Japão pode começar a testar avião de combate invisível já em 2016.


Shinzo Abe, primeiro-ministro do Japão, deixou bem claro que o Japão precisa reforçar o papel das suas forças armadas e vai tentar tornar-se o quarto país a pilotar um caça invisível (stealth).

Avião de caça invisível do Japão

Reformulando o papel das forças armadas do Japão

Na sequência da sua derrota na Segunda Guerra Mundial, o Japão foi destituído de seu poderio militar, quando assinou sua rendição para os Estados Unidos e seus aliados. Na década que se seguiu, os militares do Japão foram forçados a mudar para uma postura que era apenas uma força de autodefesa e incapaz de agir de forma agressiva. Na verdade, a Constituição japonesa proíbe a nação insular de manter qualquer coisa, mas uma postura defensiva.

No entanto, desde a eleição do primeiro-ministro Abe em 2006, e novamente em 2012, militares do Japão tem vindo a sofrer quase que uma mudança radical. No início de 2015, com a insistência do Sr. Abe e para grande desgosto da China e outros, os legisladores do Japão aprovaram uma lei que poderia permitir ao Japão participar em conflitos internacionais, mesmo sem nenhuma ameaça direta a muitas ilhas do Japão. Antes da nova lei, Abe anunciou que o Japão estava considerando a construção de mais drones, agora parece que a nação quer mais do que drones no ar. A nação quer ser o quarto país a possuir um caça invisível.

A abundância de outros caças invisíveis na vizinhança

Os Estados Unidos foram o primeiro país a possuir um caça invisível. O Lockheed F-117 Nighthawk foi o primeiro avião de caça furtivo e voou pela primeira vez em 1981. Ele foi introduzido para os militares em 1983, mas permaneceu envolto em mistério por mais de uma meia-década. Foi usado “publicamente” pela primeira vez na Guerra do Golfo de 1991. Os atuais caças invisíveis da América incluem os caças F-22 e F-35 após a aposentadoria do F-117 em 2008.

A Rússia saltou para a arena dos caças invisíveis em 2010 com o primeiro vôo do Sukhoi PAK FA. O caça invisível de assento único ainda não foi entregue à Força Aérea russa, mas eles vão começar a aceitar a entrega em qualquer um dos últimos meses do próximo ano ou no início de 2017.

A China foi o próximo país a pilotar um caça invisível. O Chengdu J-20 teve seu vôo inaugural como o primeiro caça desse tipo da Força Aérea chinesa em janeiro de 2011. É esperado para entrar em serviço em 2018 e tem o potencial para ser uma formidável aeronave de ataque de longo alcance nos céus da Ásia .

O Shenyang J-31 muitas vezes chamado de F-60 “Coruja nevado” é outro caça invisível que irá juntar-se a força aérea chinesa antes do fim da década. O avião, que é menor do que o J-20, fez seu primeiro vôo no final de 2012 a ser introduzido no conjunto da Força Aérea no final de 2018 ou no início de 2019.

Caça invisível do Japão

Agora o Japão está considerando tornar-se o quarto país a testar o seu próprio caça stealth que certamente não vai ganhar nenhum amigo na região. O plano, chamado de Advanced Technology Demonstrator X e feito pela Mitsubishi, é esperado para fazer o seu primeiro voo no início de 2016 antes da sua entrega às forças de autodefesa do país que vai realizar os seus próprios testes.

“O ambiente de segurança ao redor do Japão está se tornando cada vez mais complexo e o Japão precisa manter as capacidades aéreas proporcionais às de outras forças aéreas da região”, disse Rukmani Gupta, um analista em Nova Delhi em IHS Jane. “Se o teste ATD-X for considerado bem sucedido, é muito provável que o Japão prosseguirá a produção de um lutador de próxima geração.”

Se o plano é considerado um sucesso, provavelmente vai entrar na fase de fabricação, com a esperança de substituir o caça F-2 do Japão. “Nós estamos construindo isso em preparação para o desenvolvimento de um novo avião de combate”, disse Hirofumi Doi, um gerente de programa do Ministério da Defesa, em uma entrevista recente. “Países vizinhos estão desenvolvendo jatos furtivos e assim esta pesquisa vai nos permitir compreender qual a tecnologia que é necessária para um projeto como este.”

Substituto para o envelhecimento F-2

Querendo ou não o caça invisível japonês se tornará o substituto do caça F-2 de três décadas de idade, construído a partir do F-16 norte-americano porém mais avançado e ainda está no ar. Se o caça stealth entrar em produção será pouco provável que chegue às forças de autodefesa até próximo do final de 2020 ou até no início dos anos 2030.

Essa espera, no entanto, será atenuada com a chegada de 42 Lockheed F-35s que o Japão ordenou em 2011. Enquanto o programa é tanto sobre-orçamento como prazo ultrapassado, o Japão será um das primeiras nações a receber sua remessa quando a iniciar a entrega da aeronave de quinta geração com capacidades furtivas.

Autor Brendan Byrne

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: ValueWalk