O equilíbrio de poder global irrevogavelmente mudou para a Rússia.


Após demonstração da Rússia de suas capacidades na Síria, o mundo tem, sem dúvida, mudado.


O mundo está começando a perceber que uma mudança radical nos assuntos mundiais ocorreu em 28 de setembro, quando o presidente Putin da Rússia declarou em seu discurso na ONU que a Rússia não vai mais tolerar vicios, estupidez e falhas políticas de Washington, que desencadeiam o caos, que está engolindo o Oriente Médio e agora a Europa. Dois dias depois, a Rússia assumiu a situação militar na Síria e começou a destruição das forças do Estado islâmico.

Talvez entre os assessores de Obama há alguns que não estão se afogando em arrogância e podem entender essa mudança radical. Sputnik news relata que alguns dos assessores de segurança de alto nível de Obama o têm aconselhado a retirar as forças militares da Síria e desistir do seu plano para derrubar Assad. Eles aconselharam Obama a cooperar com a Rússia, a fim de parar o fluxo de refugiados que é esmagador sobre os vassalos de Washington na Europa. O influxo de pessoas indesejadas está tem feito os europeus conscientes do alto custo de permitir a continuidade da política externa americana. Assessores disseram a Obama que a idiotice das políticas dos neoconservadores ameaçam o império de Washington na Europa.

Vários comentaristas, como Mike Whitney e Stephen Lendman, concluíram, corretamente, que não há nada que Washington possa fazer sobre ações russas contra o Estado islâmico. O plano dos neoconservadores para uma zona de exclusão aérea da ONU sobre a Síria, a fim de empurrar para fora os russos é um sonho fantástico. Nenhuma tal resolução sairá da ONU. Na verdade, os russos já estabeleceram de fato uma “zona de exclusão aérea” (no-fly zone).

Putin, sem a emissão de ameaças verbais ou se engajar em qualquer xingamentos, decisivamente mudou o equilíbrio de poder, e o mundo sabe disso.

A resposta de Washington consiste em xingamentos, arrogância e mais mentiras, algumas das quais é ecoada por alguns dos vassalos cada vez mais duvidosos de Washington. O único efeito é demonstrar a impotência de Washington.

Se Obama tem qualquer sentido, ele vai demitir de seu governo os idiotas neoconservadores que esbanjaram poder de Washington, e ele vai se concentrar na exploração para a Europa, trabalhando com a Rússia para destruir, ao invés de patrocinar, o terrorismo no Oriente Médio que é opressor para a Europa com os refugiados.

Se Obama não pode admitir um erro, os Estados Unidos vão continuar a perder credibilidade e prestígio em todo o mundo.

Autor: Paul Craig Roberts

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Paul Craig Roberts.org