América: a nação mais assustada na Terra.


COMPARTILHE NA REDE SOCIAL |

A América é bem excepcional. É a nação mais assustada na Terra, sujeita a propaganda histérica ao longo de décadas que advertem sobre os inimigos estrangeiros e ideologias. Não é de se admirar que sua suposta liberdade democrática está tão terrivelmente em má forma, enquanto a população predominante é aprisionada pelos seus governantes em uma gaiola virtual de medo.

Paradoxalmente, porém, a dissonância da suposta liberdade não poderia ser mais abismal. Numa conferência de imprensa no festival de cinema de Cannes na semana passada o ator cinematográfico americano George Clooney deixou de falar acerca de seu último filme para falar sobre o candidato presidencial republicano Donald Trump. Clooney, que é bem conhecido por sua marca liberal da política norte-americana e um grande apoiante da candidata democrata Hillary Clinton, previu que o magnata de direita Trump não iria ganhar a próxima eleição presidencial de novembro.

Clooney dispensou Trump com um medo demagogo de disseminação e tensões de divisão ao longo de linhas raciais e xenófobas. O que é certamente razoável. De interesse aqui não é tanto o ponto de vista do ator sobre as chances do sucesso político de Trump. Pelo contrário, é a premissa de Clooney de que os americanos não iriam sucumbir ao tráfico de medo reacionário.

Sentado na conferência de imprensa ao lado de sua co-estrela americana, Julia Roberts, e da diretora de cinema, Jody Foster, Clooney disse à sua audiência em Cannes: “Não temam, vamos dirigir o nosso país… não temos medo de nada”.

Bem, desculpe George, mas você está absolutamente errado quanto a isso. O medo é o condutor emocional fundamental na política americana desde, pelo menos, a Segunda Guerra Mundial, e provavelmente décadas antes disso também.

Ao contrário das bravatas de Clooney, os americanos estão com muito, muito medo.

O maior bicho-papão para o público norte-americano era a União Soviética, cujo espectro dominou a política americana por quase 50 anos. Este espectro foi evocado novamente através do lançamento da Rússia e seu presidente Vladimir Putin com a intenção de “ressuscitar a União Soviética”.

Foi Hillary Clinton – campeã política de Clooney – que fez a acusação ridícula e historicamente analfabeta de que Putin é o “novo Hitler”. Muitas outras figuras políticas dos Estados Unidos seniores e a mídia ocidental, desde então, correram como um rebanho no mesmo modo a demonizar o líder russo.

O consenso inquestionável em Washington, do presidente Barack Obama ao seu secretário de Relações Exteriores, John Kerry, e de figuras do Congresso seniores aos chefes do Pentágono, é de que a Rússia é uma ameaça existencial para a segurança global.

O novo chefe militar da OTAN da América, General Curtis Scaparrotti, alertou que a aliança liderada pelos Estados Unidos deve estar preparada para ir para a guerra contra a Rússia, a qualquer momento devido à alegada agressão russa para a Europa Oriental e os Estados bálticos.

A Guerra Fria foi assim reabilitada um quarto de século desde que a União Soviética se dissolveu. Como nos tempos antigos, o medo é uma vez mais alimentando pela política norte-americana. Consistentemente, há base objetiva insignificante para este fenômeno de massa. A Rússia de hoje não é uma ameaça aos seus aliados da OTAN dos Estados Unidos ou, tal como a União Soviética não foi uma ameaça.

As alegações bombásticas sobre a “anexação” e “invasão” russa da Ucrânia são factualmente tênues, espúrias ou desprovidas. As reivindicações não resistem a uma análise. Mas isso dificulta a questão. E a questão é que a falsa narrativa – propaganda – de uma suposta malevolência russa é amplificada e repetida uma e outra vez nas mídias ocidentais “independentes”, e tal como foi a técnica da Grande Mentira do spinmeister nazista Josef Goebbels.

Os EUA e seus aliados ocidentais, com a ajuda de meios de comunicação flexíveis, de fato são capazes de construir a sua própria “realidade” falsa. Não é a realidade objetiva. É uma “realidade” subjetiva, delirante, aquela em que as nações ocidentais são retratadas a estar sob ameaça de uma perseguição, salivando o inimigo na forma de Rússia.

O medo é uma poderosa alavanca para o controle sobre as populações, como o autor inglês George Orwell intensamente percebeu. Obtenha do público o temor por suas vidas a partir de um inimigo externo, e eles vão ser facilmente manipulados a aceitar a autoridade, não importa quão draconiana e ilegítima seja a autoridade. O medo é a chave para entregar os direitos democráticos e submeter-se a uma gaiola.

A partir do final da Segunda Guerra Mundial, em 1945, o Ocidente imediatamente necessitou da Guerra Fria com a União Soviética como um baluarte contra o desenvolvimento mais progressista, democrático dentro de seus próprios países. O escritor americano David Talbot, em seu livro O tabuleiro de xadrez do diabo, mostra claramente como Wall Street, Pentágono e políticos inclinados ideologicamente foram capazes de construir o complexo militar-industrial monstruoso e seu consumo gigantesco de recursos econômicos para o enriquecimento de uma classe dominante elite – baseado na angústia da Guerra Fria e na trepidação sobre a “malvada União Soviética”.

A relação gastos militares e mortes causadas pela violência. Em laranja como é. Em verde como deveria ser. O eixo horizontal (x) representa a despesa militar de 2011 a 2014. O eixo vertical (y) o número de mortes causadas pela violência a partir de 2011. Clique na imagem para ampliar.

Quando uma minoria de céticos, de forma mais independente políticos inteligentes, autores ou artistas questionaram as afirmações da Guerra Fria foram imperativamente condenados ao ostracismo como “vermelhos”, “traidores” ou até mesmo assassinados pelo complexo militar-industrial, como David Talbot argumenta convincentemente, no caso do Presidente John F. Kennedy.

Esta distorção perversa e desperdício de recursos econômicos dos EUA – US$ 600,000 milhões de orçamento militar ano após ano ofuscando todas as outras necessidades sociais – é projetada precisamente através do medo. O poder militar norte-americano pode deve ser supremo e inviolável, a fim de “defender” ou “proteger” os interesses vitais e os de seus aliados de “ameaças existenciais”. A Rússia, e em menor grau a China, continua a ser designada no papel de ameaça global.

Para este fim, os americanos foram submetidos a um programa psicológico implacável – eufemisticamente referido como “notícias” – durante as últimas sete décadas. Os europeus também. Talvez em toda a Europa a mídia britânica seja a mais tóxica e reacionária quando se trata de demonizar a Rússia.

A manipulação da opinião pública ocidental é flagrante. As reclamações contra a Rússia são absurdas, mas surpreendentemente a manipulação, a um grau, bem-sucedido.

No entanto, a dominação pelo medo não é tão onipotente como foi antes. Durante a Guerra Fria, o público ocidental eram muito mais suscetíveis à representação do “mal” em forma de ameaça Soviética.

Isto já não é o caso. Os meios de comunicação ocidentais têm sido desacreditado sobre fabricando mentiras, como o pretexto para a guerra de Bush-Blair sobre o Iraque e outras operações criminosas de mudança de regime lideradas pelos EUA, incluindo a Líbia, Síria e Ucrânia. Hoje, os cidadãos ocidentais têm mais acesso às fontes de informação alternativas, incluindo meios de comunicação russos e saídas críticas de notícias na internet dentro de seus próprios países. A técnica Grande Mentira, embora ainda potente, não é tão eficaz como foi antigamente.

Este novo desenvolvimento histórico da consciência pública se reflete no crescimento, no descontentamento popular em toda a Europa em relação aos governos que são vistos por estarem servilmente virando a política de agressão de Washington contra a Rússia. Os cidadãos estão com raiva, questionando por que eles são feitos para aceitar a austeridade econômica enquanto as sanções lideradas pelos EUA contra a Rússia estão atingindo seus empregos, as empresas e as receitas de exportação. Os cidadãos estão justamente furiosos, por que lhes é dito que não há recursos financeiros para os serviços públicos e infra-estrutura, enquanto bilhões de dólares são bombeados para as forças da OTAN para provocar de forma imprudente tensões com a Rússia.

Claro, as anomalias nas prioridades governamentais ocidentais no que diz respeito à satisfação das necessidades públicas são ridículas, injustificáveis e insustentáveis. E a única maneira pela qual os governantes ocidentais podem ir longe com essa negação absurda de realidades democráticas é jogar o fator medo. Em lugar algum o fator medo foi jogado mais do que nos EUA – ironicamente, a nação que proclama aos quatro ventos ser excepcional, livre e democrática.

George Clooney faria melhor se ateasse ao cinema, onde seu heroísmo e bravura brilham maior que ao vivo – na ficção. “O povo americano não têm medo de nada”, afirmou na vida real. George, com respeito, as pessoas do seu país são as mais amedrontadas do planeta; e o sistema de lavagem cerebral é tão bom, que você e elas nem sequer sabem disso. Na verdade, nem sequer tem noção da manipulação grosseira.

Autor: Finian Cunningham, Fundação Strategic Culture

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: New Eastern Outlook

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA