Pentágono paga empresa de relações públicas para fazer vídeos do ISIS.


O Pentágono foi pego pagando meio bilhão de dólares a uma agência de relações públicas baseada no Reino Unido para criar falsos vídeos terroristas do ISIS (Estado Islâmico). Os vídeos terroristas falsos que foram filmados no Iraque foram descobertos pelo Bureau of Investigative Journalism.

Do original disponível em: www.neonnettle.com

A empresa de relações públicas de Bell Pottinger tem uma enorme quantidade de clientes controversos em seus livros, que incluem ditadores como a fundação de Augusto Pinochet e até mesmo o governo saudita.

Leia também: Síria tem gravação que prova a coordenação dos militares dos EUA com o Estado Islâmico.

RT relata: A empresa informou à CIA, o Conselho de Segurança Nacional e o Pentágono sobre o projeto com um mandato para retratar a Al-Qaeda em uma luz negativa e rastrear suspeitos simpatizantes.

Tanto a Casa Branca quanto o general David Petraeus, o ex-general que compartilhou informações classificadas com sua amante, assinou o conteúdo produzido pela agência.

A operação de Bell Pottinger começou logo após a invasão dos EUA no Iraque e foi encarregado de promover as “eleições democráticas” para a administração antes de passar para as mais lucrativas operações psicológicas e de informação.

O ex-funcionário Martin Wells disse ao Bureau como ele encontrou-se trabalhando no Iraque depois de ter sido contratado como um editor de vídeo por Bell Pottinger. Dentro de 48 horas, ele estava pousando em Bagdá para editar o conteúdo de “operações psicológicas” secretas em Camp Victory.

Leia também: Helicóptero dos EUA dá proteção a comboio do Estado Islâmico na Síria.

Os anúncios de televisão criados pela firma mostram a Al-Qaeda em uma luz negativa, bem como a criação de conteúdo para ser visto como se tivesse vindo da “TV árabe”. Apoiadores foram enviados para filmar atentados com vídeo de baixa qualidade. A empresa, então, editou o material para torná-lo parecido com noticiário.

Eles iriam criar roteiros para novelas árabes onde os personagens rejeitam o terrorismo com consequências felizes. A empresa também criou falsos vídeos de propaganda da Al-Qaeda, que foram plantadas pelos militares em casas que eles invadiram.

Os funcionários receberam instruções específicas para criar os vídeos. “Precisamos fazer com que este estilo de vídeo e temos de usar imagens da Al-Qaeda”, Wells disse. “Precisamos dele para ser de 10 minutos de duração, e ele precisa ser neste formato de arquivo, e nós precisamos de codificá-lo dessa maneira.”

Os vídeos foram criados para rodar no Real Player, que precisa de uma conexão à internet para funcionar. Os CDs foram embebidos com um código ligando ao Google Analytics que permitiu aos militares rastrear os endereços IP de onde os vídeos são reproduzidos.

De acordo com Wells, os vídeos foram apanhados no Irã, na Síria e nos EUA.

“Se uma, 48 horas ou uma semana depois, mostra-se em outra parte do mundo, então isso é o mais interessante”, explicou Wells. “E isso é o que eles estão procurando mais, porque isso dá uma pista.”

O Pentágono confirmou que a empresa de relações públicas trabalhou para eles sob a Força-Tarefa de Operações de Informações, Information Operations Task Force (IOTF) criando o conteúdo que dizem foi “verdadeiro”. A empresa também trabalhou sob a Joint Psychological Operations Task Force (JPOTF). O Pentágono disse que não poderia comentar sobre operações da JPOTF.

Leia também: Como o público se deixa enganar: EUA dá ao Estado Islâmico 45 minutos de avisos antes que os ataques ocorram.

A lei dos EUA proíbe o governo de usar a propaganda em sua população, daí o uso de uma empresa de fora para criar o conteúdo.

‘Existem pelo menos 6 razões para manter o nível de alerta a Europa em seu mais alto nível “- disse o chefe de contra-terrorismo da UE http://on.rt.com/7qbf

Documentos mostram que o Pentágono pagou US$ 540 milhões para Bell Pottinger em contratos entre 2007 e 2011, com outro contrato de US$ 120 milhões em 2006. A empresa terminou o seu trabalho com o Pentágono em 2011.

Em 2009, foi relatado que o Pentágono havia contratado a polêmica empresa de relações públicas, The Rendon Group, para monitorar a comunicação dos jornalistas incorporados com os militares dos EUA, para avaliar se eles estavam dando cobertura “positiva” para suas missões.

Também foi revelado em 2005 que empresa de relações públicas com sede em Washington, o Grupo Lincoln, tinha encontrado artigos em jornais no Iraque que foram secretamente escritos pelos militares dos EUA. Uma investigação do Pentágono cancelou o grupo de qualquer irregularidade.

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Real Strategy.com

Compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp http://wp.me/p26CfT-4co

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA