Motivos por que a Rússia nunca vai entregar as Curilas do Sul ao Japão.


COMPARTILHE NA REDE SOCIAL |

Isso permitiria aos americanos se infiltrarem no mar de Okhotsk, onde os submarinos balísticos nucleares da Rússia estariam submersos prontos para responder a um ataque nuclear na Rússia.

Ao longo dos últimos anos, a atenção em questões territoriais na Ásia esteve em grande parte centrada na China, que tem uma série de disputas com seus vizinhos, incluindo o Japão e muitos países no sudeste da Ásia. O menos discutido, mas ainda estratégico, dilema é que entre o Japão e a Rússia sobre as ilhas Curilas do Sul, que o Japão, muitas vezes refere-se a como os Territórios do Norte. As Curilas são uma cadeia de mais de cinquenta ilhas que se estendem do norte de Hokkaido no Japão até Kamchatka, na Rússia. As ilhas são atualmente administradas por Moscow e têm estado sob controle russo em vigor desde o final da Segunda Guerra Mundial, após a derrota do Japão. Tóquio, por sua vez, mantêm a sua reivindicação de soberania sobre quatro ilhas do arquipélago (Etorofu, Kunashiri, Shikotan e Habomai), alegando que os territórios foram ilegalmente anexados pela União Soviética após a guerra.

As ilhas são frequentemente citadas pelo seu valor em termos de energia e recursos, mas também é de fundamental importância estratégica. Por esse critério, as Curilas são mais valiosas para a Rússia do que são para o Japão. Estas ilhas são importantes para Moscow, por preservar o acesso naval russo para o Pacífico Ocidental e desempenhar um papel fundamental na estratégia de dissuasão nuclear da Rússia. Infelizmente para o Japão, porque o valor estratégico das ilhas para a Rússia só tem aumentado nos últimos anos, a disposição da Rússia para um compromisso sobre a questão é susceptível de diminuir proporcionalmente.

Líderes militares russos acreditam que o controle das Curilas é fundamental para manter o acesso da sua Frota do Pacífico ao Oceano Pacífico. As ilhas são a ligação entre o Mar de Okhotsk e o Oceano Pacífico. Por isso, os líderes militares russos afirmam que eles não podem entregar as ilhas ao Japão porque isso reduziria a eficácia da frota russa do Pacífico e diminuiria a segurança da Rússia, já que Moscow já não teria acesso exclusivo aos mares abertos. Esta preocupação foi uma motivação importante na decisão de Stálin por anexar as Curilas do Sul no final da II Guerra Mundial.

No entanto, enquanto manter o acesso ao Oceano Pacífico é uma preocupação significativa para a Rússia, esse fator é apenas uma razão pela qual as ilhas são tão importantes estrategicamente.

Durante os anos 1970, as ilhas tornaram-se ainda mais valiosas para a Rússia devido a mudanças na estratégia nuclear da União Soviética especificamente, o desenvolvimento da “estratégia de bastião.” Com uma nova geração de mísseis de longo alcance significa que os soviéticos poderiam manter seus submarinos de mísseis balísticos (SSBNs) nos facilmente defensáveis ​​”bastiões”, tais como o Mar de Okhotsk, e ainda atingir alvos na costa oeste dos Estados Unidos. Sob esta nova doutrina, o que torna a proteção das SSBNs em Petropavlovsk em Kamchatka a principal prioridade da Frota do Pacífico, as Curilas tornaram-se ainda mais importantes para a Rússia. Se o Japão recuperar estas ilhas, isso significaria que submarinos e porta-americanos poderiam entrar no mar de Okhotsk através do Estreito de Kunashiri e mudar radicalmente o equilíbrio de poder em detrimento da União Soviética. A ênfase de Washington na segmentação de SSBNs soviéticos no início de 1980 também alimentou a obsessão Soviética com a manutenção das ilhas para salvaguardar seu “bastião”.

Como foi que a importância da estratégia bastião mudou ao longo do tempo? Se, como alguns analistas previram, os mísseis baseados em terra da Rússia tornaram-se cada vez mais vulneráveis, a importância de defender as forças de dissuasão baseadas no mar só iriam aumentar, tornando a estratégia o reduto mais importante. No entanto, a importância de bastiões – e especificamente o valor estratégico das Ilhas Curilas – poderia diminuir se a tecnologia de silenciamento submarino russo melhorar suficiente para o ponto onde, conforme os Estados Unidos, a Rússia puder simplesmente implantar seus SSBNs no oceano aberto. Outro fator que afeta a importância da estratégia de bastião é a concentração geográfica de SSBNs: se a Rússia concentrar todas as suas SSBNs na Península de Kola e sucatas da base de Kamchatka, a estratégia bastião será descartada como obsoleta, mas se a Rússia mantêm até mesmo alguns dos seus SSBNs em Kamchatka, a importância de proteger o reduzido número de SSBNs só vai aumentar.

De acordo com a Iniciativa de Ameaça Nuclear, o número de SSBNs russos tinham vindo a diminuir desde o colapso da União Soviética. Mas, devido ao aumento das receitas do petróleo durante o início dos anos 2000, o projeto de modernização militar da Rússia tem obtido um impulso, com um aumento de 150 por cento nos gastos para as forças nucleares estratégicas. Além disso, $ 160 bilhões foi posto de lado para adquirir novos navios de guerra e submarinos até 2020. Em junho de 2014, a frota submarina estratégica da Rússia consistia em dez SSBNs, incluindo seis SSBNs classe Delfin, dois SSBNs classe Kalmar, e dois SSBNs classe Borei. Em julho de 2015, segundo USNI Newsreported, a classe prevista de oito SSBNs classe Borei iria “servir como a espinha dorsal da força de dissuasão nuclear russa baseada no mar”.

Os SSBNs classe Borei são significativamente mais silenciosos; no entanto, ainda não é evidente se isso está mudando os cálculos da Rússia sobre a implantação deles para fora em mar aberto. De fato, em 2012, a frota de nove SSBNs da Rússia realizaram apenas cinco patrulhas de dissuasão, o que significa que é muito mais provável que a Rússia continuará a manter seus SSBNs perto de casa e enfatizar a proteção dos seus bastiões. Em vez navegar no Pacífico, os Boreis são mais propensos a ser implantados perto da Península de Kamchatka, onde submarinos de ataque russos farão o seu melhor para defender os SSBNs de submarinos de ataque dos EUA. Mesmo que a caça a SSBNs russos já não seja um elemento central da estratégia marítima dos EUA, como foi na década de 1980, os planejadores militares russas não podem ignorar a possibilidade de tal missão dos EUA. Portanto, mesmo que o Borei seja uma embarcação mais avançada, espera-se que fique perto das mesmas áreas que os seus antecessores patrulharam nos anos 1980 e 1990.

Existe a preocupação de que a recente tendência para uma maior concentração de ogivas russas em menos navios, conforme a Rússia faz a transição para uma frota menor, mas com mais ogivas pesadas de novos submarinos, aumentará a probabilidade de erro de cálculo por parte da Rússia. Não só a concentração de mais ovos em menos cestos aumenta o risco de erro de cálculo, mas também aumenta a importância de proteger cada indivíduo SSBN – e se a Rússia escolher concentrá-los no mar de Okhotsk, em seguida, a sua vontade de retornar as ilhas ao Japão diminuirá exponencialmente.

Embora seja fácil descartar um conflito entre Japão e Rússia pelas Curilas como uma postura política e nacionalista, pelo menos do ponto de vista da Rússia, há interesses de segurança tangíveis em jogo. Devido a importância que a Rússia atribui a estas ilhas só aumentar, devido à continuação da pertinência da estratégia bastião, é altamente imporvável que a Rússia estará disposta a fazer concessões.


Nota do tradutor: Bastião, uma parte saliente de uma fortificação construída a um ângulo para a linha de uma parede, de modo a permitir o fogo defensivo em várias direções.

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: The National Interest

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA