Turbulência na Ucrânia desencadeada por provocações norte-americanas, é o que a maioria dos russos considera.



COMPARTILHE NA REDE SOCIAL |

De acordo com a mais recente pesquisa de opinião, a atitude dos russos em relação à Ucrânia piorou e a maioria vê os acontecimentos naquele país como “anarquia e banditismo” causado pelas políticas das autoridades de Kiev e provocadas a partir de Washington.

A agência estatal russa de opinião pública VTsIOM noticiou na sexta-feira que a atitude dos russos comuns em relação à Ucrânia, em geral, tem se deteriorado, se comparado com o mesmo período do ano anterior. A porcentagem de pessoas que confessaram que a sua atitude para com a Ucrânia era “ruim” ou “muito ruim” aumentou de 31 por cento para 36 por cento. No entanto, aqueles que têm sentimentos positivos sobre a Ucrânia ainda são uma maioria de 50 por cento, contra 60 por cento há um ano.

Quando os pesquisadores pediram aos participantes para descrever os chamados eventos Maidan – a derrubada do presidente ucraniano e instauração do regime atual em Kiev há dois anos – 34 por cento disseram que os via como “anarquia e banditismo”, 18 por cento chamou um golpe de estado e 12 por cento disseram que os eventos podem ser descritos como uma guerra civil.

Quando perguntados sobre as suas idéias sobre as razões por trás da crise ucraniana, 20 por cento dos russos nomeiam o curso político errado escolhido pelas autoridades de Kiev, 19 por cento disseram que foi resultado de uma provocação deliberada por parte dos Estados Unidos e 13 por cento espera que a crise resulte da luta regular de políticos e empresários por poder e recursos.

Cerca de 81 por cento do público russo disse que os eventos na praça Maidan tinham tido consequências principalmente negativas para as nação ucraniana. 95 por cento disseram que estavam fortemente contra tentativas de implementar um cenário semelhante na Rússia.

Protestos e motins na Praça da Independência de Kiev (Maidan Nezaizhnosti na Ucrânia, também conhecido simplesmente como Maidan) começou no final de 2013, depois que o governo anunciou que não tem planos para assinar um acordo de integração com a União Europeia, de modo a não destruir laços econômicos estabelecidos com a Rússia. No final de fevereiro de 2014, os motins levaram à destituição do presidente Viktor Yanukovich, alterações na constituição e novas eleições presidenciais – vencida pelo bilionário do negócio de confecção Petro Poroshenko.

O golpe também levou ao poder muitos nacionalistas abertos que causaram descontentamento e resistência nas partes do sudeste do país, povoadas com os russos étnicos e de língua russa. As tentativas de Kiev para saciar a dissidência com uma força militar resultou em um conflito militar em larga escala e rompendo das duas repúblicas autoproclamadas em Lugansk e Donetsk.

As negociações de paz estão atualmente em curso com a Rússia, Alemanha e França a agir como garantidores do processo de cessar-fogo. A próxima reunião do chamado Normandy 4 (Ucrânia sendo o quarto membro do grupo) está prevista para março.

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: RT.com

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA