As tentativas dos EUA para cercar a China com bases militares e alianças.


COMPARTILHE NA REDE SOCIAL |

EUA e Filipinas anunciaram recentemente que cinco das bases do país serão reabertas para as forças dos EUA em razão do Acordo de Cooperação Reforçada de Defesa (EDCA). A implementação do acordo sobre as bases militares nas Filipinas é apenas uma componente da aceleração da implantação militar dos EUA na região da Ásia-Pacífico como parte das tentativas de cercar e preparar uma guerra contra a China.

Como a América poderia atacar numa crise no Mar do Sul da China.

Os dois países assinaram o acordo EDCA em 2014 e em janeiro o Supremo Tribunal das Filipinas rejeitou os processos judiciais contra ele.

As cinco bases incluem a base aérea de Antonio Bautista na ilha de Palawan, diretamente adjacente às ilhas Spratly disputadas no Mar do Sul da China. Durante o ano passado, as as tensões entre Washington e Pequim sobre as ilhas em disputa aumentaram muito. Em Outubro de 2015 e novamente em Janeiro de 2016, os destruidores da Marinha dos Estados Unidos têm desafiado as reinvidicações marítimos chineses através de intrusão dentro do limite das 12 milhas ao redor das ilhas administradas pela China.

Os militares dos EUA terão acesso também à base aérea de Basa, norte de Manila, na base de Fort Magsaysay (uma base militar), à base aérea de Lumbia em Cebu e a base aérea de Mactan-Benito Ebuen em Mindanao. O embaixador dos EUA, Philip Goldberg, disse à imprensa que espera que esse movimento de implantação inicial de homens e equipamentos ocorra em breve. O Congresso dos EUA aprovou, entretanto, um montante de 66 milhões de dólares para a construção de bases militares nas Filipinas.

Pequim condenou a instalação de bases americanas e alertou para o risco de conflito. Um comentário recente publicado pela agência Xinhua acusou Washington de “criar problemas no Mar do Sul da China” e fazer da Ásia-Pacífico um “segundo Oriente Médio”.

Recentemente, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Hua Chunying, destacou a hipocrisia dos EUA, que acusa a China de “militarização” do Mar do Sul da China, dizendo: “Não é este contínuo envio de reforços e destacamentos militares no Mar do Sul da China e regiões vizinhas o que constitui uma militarização?”.

No momento em que os EUA se prepara para reimplantar as suas forças militares em sua antiga colônia, o General Dennis Vis, chefe do Mando de Material do Exército dos EUA revelou à imprensa que Washington tinha assinado outros acordos em bases militares na Ásia, incluindo Vietnã, Camboja e outros países não nomeados. Por causa desses acordos, os militares dos EUA podem armazenar equipamentos para permitir que seus soldados sejam implantados mais rapidamente na região.

Ele ressaltou que “todas as atividades” seriam operações de baixo nível, tais como exercícios de treinamento multinacionais e operações de salvamento. “Consideramos, por exemplo, o estabelecimento de um hospital de apoio ao combate no Camboja”, disse ele.

No entanto, as garantias sobre a presença militar “benigna” dos EUA não tem valor. Como é o caso com as Filipinas, novas implantações de tropas e equipamentos norte-americanos são realizadas com cautela a fim de não causar imediatamente oposição a esta presença militar. No caso do Camboja e Vietnã, mortes e destruição nos dois países causadas pela guerra neolonial de Washington na década de 1960 e 1970 estão profundamente gravadas na consciência popular.

Washington já desfruta estreitas relações diplomáticas, econômicas e militares com o Vietnã, incluindo suporte para a sua posição nas várias disputas territoriais com a China no Mar do Sul da China. Os EUA levantou o embargo à venda de armas para o Vietnã, realizou exercícios militares com o país e busca um melhor acesso às suas instalações portuárias. No entanto, a colocação de depósitos de armas do Exército dentro do Vietnã, pela primeira vez desde a derrota e retirada de tropas norte-americanas em 1975 marcou um ponto de viragem na cooperação do regime vietnamita com o imperialismo americano.

O Governo em Pequim está ainda mais preocupado com a decisão do Camboja de receber equipes militares dos Estados Unidos. O regime cambojano mantêm laços estreitos com a China e tentou bloquear os esforços para pressionar a Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) a adotar uma postura mais agressiva no sentido de Pequim em relação ao diferendo sobre as ilhas do Mar da China do Sul.

No entanto, os EUA tem desenvolvido laços de defesa com o Camboja desde 2006. Estes incluem o campo de treinamento, os direitos para executar escalas e exercícios conjuntos. Washington também tem explorado a Iniciativa Mekong sul para criar uma rivalidade entre Camboja, Vietnã, Laos e Tailândia, por um lado, e China, que construiu barragens na parte superior do rio Mekong, por outro.

Os acordos militares com as Filipinas, Vietnã e Camboja são, além de estacionamento de navios de guerra em Cingapura e no reforço de uma cooperação militar mais estreita com a Indonésia e a Malásia.

A rápida expansão da presença militar dos EUA no Sudeste Asiático acontece paralelo à reestruturação das bases permanentes militares norte-americanas na Coreia do Sul, no Japão e em Guam e os preparativos para o estacionamento de bombardeiros estratégicos de longo alcance no norte da Austrália.

Este reforço militar os EUA é parte de “mudança para a Ásia” que a Administração Obama tinha anunciado oficialmente em 2011. É uma estratégia global diplomática, econômica e militar, o que aumentou as tensões em toda a região e, especialmente, por causa das ações provocativas dos EUA no Mar do Sul da China.

Durante uma recente viagem a Canberra, o almirante Scott Swift, chefe da Frota do Pacífico dos Estados Unidos, lançou uma nova ameaça para a China dizendo que “a liberdade dos mares” é “cada vez mais vulnerável​​… por causa dos sinais inegáveis da militarização de alguns países da região que não tem precedentes por seu tamanho e escala”.

O cinismo destas demonstrações não conhece limites. A Marinha dos EUA não só fez duas operações de “liberdade de navegação” em águas chinesas, mas também enviou um porta-aviões nuclear, o USS John C. Stennis, com seu grupo de ataque associado, ao Mar do Sul da China durante quatro dias para realizar exercícios e patrulhas. Durante o último quarto de século, os EUA violaram o direito internacional através da realização de uma sucessão continua de guerras, intervenções militares e provocações.

Hoje, Washington se prepara para uma guerra em grande escala mais terrível com a China a pressionar todos os países da região a prosseguirem as suas políticas anti-chinesas. A visita de Swift a Canberra coincide com uma campanha concertada para pressionar o governo australiano para levar a cabo a sua própria campanha de “liberdade de navegação” no Mar do Sul da China, uma ação militar imprudente envolvendo o risco de um erro de cálculo que pode provocar um conflito em larga escala.


Autor: Peter Symonds

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Almanar

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA