A arrogância do governo dos EUA sobre a Rússia: cutucando o Urso.


COMPARTILHE NA REDE SOCIAL |

“Penso que seja o início de uma nova guerra fria. Acho que os russos vão gradualmente reagir muito negativamente e isso afetará suas políticas. Acho que é um erro trágico. Não havia razão para isso tudo. Ninguém estava ameaçando ninguém.” – George Kennan

Há provocações perigosas ao longo da fronteira ocidental da Rússia e receberam pouca cobertura ou de forma extremamente unilateral pelos meios de comunicação nos EUA. Assim, o público norte-americano não tem conhecimento da possibilidade de um grande conflito entre duas potências com armas nucleares a ocorrer devido a um acidente ou má interpretação. A génese desta situação atual remonta da história antiga a 1989 e a queda do Muro de Berlim.

Após a queda, os EUA, juntamente com o líder da Alemanha Ocidental, Helmut Kohl, empurrou as Alemanhas Oriental e Ocidental para a reunificação. A União Soviética permitiu a reunificação com base na promessa feita pelo secretário de Estado americano, James Baker, (sob o presidente H. W. Bush). Baker disse que, se os soviéticos permitissem a reunificação, a OTAN não se expandiria “uma polegada” mais a leste.

Esta promessa foi fundamental para os soviéticos que se lembram das devastadoras invasões anteriores por nações da Europa Ocidental. Por exemplo, durante a Segunda Guerra Mundial as estimativas são de que a União Soviética perdeu mais de 26 milhões de pessoas, cerca de 13% da sua população de 1939. A União Soviética esteve, assim, compreensivelmente preocupada com um grupo militar possivelmente hostil se aproximando de sua fronteira.

Após a dissolução da União Soviética, os EUA tinham poder militar sem contestação. Perante esta situação, o estabelecimento em Washington aumentou o risco de uma nova guerra fria e a possibilidade de uma eventual guerra com a Rússia. O presidente Bill Clinton iniciou este processo, quando, em violação da promessa feita aos soviéticos, apoiou o alargamento a leste da OTAN.

Em 1996, George Kennan, arquiteto da política de contenção dos Estados Unidos contra a União Soviética após a Segunda Guerra Mundial, advertiu que a expansão da OTAN em antigos territórios soviéticos seria um “erro estratégico de proporções potencialmente épicas.” Em 1998, Thomas Friedman, solicitado da reação de Kennan para a ratificação do Senado para a expansão da OTAN ao leste. Kennan disse: “Penso que seja o início de uma nova guerra fria. Acho que os russos vão gradualmente reagir muito negativamente e isso afetará suas políticas. Acho que é um erro trágico. Não havia razão para isso tudo. Ninguém estava ameaçando ninguém.”

Infelizmente, os presidentes Clinton, George W. Bush e Barack Obama falharam ao escutar a sabedoria de Kennan e continuaram a expansão da OTAN para o leste. Dado o estado enfraquecido da Rússia na década de 1990, o establishment político pensou haver pouco risco. No entanto, enquanto os EUA estavam a destruir o Iraque e o Afeganistão, a Rússia reconstruiu suas forças armadas. Cego pela sua arrogância, o establishment político norte-americano demorou a entender o impacto do renascimento de um rival forte.

Em abril de 2008 em uma cúpula da OTAN em Bucareste, a OTAN adia temporariamente a discussão sobre a adesão da Geórgia e da Ucrânia. Na cúpula, o presidente russo Vladimir Putin se opôs fortemente a adesão na OTAN para ambos os países na fronteira da Rússia, vendo a sua adesão como uma ameaça à segurança.

Reforçando este ponto, mais tarde, em 2008, a Rússia usou a força militar para proteger duas províncias separatistas da Geórgia com o objetivo de impedir a Geórgia de ingressar na OTAN. Apesar da ação de alerta e militar forte de Putin, após a eleição do presidente ucraniano, Viktor Yanukovych em 2010, os EUA aumentaram o seu apoio aos ucranianos que favoreceu as conexões com o Ocidente.

Remover Yanukovych, que se opôs adesão à OTAN, foi o primeiro passo. Em fevereiro de 2014, após meses de protestos não-violentos, Yanukovych chegou a um acordo, mediado por chanceleres da UE, com a oposição política não violenta para eleições antecipadas. No entanto, imediatamente após este compromisso, membros mais à direita usaram de violência e intimidação para expulsar Yanukovych. George Friedman, CEO da Stratfor, uma empresa norte-americana conhecida como a “Sombra da CIA”, disse: “Realmente foi o golpe mais flagrante na história.”

Em resposta, no final de fevereiro e início de março de 2014, a Rússia havia implantado algumas das suas forças já na Crimeia sob um tratado e assumiu o controle, realizou uma votação que mostrou um apoio esmagador para a reunificação com a Rússia, e depois houve anexação da Crimeia. Os resultados de uma votação nesta situação podem ser suspeitos. No entanto, é provável que um voto efetuado sem a presença das tropas russas teria produzido resultados semelhantes. Os EUA também alega que a Rússia forneceu apoio militar para os ucranianos em áreas separatistas que se opuseram ao golpe da extrema-direita. Houve inicialmente intensos combates nessas áreas separatistas. Mesmo que tenha havido acordos de cessar-fogo, ataques do governo de Kiev continuam hoje com neonazistas desempenhando um papel importante na violência contra os opositores do golpe.

Desde estes eventos, os EUA e a OTAN elevaram as apostas, colocando sistemas de armas adicionais e pensando em rotacionar milhares de tropas adicionais na Europa Oriental. Os EUA e a OTAN alegaram que suas ações foram desencadeadas por ações da Rússia na Crimeia e nas áreas separatistas. Em resposta a esses movimentos, a Rússia anunciou planos para criar três novas divisões.

A postura continua por ambos os lados. Durante os exercícios militares dos EUA com a Polônia no mar Báltico, em abril de 2016, dois jatos russos desarmados chegaram perigosamente perto do USS Donald Cook, um destróier de mísseis guiados. Somando-se a tensão, a OTAN concluiu recentemente exercícios militares na região do Mar Báltico e também um exercício militar maciço com cerca de 30.000 tropas na Polônia. Os EUA também tem implantado temporariamente um míssil teleguiado, o USS Porter, até o Mar Negro num breve passeio por lá.

Um erro ou má interpretação poderia desencadear um conflito que ninguém quer. Tendo em conta esta possibilidade, por que os EUA continuam ao longo deste caminho, quando a expansão da OTAN não é vital para a segurança dos Estados Unidos? De particular importância e relevância, lembre-se que essa expansão é uma violação de uma promessa dos EUA, de não expandir a OTAN para o leste. Dado que a Rússia encara a expansão como uma grande ameaça à sua segurança, Putin e Rússia não podem recuar. Surpreendentemente, quando precisamos de estadistas, os gênios do nosso establishment político acham que provocando outra potência nuclear é uma política sã. Se este estabelecimento não enfrentar a realidade em breve, os piores temores de Kennan podem se realizar.


Autor: Ron Forthofer

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: AntiWar

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA