Putin descarta operações terrestres russas na Síria.


A campanha aérea continuará em pleno vigor, mas a Rússia não enviar mais tropas terrestres, insistiu Vladimir Putin.

O presidente Vladimir Putin disse neste domingo que a Rússia não iria implantar tropas terrestres na Síria, onde foram realizados os ataques aéreos contra o que ele diz serem os alvos o Estado Islâmico.

“Nós não estamos pensando em fazer isso (a realização de uma operação terrestre), e os nossos amigos sírios sabem sobre isso”, disse Putin em entrevista transmitida no canal de televisão estatal Rossiya-1.

No mês passado Putin recebeu a aprovação parlamentar para lançar uma campanha aérea no país devastado pela guerra, mas as autoridades negaram firmemente que iriam enviar quaisquer tropas terrestres.

Que, apesar de evidências recentes de que um número limitado de soldados russos já estão lutando ao lado das forças pró-regime em Allawite na parte ocidental de Assad, cortando um exército rebelde que avançava.

No entanto, os comentários de Putin tem conduzido efetivamente a uma implantação militar em larga escala ou invasão terrestre.

Usando jatos modernos e alguns aviões soviéticos mais antigos, a Rússia tem bombardeado postos de comando e campos de treinamento dos radicais “terroristas”, dando suporte a uma ofensiva terrestre para as forças do presidente sírio, Bashar al-Assad.

Putin disse neste domingo que o objetivo da operação russa era “estabilizar as autoridades legítimas e criar condições para encontrar um compromisso político.”

Falando do armamento utilizado nos ataques – incluindo os mísseis de cruzeiro da Rússia disparados a partir do Mar Cáspio em alvos a mais de 1.500 quilômetros (900 milhas) de distância – Putin descartou a idéia de que a Rússia estava em uma “corrida armamentista” com o Ocidente.

“Isto não é sobre uma corrida armamentista”, disse ele. “Isto é sobre o fato de que armas modernas estão melhorando, mudando. Em outros países, isso está acontecendo mais rápido do que aqui. É por isso que temos de manter.”

O Ministério da Defesa russo disse no domingo que sua força aérea havia atingido 63 alvos na Síria nas últimas 24 horas, destruindo um posto de comando “terrorista” e várias posições defensivas e depósitos de munições.

O Ministério da Defesa também disse que tinham sido realizados progressos em negociações com o Pentágono sobre como evitar acidentes no espaço aéreo sírio, conforme uma coalizão liderada pelos Estados Unidos está realizando uma campanha de bombardeios separados.

Putin rebateu as críticas da coalizão liderada pelos Estados Unidos de que a força aérea russa não estava fornecendo-lhes com suficiente antecedência antes da realização de ataques.

“Eu quero chamar a atenção para o fato de que ninguém nunca nos advertiu no planejamento e início das operações deste tipo”, disse Putin. “Mas nós fizemos.”

Autor: Arutz Sheva Staff

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Israel National News