O Novo Oriente Médio: Sai a América entra a Rússia.


COMPARTILHE NA REDE SOCIAL |

É o gênio finalmente fora da garrafa?

Uma miríade de eventos aparentemente não relacionados e pontas soltas estão a convergir de uma forma que aponta na direção de uma grande vitória para a diplomacia russa no Oriente Médio, e nós só precisamos ligar os pontos para ver este cenário se desenrolando.

Que pontos, pode-se perguntar?

Henry Kissinger fez isso lei para a América: proteger Israel. Em suas viagens de diplomacia indo e vindo até o acordo de Camp David, Kissinger tem basicamente removido a URSS da posição de uma superpotência e um parceiro-chave na mesa de negociações entre árabes e israelenses e reduzido o seu papel a nada. O desmantelamento consequente da URSS e o surgimento da chamada “Nova Ordem Mundial” significava que Israel estava a manter sua superioridade militar.

No entanto, com a ascensão do Eixo da Resistência, em geral, e o Hezbollah, em particular, a fronteira militar técnica de Israel não tem conseguido fornecer a Israel qualquer segurança real. Por uma questão de fato, parece ter feito exatamente o oposto. Israel nunca jamais esteve sob o tipo de ameaça existencial que enfrenta agora, com um número estimado de centenas de milhares de mísseis do Hezbollah, se não mais, prestes a atingir alvos israelenses, tanto quanto Eilat.

E porque a América que tinha sido parcialmente um apoiante de Israel por tanto tempo, perdeu a sua estatura como um árbitro não-partidário e mediador. Na realidade, portanto, enquanto a América tentou tão firme quanto possível permitir a Israel impor a sua própria paz, nos seus próprios termos, na prática, não foi capaz de fornecer Israel com qualquer paz sob os termos de ninguém.

Desligado da Síria.

A Síria tem sido um impasse em uma guerra por mais de cinco anos. A intervenção russa que começou no final de setembro de 2015 levou o conflito, pela primeira vez, em uma direção na qual o Governo sírio e seus aliados ganharam a vantagem clara.

Então, e na altura da operação militar, e, aparentemente, apenas um pouco antes de atingir e declarar vitória, a Rússia declarou subitamente um grande saída e, eventualmente, um cessar-fogo. Muitas questões foram levantadas, e até mesmo o aliado incondicional e extremamente experiente da Rússia, o próprio chefe do Hezbollah Nasrallah questionou publicamente em um recente discurso a lógica por trás da atitude da Rússia e perguntou: “Quem se beneficiou do cessar-fogo?” Nasrallah estava, obviamente, referindo-se ao fato de que a frente Al-Nusra e outros grupos aproveitaram o cessar-fogo para fortalecer suas posições e até mesmo ganhar algum território em algumas regiões.

Na medida em que a intervenção russa na sua velocidade, precisão e eficácia surpreendeu o mundo, especialmente a OTAN, foi assim também a retirada e o cessar-fogo. Por que o Presidente Putin de repente decide escalar para baixo a ofensiva militar, foi uma pergunta que muitos analistas pediram e tentaram fazer especulações sobre.

Os analistas míopes, especialmente aqueles que amam odiar a Rússia, encontraram nisto uma oportunidade de ouro para atacar a Rússia e acusar o Presidente Putin de recuar e deixar a Síria. Mas será que Putin realmente desistiu depois de ter colocado sua reputação política global sobre a linha? Ele estava realmente esperando que os americanos viessem limpar e trabalhar com ele para identificar quem é quem no terreno? Será que ele desistiu depois de vidas russas serem perdidas tanto na Síria e no acidente trágico com o avião no Sinai, e que foi feito em retaliação à ação militar da Rússia na Síria? Correria o risco de Putin ser visto de forma negativa por seu próprio povo, depois de ter subido para o nível de um salvador e herói? Por último, mas não menos importante, Putin deixaria a Turquia, e Erdogan especificamente, “impune” depois de a Turquia deliberadamente haver derrubado um avião russo e matado seu piloto?

A resposta coletiva e individual a todas as perguntas acima é um NÃO categórico. Então, por que Putin fazer isso? Não parecia haver nenhuma resposta clara; pelo menos por um tempo.

E, claro, não podemos mencionar a Turquia, sem permitir que o trem de eventos pare na estação turca para uma análise muito minuciosa.

Na minha análise do fracasso da “guerra contra a Síria”, o que efetivamente começou a tomar forma nos últimos dois anos ou mais, e especialmente após o surgimento do Daesh, eu vinha reiterando que os diferentes elementos do “coquetel anti-síria” que foram empacotados juntos, unidos apenas por seu ódio pela Síria e seu presidente, perceberam que eles eram incapazes de ter seu sonho coletivo materializado. Assim, eles recorreram a perseguir seus próprios sonhos individuais e/ou implementar alguns planos de contingência. Nesse contexto, entre outras coisas, o Daesh declarou insubordinação aos seus antigos aliados e capturou campos de petróleo a fim de tornar possível seu auto-financiamento.

Quando Erdogan olhou para o Daesh, ele pode ver uma espada de dois gumes. E independentemente da política, a ideologia fundamentalista de Erdogan não é muito diferente da do Daesh, e de acordo com esta doutrina, colocando tudo de lado, os membros do Daesh são considerados como irmãos. Além disso, o fato de que o Daesh e os curdos estavam em conflito era algo que Erdogan não poderia ignorar. O medo do fator curdo de Erdogan é muito elevado, e o fato de que a América estava ajudando algumas facções curdas irritou Erdogan a um extremo. A américa não pode ser um amigo da Turquia e dos curdos, ao mesmo tempo, Erdogan disse em muitas ocasiões, tanto direta como indiretamente.

Ao mesmo tempo, a frustação dos Estados Unidos com Erdogan estava crescendo muito, e por sua vez, desempenhou o seu próprio jogo de gato e rato dentro do triângulo Daesh-curdo-turco; favorecer qualquer lado num momento que fosse conveniente e adequado para sua agenda.

Mas para Erdogan, a questão tornara-se muito crítica. A Turquia está agora sob ataque com uma série de explosões acontecendo aqui e ali; alguns supostamente perpetrados por curdos e outros pelo Daesh. Não só tem a aposta de Erdogan na Síria falhado, mas ele trouxe o conflito para casa; pelo menos parcialmente, e o boom econômico e a política de “zero problemas” que coroou seus primeiros anos de poder foram todos sendo erodidos pelo atoleiro que Erdogan se encontrava.

Para tornar pior para Erdogan, depois do Su-24 derrubado da Rússia em novembro de 2015, ele estava esperando o apoio da OTAN, mas a resposta da OTAN foi clara e breve. Foi-lhe dito que ele precisava resolver seus próprios problemas com a Rússia.

Ele tentou usar os refugiados como um trunfo, mas isso não poderia ir longe o suficiente. Além dos poucos bilhões de dólares que lhe foram dadas pela UE, que é, em termos relativos um suborno mesquinho, Erdogan foi incapaz até mesmo de conquistar a aspiração de longa data da Turquia de se tornar um membro da UE.

Erdogan viu-se encurralado, abandonado, sob ataque, enfrentando severas sanções russas e uma crise econômica. Ele precisava de uma estratégia de saída; uma saída de problemas e em uma totalmente nova era.

Nesse meio tempo, o primeiro-ministro Netanyahu de Israel fez um número sem precedentes de viagens para Moscow. Por quê? Muitos perguntaram.

A poeira ainda nem começara a se estabelecer ainda, mas há marcadores que indicam que estamos prestes a ver uma grande mudança na política, nos conflitos e nas alianças do Oriente Médio.

Estamos agora a ouvir declarações turcas formais acusando os EUA de tramar a recente tentativa de golpe fracassado. A Turquia tem ainda imposto um bloqueio na base em Incirlik, uma base aérea da OTAN, onde o estoque da América acumula armas nucleares, e chegou mesmo a cortar o fornecimento de energia para a base. Isto equivale a declarar insubordinação a OTAN. Quando Erdogan disse que o golpe foi um “presente de Deus” para limpar o exército, ele poderia muito bem ter também dito que era um presente de Deus para ele mostrar seu ressentimento para com os EUA.

Também ouvimos contra-rumores de que Erdogan tem encenado o golpe fracassado a fim de limpar os militares a partir de elementos que não são leais a ele. Embora este cenário não possa ser confirmado ou refutado, Erdogan não tem medido tanto suas palavras ou suas ações em relação ao seu chefe na OTAN, os EUA.

É importante notar aqui que nas últimas semanas, Erdogan e Netanyahu se compuseram, e, além disso, a relação turco-russa foi normalizada. Erdogan foi visto a fazer uma volta, e talvez uma meia-volta no que diz respeito às suas políticas na Síria, mas para que fins?

Para qualquer um conseguir uma vitória decisiva na Síria, a cidade de Aleppo é a chave. Quem assumir o controle total de Aleppo vai ganhar a guerra. A coligação sírio-russa tem a vantagem de vencer a batalha de Aleppo, mas a que custo civil? A outra maneira de ganhar é trazer Erdogan até os joelhos; e isso parece ser o que aconteceu. Se Erdogan selar as fronteiras da Turquia, os terroristas serão condenados.

Se tivéssemos que ligar os pontos principais acima, ignorando muitos outros pontos menores que não precisam ser discutidos individualmente, só podemos ver um plano de mestre arranjado pelos russos no Oriente Médio vindo a se concretizar.

O que coloca a Rússia na posição de ser capaz de reunir um plano desse tipo é o fato de que a Rússia é altamente respeitada e está em muito boas relações com todos os principais jogadores. Depois de remendar as relações com a Turquia, a Rússia está agora em condições muito boas, não só com a Turquia, mas também com a Síria, Israel e Irã. As políticas esteriores dos americanas imprudentes no Oriente Médio transformaram os Estados Unidos em uma força que não pode ser confiável, até mesmo por seus próprios aliados.

Putin é inflexível no combate ao terrorismo. Se ele é capaz de fazer isso ou não é outra história, mas estrategicamente falando, ele sabe muito bem que a luta militar contra o terrorismo não pode ser ganha, e muito menos bem conduzida, se outros intervenientes na região estão em um estado de conflito.

De acordo com esta análise, estamos a ponto de ver um plano russo em desdobramento, um plano que não só irá formar uma base para o fim da “Guerra sobre a Síria”, mas também aquele que vai buscar uma solução árabe/israelense.

O plano terá de basear-se em uma situação ganha-ganha para todas as partes envolvidas. Os sauditas (e Catar) serão os únicos perdedores. Eles vão provavelmente ser deixados de fora no frio e pendurados para secar. Ninguém realmente quer ou precisa apaziguá-los por mais tempo. Sua influência está encolhendo, e também os seus recursos. Se acontecer algo, a guerra contra o terror, se isso tomar forma sob um guarda-chuva russo, pode ter de enfrentar o patrocínio de Al-Saud (sauditas) para a propagação do radicalismo religioso.

A avalanche de eventos foi iniciada, e como está sendo mostrada nos EUA a porta de saída por seus aliados mais próximos, a Rússia está entrando como o único poder que tem a capacidade de resolver de longa data questões incómodas e limpar a bagunça da América.

Autor: Ghassan Kadi

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: The Saker.is

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA