Será que a Rússia usaria armas nucleares para defender as suas forças na Síria?



COMPARTILHE NA REDE SOCIAL |

No caso de uma invasão da Turquia, O Saker diz que este seria um afastamento radical da doutrina militar russa.

Morning News US acusa: Rússia Implanta bombardeiros nucleares Na Síria.

A semana passada não vi nenhuma diminuição no confronto tenso entre a Turquia e a Rússia sobre a Síria. Enquanto a posição da Rússia é simples – “estamos prontos para lutar” – a posição turca é muito mais ambígua: políticos turcos estão dizendo uma coisa, então o oposto e, em seguida, outra coisa. Às vezes eles fazem soar como se uma invasão é iminente, e às vezes eles dizem que “a Turquia não planeja nenhuma invasão unilateral”. Desde que uma invasão autorizada da ONU na Síria nunca vai acontecer, isso significa algum tipo de “coalizão dos dispostos”, possivelmente OTAN. O problema aqui é que os europeus não têm vontade de acabar em uma guerra contra a Rússia. Ao mesmo tempo, os EUA e a França se recusam a permitir uma resolução da ONU que reafirme a soberania da Síria. Sim, isso é certo. Os EUA e a França, aparentemente, acham que a Carta das Nações Unidas (que afirma a soberania de todos os países) não se aplica a Síria. Vai saber…

Há rumores persistentes de que os principais comandantes militares turcos, categoricamente contra qualquer ataque à Síria e que eles querem nenhuma participação em uma guerra com a Rússia. Eu não culpo-os um pouco como eles entendem muito bem duas coisas simples: em primeiro lugar, a Turquia não precisa de uma guerra, só Erdogan faz; segundo, quando a Turquia for derrotada, Erdogan vai culpar os militares. Há também sinais de divergências dentro dos EUA sobre as perspectivas de uma tal guerra, com os Neocons dando suporte a Erdogan e empurrando-o para a guerra tal como tinham feito com Saakashvili, enquanto a Casa Branca e Foggy Bottom está dizendo a Erdogan para “esfriar”. Quanto aos próprios turcos, eles bombardearam posições curdas e sírias do outro lado da fronteira e, em pelo menos duas ocasiões, uma pequena força militar foi vista cruzando a fronteira.

De um ponto de vista estritamente militar, não faz absolutamente nenhum sentido para os turcos a massa na fronteira, declaram que estão prestes a invadir, em seguida, parar, fazer alguns bombardeios e, em seguida, enviar apenas algumas unidades pequenas do outro lado da fronteira. O que os turcos devem ter feito era secretamente começar a aumentar o nível de prontidão de suas forças e, em seguida, atacar logo que os russos detectassem suas preparações, mesmo se isso significasse que eles teriam de iniciar as operações de combate antes de estarem totalmente mobilizados e prontos. As vantagens de um ataque surpresa são tão grandes que quase qualquer outra consideração tem de ser posta de lado, a fim de alcançá-lo. Os turcos fizeram exatamente o oposto: eles anunciaram suas intenções de invadir e uma vez que suas forças estavam prontas, eles simplesmente pararam na fronteira e começaram a emitir declarações completamente contraditórias. Isto não faz absolutamente nenhum sentido.

O que complica esta situação já caótica é que Erdogan é claramente um lunático e que parece haver, pelo menos, a possibilidade de alguma luta interna séria entre os líderes políticos turcos e os militares.

Além disso, parece haver alguns muito sangue ruins entre os EUA e o regime de Erdogan. As coisas ficaram tão ruins que o principal assessor de Erdogan, Seref Malkoc, disse que a Turquia pode negar o uso da base aérea de Incirlik para ataques contra o Estado Islâmico aos EUA se os EUA não nomear o YPG como um grupo terrorista. Erdogan depois repudiou esta declaração, mas a verdade é que os turcos estão agora a chantagear diretamente os EUA. Se Erdogan e seus assessores acreditam seriamente que eles podem chantagear publicamente uma superpotência como os EUA, em seguida, seus dias estão contados. No mínimo, esse tipo de explosão irresponsável mostra que os turcos estão realmente ruindo sob a pressão que eles próprios criaram.

Ainda assim, o fato de a Turquia ainda não ter invadido é um minúsculo sinal do instante que talvez, apenas talvez, os turcos vão desistir dessa idéia maluca ou eles vão limitar-se a uma “mini-invasão” apenas a algumas milhas através da fronteira. Os militares provavelmente prefeririam uma opção tão mínima como salvar a face, mas e sobre Erdogan e os malucos ao seu redor?

Talvez os militares turcos devam ter percebido que o país é governado por um louco e devam fazer algo sobre isso?

Ainda assim, os russos estão a arriscar, e eles colocaram todas as suas forças em alerta máximo. Eles têm públicado muito o envio de um Tu-214r – seu avião mais avançado ISR (Reconnaissance Intelligence Surveillance). Você pode pensar no Tu-214R como um “AWACS para o chão”, o tipo de aeronave que você usar para monitorar uma grande batalha terrestre (os regulares A-50ms russos já estão monitorando espaço aéreo sírio). No sul da Rússia, as forças aeroespaciais organizaram exercícios de larga escala envolvendo um grande número de aeronaves que seria usado em uma guerra contra a Turquia: Su-34s. As Forças aerotransportadas estão prontas. A força-tarefa naval ao longo da costa síria está sendo aumentada. A entrega de armas acelerou. A questão de fundo é simples e óbvia: os russos não estão fazendo quaisquer ameaças – eles estão se preparando para a guerra. Na verdade, até agora eles estão prontos.

Isso deixa uma questão importante a ser feita: O que os russos fariam se a sua ainda relativamente pequena força na Síria for atacada e a longo prazo pelos turcos? Será que os russos usariam armas nucleares?

Pelo menos um repórter, Robert Parry, tem escrito o seguinte:

“Uma fonte próxima ao presidente russo Vladimir Putin disse-me que os russos têm alertado o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, de que Moscow está preparado para usar armas nucleares táticas se for necessário para salvar as suas tropas em face de um ataque turco-árabe”.

É realmente possível? Será que os russos realmente podem usar armas nucleares se as coisas ficarem feias na Síria?

A Doutrina militar russa é muito clara sobre o uso de armas nucleares pela Rússia. Este é o ponto relevante:

27. A Federação Russa reserva-se o direito de usar armas nucleares em resposta ao uso contra ela e (ou) seus aliados de armas nucleares e outras de destruição em massa, bem como no caso de agressão contra a Federação Russa com o uso de armas convencionais de uma forma que possa ameaçar sua própria existência como um estado. A decisão de usar armas nucleares é tomada pelo Presidente da Federação Russa.

Não há nenhuma ambiguidade aqui. A menos que a Rússia esteja ameaçada como um estado ela não vai usar armas nucleares. A vontade alguns, sem dúvida, dizer que a doutrina militar oficial é uma coisa, mas a realidade na Síria é outra e se os turcos invadirem Khmeimim Rússia não terá outra opção além de usar armas nucleares. Há um precedente para esse tipo de lógica: quando os EUA implantou o 82º Airborne na Arábia Saudita como parte do Escudo do Deserto do Pentágono foi totalmente compreendido que, se o exército iraquiano muito maior invadisse a Arábia Saudita a 82ª seria destruída. Esperava-se que a USAF e a USN pudesse fornecer saídas aéreas o suficiente para parar o avanço do Iraque, mas não foi entendido que as armas nucleares táticas seriam utilizadas. A situação na Síria é diferente.

Por um lado, a força-tarefa da Rússia na Síria não é uma força de infantaria Tripwire* como a 82ª no Iraque. O terreno e as forças opostas são também muito diferentes. Em segundo lugar, o contingente russo na Síria pode contar com o poder de fogo e o apoio da Marinha russa no Mar Cáspio e no Mediterrâneo e as Forças Aeroespaciais da Rússia propriamente ditas. Por último, mas não menos importante, os russos podem contar com apoio dos militares da Síria, as forças iranianas, o Hezbollah e, provavelmente, os curdos sírios que estão agora abertamente aderindo à aliança 4 + 1 (Rússia, Irã, Iraque, Síria e Hezbollah) tornando-se em uma aliança 4 + 2 suponho.

Há uma característica importante desta aliança 4 + 2 que deve realmente dar aos turcos um forte incentivo para ter muito cuidado antes de tomar qualquer medida: cada membro desta aliança 4 + 2 tem uma vasta experiência militar, uma muito melhor do que a dos militares turcos. O exército turco moderno é muito mais semelhante ao militar israelense em 2006 – tem uma grande experiência aterrorizando os civis e não é uma força treinada para lutar em guerras “reais”. Há um risco muito real para os turcos que, se eles realmente invadirem a Síria eles podem acabar enfrentando o mesmo pesadelo como os israelenses fizeram quando invadiram o Líbano em 2006.

Enquanto isso, as forças sírias apoiadas pelos russos continuam avançando. Desde o início de sua contra-ofensiva os sírios conseguiram recapturar todos os locais estratégicos no oeste da Síria em passos lentos e incrementais e agora eles estão ameaçando Raqqa. Veja por si mesmo:

A questão de fundo é esta: o tamanho e as capacidades da força-tarefa da Rússia na Síria vem se expandindo e o nível de colaborações entre os elementos da aliança 4 + 2 tem vindo a aumentar. Adicione a isso a capacidade de implantar um regimental-virada (e totalmente mecanizada) Força Aerotransportada em Latakia, se necessário, e você começará a ver que os turcos estam tomando um grande risco se eles atacam as forças russas, mesmo se a Rússia não ameaçar utilizar armas nucleares táticas. Na verdade, eu não vejo nenhum curto cenário de um enorme ataque dos EUA / OTAN sob o qual a Rússia usaria suas armas nucleares táticas.

Francamente, esta situação está longe de ser resolvida. Não é por acaso que, só quando um cessar-fogo deveria ter entrado em vigor, dois ataques terroristas na Turquia são oh tão convenientemente atribuídos aos curdos. Com certeza parece que alguém está se esforçando para definir a Turquia em rota de colisão com a Rússia, não é?

Fazer previsões sobre o que os turcos e os seus amigos sauditas vão fazer não faz sentido. Estamos a lidar claramente com dois regimes que são gradualmente “Perdendo isso”: eles estão batendo em todo mundo (incluindo seus clientes norte-americanos), eles têm medo de suas próprias minorias (curdos e xiitas) e sua propensão para a violência e terror só é igualada por sua incapacidade em guerra convencional. Será que isso lembra outra pessoa?

Claro! Os nazistas ucranianos se encaixam nesta imagem perfeitamente. Bem, adivinhem, eles estão sonhando em formar uma aliança anti-russa com os turcos agora. Não é surpreendente? Basta imaginar o que uma aliança ucraniana-turca-arábica ficaria assim: uma gangue de bandidos “islamo-fascista” da vida real combinando ódio, fanatismo, corrupção, violência, nacionalismo estridente e incompetência militar. Uma combinação tóxica com certeza, mas não viável.

Nota: Tripwire: um fio esticado perto do chão, trabalhando como uma armadilha, para explosão ou alarme quando perturbado e que serve para detectar ou evitar pessoas ou animais provenientes de uma área.

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Russia Insider

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA