A maldição das ONGs: EUA e Turquia ignoram a advertência russa e avançam sobre a Síria.


Primeiro ataque dos EUA com drone partindo da Turquia contra o Estado Islamico na Síria. foto: http://www.el-balad.com/1652278

Turquia e Estados Unidos decidiram, conjuntamente, moverem-se para a Síria, desafiando a Rússia a responder.

Os EUA e a Turquia abandonaram todas as referências para a proteção dos refugiados, sempre foi muito difícil vender a fantasia baseada na longa história de perseguir as minorias da Turquia.

Mulheres da minoria curda em treinamento militar para combater as forças inimigas.

O porta-voz do Departamento de Estado, Mark Toner, começou em 16/08 a estabelecer as regras para a “zona tampão” que os EUA e a Turquia decidiram conquistar para a Turquia. Alega-se que esta “zona” será ocupada pelo Exército Sírio Livre e só pode ser usado por forças juradas para derrubar o governo oficial em Damasco.

O Exército Sírio Livre.

Há um problema com isto. Não há unidades do Exército Livre da Síria no norte da Síria. Em fevereiro de 2015, aquela força se desfez após a sua liderança fugir para a Turquia. O Exército Livre da Síria, desde 2014, foi reorganizado pelas forças turcas de inteligência turcas como uma organização responsável perante Erdogan e os Sauditas com a assistência dos treinadores do Qatar pelos contratantes americanos. A maioria daqueles inicialmente envolvidos com o FSA aceitaram a anistia do governo de Damasco ou se uniram às forças do al Nusra ou do Estado Islâmico.

Quaisquer forças enviadas por Estados Unidos e Turquia para a Síria só pode estar lá para um propósito, auxiliar o Estado Islâmico a sobrecarregar o governo de Damasco que assumiu um novo vigor na sua luta contra as forças terroristas.

Último ato de desespero

Acredita-se que este novo movimento agressivo é de desespero, com base na melhoria das relações entre a Rússia e a Arábia Saudita e incursões recentes na relação fria entre a Arábia Saudita e o Irã. A Arábia Saudita, diz-se, deu o seu apoio material para o Estado Islâmico no Iraque e na Síria, deixando que organização se defender por si só, auxiliado apenas por Israel, Turquia e Estados Unidos.

Vamos ser honestos aqui. Este é um território sírio e os militares sírios tem todo o direito de bombardear terroristas e operar livremente lá. Qualquer tentativa por parte dos Estados Unidos e da Turquia para restringir as operações dos militares sírios no interior do seu próprio país, em nome das que todo mundo sabe que são organizações terroristas que saquearam a Síria em nome de Erdogan e seus amigos ricos, não apenas o petróleo e as antiguidades, eles realmente transportaram para fora toda uma fábrica de montagem de automóveis e dezenas de outras fábricas, todas na Turquia.

Crimes de guerra contra a Síria.

Em discussões com o ministro de Justiça da Síria, Najm Hamad al-Ahmad, na terceira semana de Agosto fomos informados que um grupo de trabalho está sendo estabelecido para citar o envolvimento turco em crimes de guerra dentro da Síria, inclusive tráfico humano e pirataria. Há relatos confiáveis ​​de que os cristãos sírios sequestrados durante os últimos quatro anos por terroristas do Estado Islâmico e que os cidadãos sírios não estão sendo protegidos como refugiados na Síria por Organizações Não-Governamentais, mas sim sendo mantidos em campos de concentração, onde aqueles que não conseguem se converter e se juntar aos lutadores do Estado Islâmico estão sendo executados, tudo com total cumplicidade de militares turcos e unidades de inteligência.

Ignorando a ameaça ONG.

Campo de refugiados na Síria. | Creditos: © Nikolay Doychinov/AFP/Getty Images

A questão dos refugiados, supostamente um passo importante para o Ocidente com as recentes histórias de como os refugiados sírios estão fazendo uma casa na Jordânia fazendo as notícias, precisa ser discutida.

Relatórios fora da Turquia têm sido consistentes em uma coisa, Organizações Não-Governamentais que trabalham com refugiados supostamente estão fornecendo apoio logístico para ambos Estado Islâmico e al Nusra. Comboios de caminhões de ONGs trouxeram gás Sarin para a Síria, confirmado por fontes dentro da Turquia, juntamente com o Ministério da Defesa da Síria, e transportados precursores químicos para fábricas de bombas do Exército turco executados dentro do que agora pode ser abertamente falado como Ocupação Turca da Síria.

Todo o tempo, o Observatório Sírio da CIA sobre os Direitos Humanos oferece cobertura à Turquia por culpar Damasco pelas atrocidades turcas.

À medida em que a Turquia hospeda o Al Nusra e o Estado Islâmico, proporciona apoio logístico e porto seguro, bem como trânsito livre e aberto, e agora apoio aéreo, e também os ataques apoiados pelos EUA dos combatentes YPG juntamente com PKK, algumas das forças mais bem sucedidos que se opõem ao Estado Islâmico nesta guerra crítica, deixando de considerar a Turquia como um combatente que é mais do que negligente.

Com uma enxurrada de histórias não confirmadas de Moscou na terceira semana de Agosto sobre um confronto entre o presidente Putin e o embaixador turco, supostamente citando a ira de Putin por causa dos ostensivos movimentos militares turcos contra a Síria, não pode haver dúvida de que o Ocidente decidiu que a Síria, ao invés da Ucrânia, é o lugar onde eles desejam enfrentar a Rússia.

Tráfico de Refugiados

As Organizações Não Governamentais, uma vez supervisionadas pelas Nações Unidas, alguns sob Relação Consultiva Especial, tornaram-se agora a maldição do Oriente Médio. Algumas, talvez a maioria mais atuante são da CIA e do Mossad. Todas estão aparentemente encarregadas com as economias dos refugiados, “catalogando antiguidades” ou selecionando o que há de valioso na Síria ou ativos iraquianos, tais como ferramentas para máquinas, CNC e robótica necessários para a “loja do suor” do florescente império industrial da Turquia.

A Síria planeja desafios legais, exigindo processo criminal internacional contra estas organizações que estão em seu “trabalho de refugiados.” Alguns refugiados “fogem” por conta própria, enchendo os campos na Jordânia e no Líbano ou adicionando à população, já transbordando de cidades como Damasco. Muitos vão para a Turquia, todos são selecionados, investigados, muitas vezes bloqueados por semanas ou meses. Alguns, no entanto, são enviados empilhados em caminhões para a Síria sem absolutamente nenhuma preocupação.

Esses são prisioneiros do Estado Islâmico, agarrados nos campos dentro da Turquia, pegos pelas ONGs que trabalham com o Estado Islâmico, transportando armas e retirando prisioneiros humanos como “refugiados”, mas na realidade para o tráfico de seres humanos indo aos bordéis da Grã-Bretanha e da Alemanha.

As cenas relatadas lembram as do filme de Spielberg, ‘A Lista de Schindler’, de 1993, que descreve o tratamento dado aos judeus pelos nazistas na Alemanha.

Conclusão.

A guerra aérea da Turquia em nome do Estado Islâmico é um fator conhecido em todo o mundo. Os relatórios iniciais dos ataques com F-16 ao Estado Islâmico realizados pelos turcos foram rapidamente desmascarados. Os ataques turcos em aldeias iraquianas vem sendo investigados e confirmados. Os ataques turcos apoiados pelos EUA sobre as forças YPG curdas dentro da Síria são confirmados também.

Ninguém contesta estes atos horríveis que o governo curdo em Erbil, diz pouco, muito pouco, enquanto o seu povo é chacinado pelos turcos.

Os EUA assumiram que, com movimentos contínuos contra Donbas, eles podem brutalizar a aliada da Rússia, a Síria, sem repercussões. Isto é o que realmente está por trás da atitude dos EUA.

Sobre o autor: Gordon Duff é um veterano combatente da Marinha de Guerra no Vietnã, trabalhou com veteranos em questões de prisioneiros de guerra durante décadas e em consultorias para governos desafiados por questões de segurança. Ele é um editor sênior e presidente do conselho de Veterans Today, Essa matéria foi especialmente para a revista online “New Outlook Oriental”.

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: jornal-neo.org