Uma ferramenta de controle totalitário da CIA: Pokemon Go, o jogo que traz espiões para dentro de casa.


COMPARTILHE NA REDE SOCIAL |


Fabricante adverte oficialmente: “Nós cooperamos com agências do governo e companhias privadas. Podemos revelar qualquer informação a seu respeito ou dos seus filhos…” Mas quem é que lê isso?

Pode falar-me do “Pokemon Go”?

Já dei três entrevistas sobre isso, de modo que agora tenho de me aprofundar nas fontes primárias.

Programador do jogo: Niantic Labs. É uma start-up da Google. Os laços da Google com o Big Brother são bem conhecidos, mas irei um pouco mais fundo.

A Niantic foi fundada por John Hanke, o qual fundou a Keyhole, Inc. – um projeto de mapeamento de superfícies cujos direitos foram comprados pela mesma Google e utilizados para criar o Google-Maps, o Google-Earth e o Google Streets.

E agora, atenção, observe as mãos! A Keyhole, Inc. foi patrocinada por uma empresa de capital de risco chamada In-Q-Tel , que é uma fundação oficialmente da CIA estabelecida em 1999.

As aplicações mencionadas acima resolvem desafios importantes:

Atualização do mapeamento da superfície do planeta, incluindo estradas, bases [militares] e assim por diante. Outrora tais mapas eram considerados estratégicos e confidenciais. Os mapas civis continham erros propositais.

Robots nos veículos da Google Streets olhavam tudo por toda a parte, mapeando nossas cidades, carros, caras…

Mas havia um problema. Como espiar dentro dos nossos lares, porões, avenidas com árvores, quartéis, gabinetes do governo e assim por diante?

Como resolver isso? O mesmo estabelecimento, Niantic Labs, divulgou um brinquedo genial que se propagou como um vírus, com a mais recente tecnologia da realidade virtual.

Uma vez descarregada a aplicação e dadas as permissões adequadas (para acessar a câmara, microfone, giroscópio, GPS, dispositivos conectados, incluindo USB, etc) o seu telefone vibra de imediato, informando acerca da presença dos três primeiros pokemons! (Os três primeiros aparecem sempre de imediato e nas proximidades).

O jogo exige que você dispare para todos os lados, atribuindo-lhe prémios pelo êxito e ao mesmo tempo obtendo uma foto da sala onde está localizado, incluindo as coordenadas e o ângulo do telefone.

Parabéns! Acaba de registar imagens do seu apartamento! Preciso explicar mais?

A propósito: ao instalar o jogo você concorda com os termos do mesmo. E não é coisa pouca. A Niantic adverte-o oficialmente: “Nós cooperamos com agências do governo e companhias privadas. Podemos revelar qualquer informação a seu respeito ou dos seus filhos…”. Mas quem é que lê isso?

E há o parágrafo 6: “Nosso programa não permite a opção “Do not track” (“Não me espie”) do seu navegador”. Por outras palavras – eles o espiam e o espiarão.

Assim, além do mapeamento alegre e voluntário de tudo, outras oportunidades divertidas se apresentam.

Por exemplo: se alguém quiser saber o que está a ser feito no edifício, digamos, do Parlamento? Telefones de dúzias de deputados, pessoal da limpeza, jornalistas vibram: “Pikachu está próximo!!!” E cidadãos felizes agarrarão seus smartphones, ativarão câmaras, microfones, GPS, giroscópios… circulando no lugar, fitando o écran e enviando o vídeo através de ondas online…

Bingo! O mundo mudou outra vez, o mundo está diferente.

Bem vindo a uma nova era. 1

Pokemon Go é Totalitarismo, diz Oliver Stone.

Durante seu painel na Comic-Con, o diretor de ‘Snowden’ advertiu sobre os riscos à privacidade do videojogo popular e da internet em geral.

O diretor de cinema Oliver Stone tem apontado o famoso aplicativo de jogo Pokémon Go como um “novo nível de invasão” da privacidade que poderia levar ao “totalitarismo”.

O norte-americano expressou preocupações sobre o jogo e como ele promoveu na Comic-Con International seu novo filme, Snowden, sobre o consultor da Agência de Segurança Nacional, Edward Snowden, que revelou ao mundo os mecanismos de espionagem utilizados pelo governo dos EUA.

Depois que ele foi questionado sobre os problemas de segurança associados com Pokémon Go, Stone disse que as empresas estavam realizando o “capitalismo de vigilância”, monitorando o comportamento das pessoas.

E, aproveitando as circunstâncias, o diretor de Wall Street e Platoon aproveitou a oportunidade para avisar os nerds do mundo sobre a ferramenta definitiva de controle usada pelo totalitarismo moderno para obter seus dados pessoais e colocar sempre sob o olhar do Big Brother. Uma ferramenta chamada… Pokemon Go.

Segundo a revista Time, ele disse ao público na Comic-Con em San Diego: “Isso não é engraçado. O que está acontecendo é um novo nível de invasão.

“Os lucros são enormes aqui para o Google. Eles investiram uma enorme quantidade de dinheiro em mineração de dados para saber o que voce compra, o que gosta e como voce se comporta”. “Acabaremos vendo uma nova sociedade de robôs. “É o que algumas pessoas chamam de capitalismo de vigilância.” E ele acrescentou: “Vamos ver uma nova forma de, francamente, sociedade robô. É o que eles chamam de totalitarismo”, concluiu o diretor.

Pokémon Go, que é gratuito para download, tem enfrentado críticas sobre a possibilidade de acessar a toda conta do Google de um jogador, incluindo e-mail e senhas.

O fabricante do aplicativo, Niantic, insistiu que o movimento não foi intencional e tranquilizou os usuários ao dizer que não estava coletando todos os dados excepcionais.

Stone dirige Snowden, o filme, (com Joseph Gordon-Levitt e Shailene Woodley) que tem no papel principal Joseph Gordon-Levitt interpretando Edward Snowden, e inclusive visitou o ex-analista da NSA em Moscow, onde ele está no exílio.

Stone, que ganhou um Oscar de melhor diretor por Platoon, afirmou que cada grande estúdio de filme desprezou seu novo filme, forçando-o a encontrar financiamento na França e na Alemanha.

O filme Snowden, deverá ser lançado nos EUA em 16 de setembro. 2

Pokémon Go Invasão de Privacidade

Pokémon Go: O produto é VOCÊ

Antigamente realmente pagávamos pelo software. Lembra-se de quando tinha que atualizar para uma nova versão do Windows ou Microsoft Office cada ano ou algo assim? Naqueles dias, receber aplicações complexas de forma gratuita, como aquelas disponíveis para os smartphones de hoje era impensável.

Isso porque, até cerca de cinco anos atrás, o próprio software foi o produto a partir do qual os desenvolvedores fizeram o seu lucro. Não foi diferente com a venda de carros, frigoríficos ou qualquer outro produto complexo fabricado.

Não mais. Ainda pagaríamos uma taxa nominal a cada ano para “assinar” as atualizações de alguns produtos de software, mas muitos dos que nós usamos diariamente vêm totalmente gratuitos.

Não que sejam baratos para desenvolver – muito pelo contrário. O software de hoje é de magnitude mais complexa e poderosa do que o material para o qual foi utilizado para pagar centenas de dólares.

Isso porque o software de hoje não é a parte de geração de receita do modelo de negócio. Não é a coisa principal que está sendo vendido para o lucro.
Você é.

Cuidado com a entrega de gratuitos.

Ao longo dos últimos anos, tenho alertado repetidamente que a pirataria é apenas uma parte da ameaça da era digital. Menos óbvio – e mais insidiosa – é o processo pelo qual você está sendo transformado em uma mercadoria a ser negociada para o lucro das empresas cujos produtos que você usa.

Os exemplos mais conhecidos são grandes roupas online como redes sociais como o Facebook Google e. Ambos fornecem os seus serviços voltados para o usuário de forma gratuita. Ambos, no entanto, passam a maior parte de seus esforços não na melhoria desses serviços, mas em informações de colheita sobre você que pode ser vendido para o maior lance.

Meu exemplo favorito é o pobre rapaz que procurou no Google por “câncer pancreático”, e começou a ver anúncios on-line para casas funerárias. Outro é o pai que recebeu um mailer de alguma empresa com as palavras “filha morta em acidente de carro” impresso no envelope. Algum idiota tinha mal configurado o algoritmo de marketing, e os critérios de segmentação estavam sendo impressos em milhares de mailers.

Google e Facebook (e muitos outros) começaram a ganhar dinheiro com a venda de anúncios online microtargeted a terceiros, como aquelas casas funerárias. Mas eles rapidamente aprenderam que podiam fazer ainda mais dinheiro vendendo os dados que os anunciantes usam para fazer esse microtargeting. Números precisos são difíceis de encontrar, mas há informações de que as empresas de marketing tem aumento a receita de 200% a 300% usando esses dados, é seguro dizer que as grandes colheitadeiras de dados estão cunhando você, e vendendo-o a eles.

Pokémon Go leva isso um passo adiante. Ele não tem quaisquer anúncios em tudo. Para o usuário, ele aparece completamente ad-free. Mas os anunciantes ainda estarão pagando para chegar a esses usuários … de uma forma muito mais perigosa.

Destemidamente indo aonde nenhum App tem ido antes

Pokémon Go foi baixado 20 milhões de vezes nos EUA. Depois rolou para a Ásia e a Europa. O preço das ações da Nintendo aumentou mais de 50% em duas semanas. Pokémon Go já ultrapassou o Twitter em usuários ativos por dia e é mesmo aproximando-se do Facebook.

Enquanto o aplicativo é gratuito, os usuários podem fazer compras no aplicativo como iscas para atrair Pokémon para a sua localização ou “gaiolas” para mantê-los ali. No entanto, o jogo está prestes a desencadear uma das campanhas publicitárias digitais mais potentes na história… tudo com a venda de informações assustadoramente detalhadas sobre seus usuários.

Por exemplo, o aplicativo irá em breve oferecer “locais patrocinados” para parceiros pagantes. O Geotargeting e a tecnologia geofencing permitirá os anunciantes a definir edifícios alvos específicos e corresponder aos sinais a partir de dispositivos móveis. Os anunciantes vão saber exatamente onde você está e servi-lo com anúncios baseados em seu local precisamente – assim como aquela cena no shopping de Minority Report.

Ao pagar os desenvolvedores de Pokémon Go uma grande taxa, uma marca como McDonald (cujo logotipo já foi visto no código do Pokémon Go) será capaz de transformar suas lojas em locais desejáveis ​​no universo virtual Pokémon. Que vai chamar jogadores para esses locais, onde serão tentados a comprar o material “IRL” – na vida real. Os anunciantes serão cobrados em uma base “custo por visita”, semelhante ao “custo por clique” que Google cobra dos anunciantes.

Conseguir dados ‘de todos’

As notícias iniciais de que Pokémon Go coletaria as informações detalhadas de conta do Google, como o conteúdo de e-mails, parecem ter sido incorretas.

Mas os proprietários do aplicativo não precisam dessas coisas. Eles estão indo para algo maior. Eles querem saber a sua localização em todos os momentos para que eles possam vender essa informação pelo maior lance.

Mas existem dezenas de aplicativos de smartphones que fazem a mesma coisa. Eu estou tão preocupado com isso que eu estou planejando atualizar o meu relatório de privacidade para incluir uma lista dos aplicativos mais perigosos, e sempre que possível, como evitar seus perigos.

Louis Brandeis uma vez definiu privacidade como “o direito de ser deixado em paz.” Se é isso o que você quer, assim será até você garantir que isso aconteça.3

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fontes:
1 Autor: Sergey Kolyasnikov fort-russ.com
2 The Guardian
3 ValueWalk.com

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA