Poder militar em imagens: as 9 melhores infografias sobre o mais avançado armamento russo.


COMPARTILHE NA REDE SOCIAL |


Líder no mercado global de armas, a Rússia continua a reforçar o seu arsenal militar para desenvolver cada vez mais armas modernas e poderosas. Isto pode ser visto nos seguintes nove infográficos.

Bombardeiro supersônico Tu-160.

Uma das peças mais emblemáticas do arsenal militar russo, o famoso bombardeiro estratégico Tu-160, recebeu seu batismo de fogo em novembro de 2015 para participar na operação anti-terrorista da Rússia na Síria.

O Tu-160, chamado de White Swan (Cisne Branco), ou Blackjack, de acordo com a classificação da OTAN, foi desenhado por Tupolev Design Bureau nos anos 70 e 80 e entrou em serviço na Força Aérea Russa em 1987. A partir de meados da década de 2000, o Tu-160 começou um processo de modernização para uma versão chamada Tu-160M.

É o maior e mais poderoso dos aviões supersônicos na história da aviação militar. O avião é incrivelmente rápido para o seu tipo (2.220 quilômetros por hora) e excede a velocidade de seus rivais americanos, B1-B Lancer e B-52.

Em maio de 2015, o comandante do Viktor Bondarev da Força Aérea da Rússia disse que foi planejada a compra de pelo menos 50 bombardeiros estratégicos Tu-160M. Em dezembro Bondarev anunciou a retomada da produção em série do bombardeiro. No entanto, em seguida, ele disse que “a base é apenas o invólucro da antiga Tu-160”, enquanto “lá dentro há completamente novos sistemas com possibilidades completamente novas.”

Caça PAK FA T-50.

O furtivo lutador multifuncional russo de quinta geração T-50 (PAK-FA) que está em desenvolvimento pelo escritório de projetos Sukhoi é aguardado que no futuro poderia substituir os caças-bombardeiros Su-27 e MiG-29 e servir como plataforma base para uma versão desenvolvida em conjunto com a Índia para a Força Aérea do país.

No entanto, uma vez que grande parte dos dados técnicos sobre a T-50 ainda continuam a ser classificados, são conhecidas apenas características aproximadas da aeronave. Quanto ao tamanho e peso de decolagem, corresponde a um lutador multifuncional pesado análogo ao Su-27 russo ou aos F-15 ou F-22 americanos. A aeronave satisfaz todos os requisitos para um caça de quinta geração ao dispor de uma muito pequena seção transversal de radar, velocidade de cruzeiro supersônico, poderoso radar AESA, manobrabilidade em altos ângulos de ataque e sobrecargas, eletrônica avançada, e a capacidade de fazer um grande grupo de missões.

Em novembro de 2015, o vice-diretor-geral do consórcio russo Tecnologias Rádio-eletrônicas (Kret), Igor Nasenkov, anunciou durante o Dubai Airshow-2015 que o T-50 irá incorporar sistemas de detecção para seja possível ao piloto controlar a todo o momento a localização de possíveis inimigos. “O T-50 é um avião cem por cento digital que fornece ao piloto todas as informações de que precisa e fornece um suporte de informação permanente devido ao seu revestimento inteligente”, disse Nasenkov.

Além disso, o diretor da Kret salientou que este avião possui sistemas de radiolocalização ativa e radares de reconhecimento passivo, enquanto que sua superfície atua como um sistema de antenas universais. Assim, os sistemas de detecção propocionam automaticamente as informações sobre todo o entorno do caça e projetam os dados tanto na viseira do capacete do condutor como na cabine de vidro interativo. “Esta característica assegura controle e fornece o máximo de conforto”, observou Nasenkov.

Sistema de mísseis Kalibr.

Pela primeira vez, os mísseis que utilizam o sistema Kalibr, cujo análogo mais próximo é o míssil de cruzeiro Tomahawk americano, foram utilizados em combate em 07 de outubro de 2015, no âmbito da operação anti-terrorista da Rússia na Síria, quando vários navios da flotilha do mar Cáspio lançaram 26 mísseis tipo 3M14 contra alvos a uma distância de mais de 1.500 quilômetros.

Os mísseis desta classe lançados de navios de superfície são capazes de atacar navios, submarinos e alvos terrestres. Dependendo da variante, os mísseis utilizando Kalibr têm um comprimento entre 6,2 e 8,22 metros e um peso entre 1.300 e 2.300 kg. Seu diâmetro é de 0,533 metros.

Em 8 de dezembro, o submarino russo Rostov na Donu, apelidado de “buraco negro” pelo Ocidente por sua capacidade de evitar a detecção, atacou com sucesso as posições do Estado Islâmico na Síria desde o Mediterrâneo usando sistemas de mísseis Kalibr de tipo 3M54.

AK-47.

O AK-47 é a arma Soviética mais emblemática da segunda metade do século XX e, segundo estimativas, se trata da arma de fogo mais fabricada da história, com cerca de 100 milhões de unidades fabricadas.

O fuzil desenhado por Mikhail Kalashnikov, foi concebido seguindo critérios característicos tanto da Rússia czarista como da URSS: simplicidade e confiabilidade acima de tudo. O verdadeiro AK-47 pesa 4,3 kg, com 870 mm de comprimento, o comprimento do cano é de 415 mm e seu calibre é de 7.62 milímetros. A taxa de disparos é de 600 tiros por minuto e o carregador destacável curvo tem capacidade para 30 cartuchos.

Além de seu design simples, a ‘arma’ ícone também tem um preço relativamente barato. O fuzil é fácil, tanto de fabricar como de operar. Além disso, o AK-47 pode ser utilizado em qualquer tempo extremo e é capaz de disparar debaixo de água e, mesmo quando coberto de lama ou preenchido com areia.

O rifle foi adotado como a principal arma regulamentar da infantaria soviética em 1949. No entanto, também foi exportada para outros países, alguns dos quais começaram a produzir cópias e outras versões da arma. De acordo com algumas estimativas, até um milhão de derivados ainda são fabricados a cada ano.

Submarinos da Marinha russa.

O primeiro submarino russo Dolphin foi criado em 1902, e desde então, estes navios têm continuado a melhorar depois de passar por duas guerras mundiais e pela Guerra Fria. O exemplo do poder técnico da Rússia é o maior submarino nuclear do mundo, pertencente ao projeto 941 Akula, com 20 lançadores de mísseis balísticos. Ele pode mergulhar a uma profundidade de 500 metros e tem uma autonomia de 180 dias. Durante décadas, esses submarinos têm servido na Marinha russa e um deles ainda segue em serviço na atualidade.

Alguns anos atrás, começaram a entrar em serviço os submarinos da nova geração classe Borei e Yasen. Hoje, a Marinha russa inclui mais de 70 submarinos que têm todas as características importantes, tais como o casco de titânio resistente de alta tecnologia, lançamento seguro de míssil subaquático, sistema hidroacústico sensível, excelentes características de navegação e boas condições de habitabilidade.

Submarinos estratégicos de propulsão nuclear classe Borei.

No início de 2013, incorporou-se à Frota do Mar do Norte o submarino estratégico de quarta geração do Projeto 955 Borei, chamado Yuri Dolgoruky. Na mesma série também se incluem Alexander Nevski e Vladimir Monomah. Prevê-se que até 2020 a Marinha russa inclua oito submarinos dos projetos Borei e Borei-A, que serão a base marítima da tríade nuclear russa, informa Ria Novosti.

Os três primeiros submarinos que formam o projeto 955 vão ter 16 lançadores de mísseis, enquanto os outros cinco, do projeto 955A vão ter 20 lançadores. O armamento de todos incluem os sistemas portáteis de defesa aérea, torpedos e mísseis balísticos intercontinentais Bulava de 8.000 km de alcance.

Os Borei medirão 170 metros de comprimento, 13,5 metros de largura e 10 metros de profundidade. Seu deslocamento na superfície – onde chegam a até 15 nós será de 14.720 toneladas, enquanto em imersão vão atingir uma velocidade de 29 nós e vão chegar a 24.000 toneladas. Os submarinos vão poder acomodar uma tripulação de 107 marinheiros, operar a uma profundidade entre 400 e 480 metros e desfrutar de uma reserva de autonomia de 90 dias.

Submarinos de ataque de propulsão nuclear classe Yasen.

O Severodvinsk ou K-560 primeiro submarino nuclear multifuncional de ataque da classe Yasen (Projeto 885), se juntou à Marinha russa em 2014. Outros três, de uma versão modificada (projeto 885 M) estão em fase de construção. No total, em 2020 a Marinha russa planeja ter oito navios da classe Yasen, que irá deslocar 8.600/13.800 toneladas (em imersão/submersa) e atingir uma velocidade de 16/31 nós. Estes navios vão poder descer a até 600 metros de profundidade e levar uma grande variedade de mísseis de cruzeiro e torpedos teledirigidos.

Os submarinos do Projeto 885 são considerados os mais avançados da construção naval submarina russa. Além disso, é o projeto mais caro e avançado da história naval russa.

Neste projeto se utiliza um sistema de projeto de corpo misto, em que o chamado “corpo legeiro” (superior) abrange apenas uma parte do corpo duro, na proa do navio, para reduzir o ruído. É a primeira vez que a construção submarina russa usa essa técnica, que permite “encaixar” na proa um novo e muito poderoso sonar.

Os submarinos deste tipo têm 24 mísseis de cruzeiro em oito lançadeiras verticais e são feitos de aço não magnético, mas altamente durável, de modo que podem mergulhar a profundidades de até 600 metros e são praticamente inacessíveis às armas anti-submarinas modernas. Na parte central do corpo há um compartimento com oito silos universais verticais, capazes de lançar tanto mísseis anti-navio 3M55 Onix como mísseis anti-navio X-35, mísseis de cruzeiro estratégicos X-101 ou mísseis para ataque ao solo do sistema ZM-14E P-900 Club, com uma alcance de 5.000 quilômetros. Além disso, os submarinos têm seis tubos lança-torpedo de 650 e 533 milímetros, pelos quais se podem disparar todos os tipos de torpedo modernos assim como veículos submarinos não tripulados.

Tanque Armata T-14.

O novo T-14 tanque Armata, que foi apresentado ao público pela primeira vez em Moscow durante a parada do dia da vitória de 9 de Maio de 2015, recebeu uma avaliação alta por especialistas russos e estrangeiros.

O Armata é uma plataforma universal de equipamento militar pesado montado sobre trilhos, que foi concebido não só para desenvolver a partir dele o veículo de combate T-14, mas também um veículo de infantaria blindado (T-15) um veículos de engenharia (T-16) e também um lança-chamas autopropulsado, um sistema de minas e outras máquinas especiais.

Quanto ao modelo de tanques T-14, tem um canhão de 125 milímetros que dispara o projétil com uma velocidade inicial de 1.900 metros por segundo. Sua fogo é capaz de perfurar a armadura de mais de um metro de espessura a uma distância de 2 km. Além disso, estes tanques usam os mesmos radares das aeronaves de caça de quinta geração. Eles são capazes de detectar e seguir simultaneamente até 40 alvos dinâmicos e 25 alvos aéreos em um raio de 100 quilômetros. A partir de suas indicações as armas instalados na torre poderão eliminar estes objetivos automaticamente.

ICBM RS-24 Yars.

O míssil RS-24 Yars, um elemento chave do escudo de mísseis terrestre da Rússia, foi desenvolvido em resposta ao sistema que pretende os americanos implantar na Europa pelo Instituto de Tecnologia Térmica de Moscow a partir míssil Topol (de única ogiva). Espera-se que no futuro substitua os mísseis intercontinentais balísticos RS-18 e RS-20 e forme, juntamente com o Topol-M a base do grupo de ataque das Tropas de Mísseis de Designação Estratégica da Rússia.

O primeiro lançamento de um RS-24 foi realizado em maio de 2007 a partir do Cosmódromo de Plesetsk, e o míssil atingiu suas metas no campo de tiro Kura (Kamchatka) cerca de 6.000 km de distância. O segundo lançamento, com a mesma rota, ocorreu em dezembro de 2007 e estabeleceu um novo sucesso. No total, houve seis ensaios com este míssil, todos com resultados positivos, um fenômeno bastante raro para uma arma tão sofisticada.

Em 2009, o sistema foi adotado pelo Ministério da Defesa russo. A implantação de novos sistemas começaram em 2010, com as primeiras unidades atribuídas a Teikovo (região de Ivanovo, na parte europeia da Rússia) e mais tarde na divisão de mísseis perto de Novosibirsk (principal cidade da Sibéria). Atualmente, a Rússia tem instalado 58 mísseis Yars.

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: RT.com

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA