Washington perdeu a guerra por procuração: Ambições dos EUA para ocupar a Síria com força física.



COMPARTILHE NA REDE SOCIAL |

Desde 2011, a Síria tem lutado desesperadamente para manter-se junta como uma só nação unificada. Ameaçada desde o início pelo “precedente Líbia”, Washington e seus aliados regionais abertamente conspiraram para dividir a Síria com um objetivo como que de consolo por não ter derrubado Damasco abertamente.

Os formuladores de políticas dos EUA, alguns dos quais tinham jogado anteriormente um papel em colocar para fora planos para a invasão e ocupação de Iraque, Afeganistão e Líbia, tem publicado numerosos artigos de opinião e documentos políticos inteiros a respeito da partição planejada da Síria.

Esperava-se que o governo sírio fosse empurrado de Damasco e fugisse para as províncias ocidentais da Síria de Latakia e Tartus. A partir daí, os EUA esperavam criar um Estado central dominado por Sauditas, Qatares e turcos com um território curdo ligado com os curdos apoiados pelos EUA no norte do Iraque. Para sempre dividida contra si mesma, a Síria nunca mais funcionaria como um poderoso aliado do vizinho Irã, do Hezbollah do Líbano ou da Rússia e da distante China.

A intervenção da Rússia na Síria tem tudo, mas impediu Damasco de cair. E enquanto a mídia ocidental tentou reclamar da intervenção fez pouca diferença, tanto sucesso teve isso atualmente ao ponto das tentativas por parte da Turquia para estabelecer a sua tão procurada “zona de segurança” no norte da Síria tem também tudo mas tem evaporado.

Tropas sírias apoiadas pelo poder aéreo russo passaram de Latakia ao longo da fronteira da Síria com a Turquia em direção ao agora muito relatado corredor A’zaz-Jarabulus, enquanto outra força empurra para o norte a partir do leste de Aleppo em direção à fronteira turca. Em outros lugares, as forças sírias estão garantindo Damasco, empurrando militantes apoiados pelo ocidente ao longo da sua fronteira meridional com a Jordânia e empurrando a si mesmos em direção a leste em Raqqa.

O que resta?

O que foi deixado para os EUA e seus aliados regionais é uma possível tentativa de invadir e ocupar o nordeste da Síria. Os EUA já supostamente realizou de operações de terra nesta região supostamente em apoio de “curdos” e das forças “árabes” que compõem o que ele chama de “Forças Democráticas da Síria.”

O Observatório Sírio dos Direitos Humanos baseado no Reino Unido informou sexta-feira que especialistas russos tinham “chegado para explorar” o aeroporto Qamishli (mapa ao lado) perto da fronteira turca “prontamente e para verificar o que é necessário para desenvolvê-lo e usá-lo”. O relatório acrescentou que aviões de guerra russos são esperados para utilizar o aeroporto nos “próximos dias e semanas.” Qamishli está localizado ao sul da cidade da fronteira turca de Nusaybin.

Os EUA tem mesmo supostamente começado a construir, ou melhor, a restaurar, uma pista de pouso em território sírio. A BBC no seu relatório do Conflito Síria: ‘EUA estão expandindo pista de aviação’ no norte curdo afirmou:

    – Imagens de satélite que aparecem para mostrar os EUA expandindo uma pista de aviação que estava abandonadas no norte da Síria controlado por curdos foram vistas pela BBC.
    – As imagens, a partir dos analistas de segurança da Stratfor, mostram uma pista perto da cidade de Rmeilan sendo estendida a partir de 700m (meia milha) para 1,3 km como mostra o mapa a seguir.
    – Isso a tornaria mais adequada para uma aeronave maior, como um Hércules.
    – Um porta-voz do Departamento de Defesa dos EUA, disse que sua equipe pequena na Síria é necessária para dar “apoio logístico ocasional”.

Os EUA convidando-se no território sírio soberano e criando uma base militar para suprir suas forças terrestres operando lá sem a aprovação do Conselho de Segurança das Nações Unidas ou sem ser convidado do governo sírio estabelece um precedente perigoso e inaceitável. Mas, supondo que os Estados Unidos não tem interesse em realmente manter a tão internacional lei que tenta justificar suas inúmeras aventuras extraterritoriais, quais as opções que a Síria tem para desviar-se daquela que é uma conspiração bem documentada para despojá-la de seu próprio território soberano e expandir a si mesmo de lá para Damasco?

A resposta pode ser encontrada em Qamishli, Síria, oscilando perto da fronteira da Síria com a Turquia e apenas 50 milhas a oeste da suposta pista dos EUA em Rmeilan. Qamishli é o local que é acusado de ter uma presença russa em crescimento, incluindo uma base aérea em expansão.

The International Business Times informou em seu artigo Forças Norte-Americanas Estabelecem Base no Norte da Síria Perto das Forças Russas no Campo de Pouso de Qamishli, que:

    …especialistas russos tinham “chegado para explorar” o aeroporto Qamishli perto da fronteira turca “prontamente e para verificar o que é necessário para desenvolvê-lo e usá-lo”. O relatório acrescentou que aviões de guerra russos são esperados para utilizar o aeroporto nos “próximos dias e semanas.” Qamishli está localizado ao sul da cidade da fronteira turca de Nusaybin.

Seria o último cheque para a América, e talvez o movimento final em um jogo abrangente que o Ocidente vem dolorosamente perdendo na Síria.

Cheque ou cheque mate?

As forças russas, se estão realmente se fixando em Qamishli, vão estabelecer um bastião permanente no nordeste da Síria. Quando as forças sírias inevitavelmente cortarem dos terroristas as suas rotas de abastecimento externas e restabelecerem o controle sobre as maiores cidades da Síria de volta a oeste, eles serão capazes de reentrar a nordeste de sua nação com vigor, com o apoio da Rússia e até inclusive para a porta de entrada de qualquer ocupação ilegal dos EUA. Haveria pouco para os EUA poder fazer para acabar com isso, e não há nenhum meio estratégico ou tático de “exploração” do território que já não esteja sob o controle das forças sírias-russas.

Países estrangeiros envolvidos na guerra na Síria: 1 – Estados Unidos; 2 – Rússia; 3 – Irã; 4 – Arábia Saudita; 5 – Qatar; 6 – Turquia; 7 – França; 8 – Reino Unido. Clique no mapa para ampliar.

Os EUA neste cenário é reduzido a um invasor chegando a uma casa ocupada, incapaz de fazer qualquer outra coisa, mas olhar desejoso através da janela. Enquanto os EUA certamente estaria pisoteando o canteiro de flores fora da casa, seria incapaz de acessar qualquer coisa de valor dentro dela.

A Síria e a Rússia estão afastando as ambições de ocupação dos EUA sobre a Síria com forças físicas que, uma vez no local vai ser difícil de remover. Os EUA virá à mesa de negociações com suas “Forças Democráticas sírias” operando com a faixa de território sírio, com uma base aérea russa empatando entre eles e o interior da Síria. Enquanto isso, a maior parte das vitórias militares contra ambas as forças mascaradas da Al Qaeda, a de “combatentes moderados” do Ocidente e a do próprio “Estado Islâmico”, vai para a Rússia e a Síria, não para os EUA.

É cada vez mais difícil para os EUA e seus aliados explicar exatamente o que eles estão, na verdade, fazendo mesmo na Síria, além de perpetuar a guerra por tanto tempo quanto possível. É claro que o único progresso que está sendo feito na Síria contra as forças do extremismo está sendo feito pelo governo sírio, há muito castigado e seus aliados russos, iranianos e libaneses. É também claro que os obstáculos remanescentes que impedem a restauração definitiva da paz e da ordem na Síria são os Estados Unidos e seus aliados regionais que insistem em sustentar grupos armados de oposição ao governo sírio, ameaças diretas e erosão causada pelo próprio EUA destinadas a Damasco.

A guerra por procuração na Síria: Aliados do governo sírio e aliados do governo norte-americano. Clique na imagem para ampliar.

Deve estar claro que os EUA perderam a guerra política, a guerra por procuração e agora possivelmente verificada a “guerra base” também. Quanto mais os EUA querem perder, antes de se retirarem de mais um atoleiro criado por eles mesmos, depende da quantidade de credibilidade que os EUA pensa em poder ainda se dar ao luxo de perder, uma vez que prossegue abertamente a hegemoniana frente a um público global cada vez mais consciente de que começou efetivamente lutando de costas.

Autor: Ulson Gunnar

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: New Eastern Outlook

Mais notícias sobre a guerra na Síria, inclusive com fotos, videos e mapas.

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA