Sem Entusiasmo: Operações da OTAN na região do Mar Negro – um grande desconhecido para a OTAN.


A OTAN está se ativando nas fronteiras da Rússia. A Operação Guarda do Mar está começando no Mar Mediterrâneo e os exercícios militares Nobel 2016 estão começando na Geórgia.

Guardião do Mar.

Durante a última cúpula da OTAN, há menos de um mês, foi discutida em detalhes esta operação de monitorização do Mar Mediterrâneo com o objetivo oficial de combater a migração ilegal e informalmente para o reconhecimento perto da fronteira russa. No entanto, o início desta operação foi marcado por um escândalo.

A Turquia, que participava da operação com a sua fragata, recomendou aos seus “aliados” que não realizassem a operação perto das suas fronteiras, no mar Egeu, como foi planejado anteriormente. O ministro da Defesa da Turquia, Fikri Yshik, anunciou esta decisão durante a cúpula, acrescentando que a OTAN deve encerrar o programa em geral.

No entanto, neste momento, o Guardião do Mar reuniu três navios e três submarinos da OTAN, submarinos Grécia e Espanha, fragatas da Itália, Búlgaria e Turquia e aeronaves de patrulha da Grécia, Turquia, Itália, Espanha e Portugal.

Nobre Parceria.

Os exercícios de dez dias na Geórgia no território do Centro Conjunto de Formação e Avaliação OTAN-Geórgia em Krtsanisi também foram marcados por um grave escândalo, no centro do qual aconteceu o assassinato de um jovem cidadão da Geórgia pelas tropas da OTAN.

Sob pressão pública, o presidente da Geórgia Margvelashvili pediu uma investigação completa deste crime. A natureza dos ferimentos do jovem colocou em questão a opinião oficial de que ele havia atacado a sentinela. Aparentemente, o menino foi realmente morto a tiros na parte de trás do território da instalação militar.

Tudo isto certamente não ajudará a atingir o objetivo principal destes exercícios: a consolidação e expansão da cooperação entre a Geórgia e a OTAN.¹

Um grande desconhecido para a OTAN.

Os líderes romenos sonham que a Rússia seja atacada pela OTAN, e com a sua derrota irá recuperar os seus antigos territórios que pertenciam à Romênia. Apenas a Ilha da Serpente, Bessarabia do Sul (Budjak) e Bukovina do Norte pertencem à Ucrânia, e a Romênia como um membro da OTAN apoia incondicionalmente a Ucrânia. No contexto da OTAN, a Romênia ofereceu-se para proteger o exército ucraniano no domínio da segurança cibernética. Não é possível pedir à Ucrânia territórios romenos, embora alguns sejam de importância estratégica para a defesa da Romênia e o flanco leste da OTAN.

Por que a Romênia precisa de uma frota da OTAN no Mar Negro?

Outra estranha iniciativa do presidente romeno Iohannis foi pedir que a Convenção de Montreux seja violada através de uma presença permanente no Mar Negro de poderosos grupos navais da OTAN, compostos de navios de luta de Estados que não são desse litoral (EUA, Itália, França, Alemanha, Inglaterra, Canadá). A proposta da Romênia é rejeitada pela Bulgária, outro Estado ribeirinho do Mar Negro como a Romênia. A Convenção de Montreux de 1936 restringe a entrada através do Bósforo e Dardanelos dos navios de guerra dos Estados que não são do Mar Negro, que têm um deslocamento de mais de 10.000 toneladas. Se mais embarcações do mesmo país entram na OTAN no Mar Negro, a sua tonelagem total não deve exceder 45.000 toneladas. Esta proposta absurda da Romênia invoca a atitude agressiva da Rússia e foi retomada na cúpula de Varsóvia pelo presidente romeno sem ser atendida por outros participantes.

As iniciativas da Romênia provam a completa ausência de estratégias militares e que a Romênia faria qualquer coisa para desencadear um confronto militar com a Rússia. O argumento mais simples a favor desta afirmação é que no Mar Negro, a 45 km da costa romena e a 120 km da Odessa ucraniana, situa-se a Ilha da Serpente, com um comprimento de aproximadamente 1 km e uma largura de 440 m. Até 1944 a Ilha da Serpente pertencia à Romênia, então ela entrou na posse da URSS até 1991. Hoje é território ucraniano. Os líderes romenos nunca desafiaram o direito da Ucrânia à Ilha da Serpente nos últimos 25 anos, que na verdade era solo romeno. Prova que os líderes políticos e militares romenos não sabem a importância estratégica desta ilha no Mar Negro, que vale tanto quanto uma frota da OTAN. Da Ilha da Serpente, a Romênia poderia detectar e combater qualquer pouso russo na costa romena.

Romênia: um objetivo fundamental da penetração nos Balcãs Ocidentais.

Na ciência militar, o Teatro de Ações Militares da Europa Central e Oriental (TAM) e a sua orientação estratégica balcânica é a ponte entre a Europa, a Ásia e o continente africano. A Romênia está estrategicamente situada numa das duas direções operacionais dentro da orientação estratégica dos Balcãs. É uma Direção operativa turca começando em Istambul, correndo pelo território búlgaro, passando pelos Cárpatos da Romênia, chegando a Belgrado-Pancevo e Budapeste. Por conseguinte, a Rússia está interessada em criar um novo equilíbrio estável nos Balcãs Ocidentais e necessita de um corredor do Mar Negro para a Sérvia, passando pela Romênia [1].

A Ilha da Serpente em vez do escudo anti-balistico americano em Deveselu.

O escudo antibalístico dos EUA localizado em Deveselu (Romênia) é um complexo terrestre, retirado de um destroyer classe Arleigh Burke dos EUA e consiste de um radar AN / SPY-1D, alvos de rastreamento e mísseis guiados e um sistema de liberação Mk-41 VLS, consistindo de células de tipo vertical. O VLS Mk-41 tem a capacidade de lançar cada tipo de foguete tipo navio-ar: RIM-174 / Míssil Padrão-6 ERAM (alcance 370 km) RIM-156A / Míssil Padrão-2 (190 km de alcance) e RIM-7 Sea Sparrow (alcance 19 km). O vertical VLS Mk-41 tem a habilidade de lançar cada um tipo de foguete – navio-a-navio, navio-submarino, navio, litoral e míssil de cruzeiro (foguete-torpedo anti-submarino ENG-139 ASROC com um alcance de 22 km, míssil de cruzeiro Tomahawk com um alcance de 1.400 km, foguete navio-a-navio, navio-costeira RGM-165 / míssil padrão-4 com um raio de 280 km). O sistema de lançamento vertical VLS Mk-41 também é armado com foguete antibalistico RIM-161 / Standard Missile – 3 / 1b. O destroyer de classe Arleigh Burke tem um comprimento de 154 m, dos quais a seção ponte de lançadores montados verticalmente Mk-41 é de 55 m, razão pela qual toda a instalação americana em Deveselu se encaixa na Ilha da Serpente. Se a Romênia tivesse um comandante militar bem treinado, ele teria que propor, desde 2010, que o escudo antibalístico esteja localizado na Ilha da Serpente, não em Deveselu.

Leia também: A nova corrida armamentista, o equilíbrio militar leste-oeste e a importância estratégica da Criméia.

A Ilha da Serpente é também o local ideal para um posto avançado destinado a controlar a situação em torno da Transnístria. A separatista Transnistria faz parte da Moldávia (ex-Bessarabia romena), que não tem fronteira com a Rússia e ainda abriga um contingente de forças de paz, composta por militares russos. Tanto a Ucrânia como a Moldávia aprovaram uma lei que anula os acordos anteriores sobre o seu trânsito para e da Transnístria. A fronteira entre Transnístria e Odessa, onde uma brigada mecanizada ucraniana é implantada, é de 95 km, e todas as intersecções são controladas por ucranianos. Basicamente, os militares russos na Transnístria não podem ser substituídos ou abastecidos, ficando presos na área. O cenário “Operação Boomerang” foi divulgado pelo cientista político ucraniano Sergei Gaidai, diretor do Centro de Planejamento Estratégico / ele propôs uma Blitzkrieg, afirmando que os “pequenos homens verdes” ucranianos iriam lidar em cinco dias com a Transnístria, capturando a liderança e contingente das forças de paz russas estacionadas lá. Neste caso, para contrariar sua ocupação militar e capturar a Transnístria, a Rússia precisaria de um transporte aéreo de aeronaves militares sobre o mar Negro da Criméia russa até o estuário do rio Dniester (120 km). E nisso eles estariam sobrevoando o espaço aéreo da Ucrânia até a Transnístria (100 km). Esta área da manobra pertence a Ucrânia e é chamada Bessarabia do sul ou Bugeac, uma área que pertenceu, até o fim da segunda guerra a Romenia. Se um escudo antibalístico americano Mk-41 se localizasse na Ilha da Serpente em vez de Deveselu, neutralizaria qualquer tentativa de desdobramento de tropas russas por via marítima ou aérea.

Clique no mapa para ampliar.

Em 4 de janeiro de 2016, Aaron Korewa, conselheiro do Ministro de Relações Exteriores da Suécia, publicou um artigo no qual descreveu o seguinte cenário: A Rússia envia vários navios civis perto da Ilha da Serpente, treinados em missões humanitárias em bases russas na Criméia. Seriam realmente “homens verdes pequenos” russos, armados com AK-47 que aterrariam na Ilha da Serpente usando botes infláveis presos a quatro submarinos russos e navios de superfície sob proteção russa. A Ilha da Serpente sob ocupação russa seria transformada em um posto militar que garantiria o controle sobre o oeste e noroeste do Mar Negro [2].

Se a Rússia decidir agarrar a Ilha da Serpente, a frota do Mar Negro de navios de guerra russos pode posicionar-se para fechar qualquer saída no Golfo de Odessa, bloqueando assim a pequena flotilha ucraniana em suas bases. Usando aeronaves de combate, ataques de helicópteros contra navios de guerra e marines russos podem forçar a guarnição ucraniana da Ilha da Serpente a render-se de duas a quatro horas, sem qualquer resistência.

Leia também: Poder militar em imagens: as 9 melhores infografias sobre o mais avançado armamento russo.

Corvetas classe Buyan, pertencentes à frota russa do Mar Cáspio, serviram como plataformas para o lançamento de mísseis de cruzeiro Kalibr (faixa de 1500 km) que atingiram os objetivos na Síria. Os sistemas de lançamento vertical do UKSK em navios russos são semelhantes ao Mk-41 americano AEGIS em destróieres e cruzadores e semelhantes aos de Deveselu. Os sistemas navais do UKSK, além de lançar mísseis de cruzeiro, também disparam mísseis supersônicos 3M55 Oniks (300 km de alcance), superfície-terra ou navio costeiro, Kh-35 ou da família Club N / S. Os navios de combate russos são montados com lançamento vertical Redut (32 células), que podem usar tanto mísseis do tipo AA S-300/400 (raio de 200-400 km), bem como mísseis AA de ação curta de médio alcance.

O equipamento de banda larga russo Krasukha-4 foi utilizado com sucesso na Síria, e está bloqueando a vigilância de radar de satélites militares, radares navais, radares terrestres na Romênia, Moldávia e Ucrânia do sul, radares tipo AWACS e aéreo de bordo nos caças. Os russos podem construir plataformas para radar de alta potência para utilizar o equipamento de interferência Krasukha-4 no solo rochoso da Ilha da Serpente, sistemas Redut UKSK, e bunkers solo-solo, mísseis Iskander (500 km de alcance). Assim, terão a possibilidade de criar, no noroeste do Mar Negro uma “zona de exclusão”, como na Criméia, impermeável a todos os meios da OTAN (“Anti-Acesso / Negação de Área” – “A2 / AD bubble”). O escudo antibalistico americano em Deveselu seria ameaçado pelos mísseis Iskander localizados na Ilha da Serpente, porque entre os dois locais a distância é de 479 km.


Referências:

[1]. Rumo a um novo equilíbrio estável para os Balcãs ocidentais? (Http://katehon.com/article/towards-new-stable-equilibrium-western-balkans)
[2]. O que 2016 significará para a Ucrânia? (http://www.atlanticcouncil.org/blogs/new-atlanticist/what-will-2016-mean-for-ukraine).

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: ¹ Katehon | ² autor: Valentin Vasilescu Katehon

Compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp http://wp.me/p26CfT-4mi

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA