a caminho. A recente decisão do presidente dos Estados Unidos para permitir à Força Aérea dos EUA investir contra as forças do governo sírio no caso de «ataque» às formações da «oposição moderada» também esteve em foco nas negociações de Doha. A «oposição moderada» é o termo usado pelo governo dos EUA para as unidades de combate sírias treinadas pelos Estados Unidos contra as forças do governo da Síria e, alegadamente, o Estado Islâmico. De acordo com Lavrov, a decisão tomada pelo presidente dos Estados Unidos é «contraproducente». O ministro acredita que dificulta a luta contra o Estado islâmico. Ele salientou que «a chamada oposição moderada, no território de países vizinhos, resultou na grande maioria desses militantes terminando do lado dos extremistas».

As negociações no Qatar foram complicadas o suficiente, mas o próprio fato de elas terem sido realizadas é um sucesso da diplomacia russa.

Autor: Boris Dolgov

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Strategic Culture