A Rússia e a disputa Ilhas Curilas com o Japão: A perspectiva russa.


COMPARTILHE NA REDE SOCIAL |

As Ilhas Curilas representam um dos muitos postos defensivos exteriores da Rússia, quer fora das suas fronteiras contíguas (como no caso de Kaliningrado), as fronteiras nacionais (Armênia, Tadjiquistão, por exemplo), e até mesmo a massa de terra continental eurasiana (Novaya Zembla e, é claro, as Curilas). Cada um deles desempenha um papel específico na postura defensiva e de dissuasão maior, e cada um tem suas peculiaridades.

As Curilas não são uma exceção. Para começar, elas ainda são parte de um território contestado, desde que o Japão continuamente estabeleu uma reivindicação sobre elas a partir do fim da 2ª Guerra Mundial, que não concluiu com um tratado de paz Rússia-Japão, que poderia ter abordado o seu estado final. No entanto, não há nenhuma possibilidade destas ilhas retornarem ao Japão.

Primeiro de tudo, o exemplo de expansão da OTAN na Europa deixou claro que qualquer negócio russo “imobiliário de pedaços de papel” é realmente uma má idéia, pois os EUA e seus aliados têm mostrado um padrão de ignorar os seus compromissos o mais rapidamente conforme uma oportunidade se apresenta. Não há nenhuma indicação de que qualquer um no Kremlin gostaria de reaprender a lição, e não parece haver qualquer coisa tangível que Tóquio poderia oferecer a Moscow para compensar a perda das Curilas que seja mais importante para a segurança da Rússia do que para a do Japão.

As Ilhas Curilas representam coletivamente uma barreira que separa o Oceano Pacífico, a partir do Mar de Okhotsk, portanto, o controle do Japão sobre o arquipélago teria por efeito engarrafar a frota russa do Pacífico e minar a dissuasão estratégica submarina baseada no Pacífico.

Mesmo que o Japão reivindicasse apenas as ilhas mais meridionais da cadeia, como Iturup e Kunashir, na prática, não há garantia contra futuras reivindicações japonesas contra outras ilhas na cadeia por razões históricas semelhantes, que passaria a ser reforçado pelo precedente de Iturup e Kunashir ter retornado à soberania japonesa.

O fato de que o Japão juntou-se às medidas restritivas econômicas lideradas pelos EUA contra a Rússia, naturalmente, significava uma resposta da Rússia, não só no domínio econômico mas também militar. As Ilhas Curilas, que são protegidas pela 18ª Divisão de artilharia-metralhadora com cerca de 3500 tropas, tiveram seu status elevado como parte tanto da resposta à pressão da economia japonesa em relação à Rússia e ao “pivoteamento” dos EUA para a Ásia, que, embora principalmente destinado à China, no entanto, ameaça potencialmente os interesses russos também.

Por estas razões, as Ilhas Curilas estão passando por uma transformação no campo econômico, a fim de aumentar a sua utilidade para a economia russa como um todo, mas principalmente para fim militar, se necessário, eles podem resistir a um esforço combinado japonês e/ou norte-americano para agarrá-la através de um ataque surpresa “coup de main“, e servir como uma plataforma para a projeção de força no Oceano Pacífico, onde as forças aeronavais russas seriam capazes de prestar assistência à China, em suas próprias disputas territoriais com o Japão, EUA e Filipinas sobre o estatuto das ilhas do Mar da China Meridional.

Essas atualizações incluem a reorganização da Divisão 18, a re-equipagem com sistemas de armas modernas, a atribuição de um batalhão de tanques, de forma permanente, e a implantação de sistemas de defesa aérea Pantsyr, Tor e Buk, o fornecimento de infra-estrutura para o S-400 a ser implantado lá em tempos de crise. O componente aéreo da guarnição das ilhas incluirá helicópteros de ataque naval Ka-52K originalmente encomendados para os navios Mistral, que serão baseados na Península de Kamchatka e implantados para as ilhas numa base rotativa.

Não há indicações no momento de ter em bases aeronaves de asa fixa nas ilhas permanentemente, uma vez que as ilhas estão dentro do alcance de caças de longo alcance baseados em terra, e qualquer aeronave com base na Curilas seria vulnerável a um ataque de surpresa, devido à incapacidade para dispersá-los para aeródromos secundários. A guarnição vai, no entanto, incluir baterias de mísseis anti-navio em terra, incluindo sistemas de Bal e Bastion, este último armado com mísseis supersônicos Oniks.

Para além da sua importância militar, estas preparações estão destinadas para enviar a Tóquio uma mensagem que, ele deve estar interessado em um tratado de paz com Moscow, esse tratado deve ser assinado mais cedo ou mais tarde, quando as capacidades militares das ilhas se tornarem verdadeiramente formidáveis, e que, em qualquer caso, o acordo Rússia-Japão irá incluir qualquer redefinição das fronteiras internacionais.

Autores: J. Hawk, Daniel Deiss, e Edwin Watson

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: GlobalResearch.ca

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA