Rússia: “Quanto mais preciso são os nossos ataques contra o EI, mais os EUA nos critica”.


COMPARTILHE NA REDE SOCIAL |

O porta-voz do Ministério da Defesa russo, o general Igor Konashenkov, tem respondido às críticas de alguns funcionários norte-americanos em alegados erros nos objetivos dos ataques de Moscow contra o Estado Islâmico na Síria.

“As declarações de algumas pessoas que parecem ser os profissionais militares, como o representante oficial do Comando Central dos EUA, que disse que a maioria dos ataques aéreos russos visam a oposição síria moderada, não mudam, não importa o que acontece”, disse Konashenkov.

“E eles fazem, como sempre, sem provas, sem qualquer fato concreto e referindo-se a fontes anônimas”, acrescentou.

De acordo com o general, para começar a operação em grande escala contra a infra-estrutura terrorista em toda a Síria, Moscow estava pronto para a “próxima parcela” de mentiras dos meios de comunicação ocidentais desta vez com base nos dados de “falsos observatórios dos direitos humanos e outros escritórios de propaganda”, cita RIA Novosti.

Pilotos russos de aviões Su-34 na base do Hmeimim na Síria. / Sputnik / Dmitriy Vinogradov

Enquanto isso, observou Konashenkov, “após os trágicos acontecimentos de Paris sobre [a península egípcia] Sinai e Mali, poderiam ser mais cuidadosos com suas declarações.”

De acordo com o general, quanto mais precisos são os ataques da aviação russa “mais insistem os nossos parceiros no exterior tentando convencer o público de que nem todos os terroristas devem ser maus.”

“Talvez tudo seja tão refratado pelo oceano, mas na vida real, o terrorismo, como sabemos, não tem graus comparativos ou nacionalidade”, disse o representante do Ministério da Defesa para concluir que o terrorismo “é um mal absoluto que deve ser combatido em todas as suas manifestações”.

Dois dias, cerca de 500 objetos bombardeados.

Segunda-feira Konashenkov observou que a Força Aérea Russa atacou em dois dias 472 alvos terroristas nas províncias de Aleppo, Damasco, Idlib, Latakia, Hama, Homs, e Deir ez Zor Raqa.

Entre os alvos da aviação russa estão uma refinaria de armazenamento de óleo (50 quilômetros a sul da cidade de Raqa) e colunas de caminhões tanques pertencentes ao Estado islâmico.

O ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, tinha afirmado que os ataques aéreos russos sobre territórios sírios fizeram com que o grupo terrorista Estado Islâmico perdesse 60 toneladas de petróleo e 1,5 milhões de dólares por dia.

Em 30 de setembro o Senado russo aprovou a entrada em ação da sua Força Aérea na Síria. As autoridades do país tomaram esta decisão depois que o presidente sírio, Bashar al-Assad, pediu ajuda militar a Moscow para combater os terroristas. No mesmo dia, na sequência de coordenação com as autoridades sírias, aviões russos lançaram ataques aéreos contra as posições de EI.

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: RT.com

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA