Segundo a UE tropas russas na Síria é um “divisor de águas”.


A chefe estrangeira da UE Federica Mogherini adverte, intervenção russa é “muito preocupante”, em reunião de negociações políticas divididas sobre o futuro de Assad.

A chefe de Negócios Estrangeiros da UE Federica Mogherini advertiu na segunda-feira que a intervenção russa na Síria foi um “divisor de águas” de grande alto risco , enquanto a comunidade internacional continua a procurar uma solução política ilusória para a guerra mortífera.

“É com certeza um jogo-trocado, ele tem alguns elementos muito preocupantes… tem que ser coordenado, caso contrário, corre o risco de ser extremamente perigoso, não só do ponto de vista político, mas também militar”, disse Mogherini.

Ela disse que o apoio militar russo para o aliado de Moscow de longa data, o presidente Bashar al-Assad, deve ser dirigido contra os extremistas combatentes jihadistas do Estado Islâmico (ISIS), não contra os grupos rebeldes que buscam sua expulsão apoiado pelo Ocidente.

O ministro da Defesa francês Jean-Yves Le Drian, na última sexta-feira, revelou que nada menos do que 90% dos ataques russos estão alvejando as forças rebeldes para sustentar Assad – muitos deles financiados pelo Ocidente – ao invés do ISIS.

Moscow negou as acusações e alegou que seus ataques aéreos com aviões e mísseis concentram-se no ISIS, mas o Ocidente defende que procuram reforçar a posição de Assad e deixá-lo para retomar o terreno perdido nos últimos 18 meses.

Os jogadores de 28 países da União Europeia estão divididos sobre o papel que Assad pode desempenhar em uma solução para um conflito que já custou cerca de 250.000 vidas até agora.

Mogherini recusou-se a desenhar uma forma ou outra conforme ela chegou a uma assembléia de chanceleres da UE em Luxemburgo dominada pela crise.

Ela disse que a UE iria colocar toda a sua energia em apoio da ONU para mediar esforços a um acordo de paz, dizendo que “este é um processo que tem de ter todos os atores relevantes em torno da mesa.”

O Secretário do Exterior britânico Philip Hammond avisou que, embora possa haver alguma flexibilidade no trabalho com Assad, havia sérios riscos também de dirigir os rebeldes para os braços do Estado Islâmico.

“Estamos bem certos de que não podemos trabalhar com Assad como a solução a longo prazo para o futuro da Síria”, disse Hammond.

“Podemos ser flexíveis sobre a maneira… o momento da sua partida, mas se tentarmos trabalhar com Assad, isso só irá conduzir a oposição para os braços do ISIS, isso é exatamente o oposto do resultado que queremos”, ele disse.

Um projeto de declaração de conclusões da reunião sobre a Síria visto pela AFP refere-se a uma “transição pacífica e inclusiva”, sem mencionar Assad.

Acrescenta porém: “Não pode haver uma paz duradoura na Síria sob a atual liderança e até que as queixas legítimas e as aspirações da sociedade síria sejam abordadas.”

O presidente russo, Vladimir Putin afirmou neste domingo que as ações militares da Rússia na Síria foram feitas para “estabilizar as autoridades legítimas e criar condições para encontrar um compromisso político.”

Autor: Arutz Sheva Staff

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Israel National News