O homem que arruinou a indústria de aviões de guerra soviética.


Conheça Adolf Georgievich Tolkachev

Em março de 1986, os aviadores da Marinha dos Estados Unidos voaram, manobravam e atropelavam a Força Aérea Árabe da Líbia tão mal que os líbios deixaram de voar seus interceptores sobre o Golfo de Sidra.

Como resultado, Trípoli teve de renunciar a sua reivindicação sobre esta parte do Mediterrâneo. Igualmente prejudicial, a falta de cobertura aérea permitiu aos americanos atacar com relativa impunidade.

Você poderia até sublinhar o sucesso dos americanos para o treinamento superior e táticas. Mas não descarte outro fator potencialmente importante – a espionagem. Em meados da década de 1980, os militares norte-americanos haviam conseguido resmas de inteligência vital sobre armamentos fabricados pelos soviéticos, particularmente aeronaves e sistemas relacionados, de Adolf Georgievich Tolkachev, um engenheiro soviético descontente.

Tolkachev foi, sem dúvida, o homem que destruiu a indústria soviética de aviões de guerra. Muito do que se segue pode ser encontrado no livro de David Hoffman, The Billion Dollar Spy ou ‘O Espião de um Bilhão de Dólares’.

Considere a derrota sonora das forças líbias infligida pelos americanos. Em 24 de março de 1986 – tendo já limpado o espaço aéreo sobre o Golfo de Sidra – os aviões da marinha dos EUA destruíram facilmente uma instalação de míssil terra-ar SA-5 Gammon da Líbia em Sidra e afundaram diversos barcos de mísseis rápidos da marinha líbia.

Apenas um mês depois, os F-111Fs da Força Aérea dos EUA bombardearam três alvos cuidadosamente selecionados em Trípoli, enquanto os Intruders A-6E da Marinha atingiram dois alvos em Benghazi. Apesar da feroz resistência das defesas aéreas líbias, os americanos perderam apenas um de seus bombardeiros.

Adicionando insulto à injúria, em janeiro de 1989 um par de F-14A Tomcats da Marinha dos EUA derrubou dois interceptores MiG-23MF da Força Aérea Libia.

A série de vitórias nos EUA continuou durante a década de 1990. Em 1991, o poder aéreo dos EUA superou a força aérea iraquiana em questão de três dias. Depois de voar apenas algumas missões defensivas, a força aérea iraquiana – um braço de ar bem equipado e temperado por oito anos de guerra amarga com o Irã – foi praticamente aterrada e posteriormente evacuou seu avião mais precioso para o Irã.

Algumas das primeiras vítimas da traição de Tolkachev foram numerosos clientes de exportação soviéticos, incluindo pilotos da Força Aérea da Líbia – incluindo o piloto deste MiG-23MF, prestes a ser abatido por uma F-14A da Marinha dos EUA em 4 de janeiro de 1989. Foto: Liberação da Marinha dos EUA.

Exceto em um punhado de casos, as elaboradas defesas aéreas do Iraque – pacientemente desenvolvidas a grande custo ao longo de quase 20 anos – não revelaram nenhum obstáculo importante para as forças americanas.

Estes são apenas quatro dos cerca de uma dúzia de exemplos em que o poder aéreo dos EUA superou seus oponentes nos últimos 30 anos. Agora, poder-se-ia argumentar que os oponentes em questão não eram páreos para os americanos – que eram mal treinados, mal comandados, inexperientes e equipados com modelos de exportação rebaixados de aeronaves e armamentos fabricados pelos soviéticos.

Que eles estavam, em outras palavras, muito longe do tipo de ameaça que os soviéticos e, mais tarde, os russos, eles mesmos representavam. Fontes bem informadas do Iraque e da Líbia contrariam essa impressão, insistindo que suas forças aéreas possuíam equipamentos modernos operados por oficiais e pilotos bem treinados e habilidosos.

Alguns podem chegar ao ponto de dizer que a Força Aérea Sérvia e as Defesas Aéreas terrestres foram muito melhores quando enfrentaram o poder aéreo da OTAN liderado pelos EUA em 1995 e 1999. Outros salientariam que, no final dos anos 90, as defesas aéreas iraquianas estavam tão desgastadas e tão constrangidas por ordens absurdas dos principais líderes políticos, que representavam um perigo maior para si mesmos do que para os seus adversários.

No entanto, deixando de lado detalhes sobre aeronaves e equipamentos, treinamento, táticas, estratégia, política e outros ruídos de fundo, uma coisa permanece comum em todas essas operações – o incrível nível de conhecimento das forças americanas sobre os sistemas de armas soviéticos e russos usados ​​pelos líbios, iraquianos e sérvios.

Por exemplo, os pilotos do A-7E Corsair IIs da Marinha dos EUA que atacaram as localidades dos sistemas anti-aéreos SAM-5 Gammon da Líbia perto de Sidra durante a noite de 24 de março de 1986, conheciam as especificações de desempenho exatas do sistema que estavam enfrentando.

Da mesma forma, as tripulações dos dois F-14A Tomcats que derrubaram um par de MiG-23MFs líbios tinham um conhecimento intrincado da aeronave MiG-23. Os pilotos de F-15 da Força Aérea dos EUA que caçavam MiGs sobre o Iraque no período de 1991 a 2002 sabiam exatamente o que os aviões, aviônicos e armamento de seus adversários eram capazes de fazer.


O MiG-29 foi severamente atingido pelo caso Tolkachev, e os soviéticos reagiram colocando o MiG-29SMT, representado aqui. No entanto, esses esforços estavam longe de ser satisfatórios, enquanto a falta de financiamento causou atrasos de décadas. Coleção Tom Cooper.

A evidência indica que a inteligência superior era a chave para os sucessos militares americanos. Considere que os manuais táticos que a Escola de Armas de Combate da Força Aérea dos EUA emitiu no final da década de 1980 já estavam bem informados sobre os equipamentos soviéticos mais recentes, incluindo o MiG-29, Su-27, SA-10 Grumble, SA-11 Gadlfy e muitos outros.

Tolkachev forneceu muito da inteligência mais útil. Ele foi, nos anos 70 e 80, engenheiro eletrônico do Instituto de Pesquisas Científicas da URSS, mais conhecido como o Phazotron Design Bureau – principal desenvolvedor de radares militares e aviônicos da URSS.

Motivado pela perseguição dos pais de sua esposa sob Joseph Stalin e decepcionado com o governo comunista, Tolkachev estabeleceu laços com a Agência Central de Inteligência dos EUA em Moscow e, a partir de 1979, começou a transferir enormes volumes de dados altamente confidenciais e extremamente sensíveis sobre os mais importantes aviônicos, radares e armas instalados em aviões de combate fabricados pelos soviéticos.

A quantidade de material que “Donald”, como Tolkachev era conhecido da CIA, era tal que os tradutores dos EUA não conseguiam acompanhar. Permaneceram ocupados traduzindo e estudando as informações fornecidas por Tolkachev nos anos 90.

Já em dezembro de 1979, o Departamento de Defesa dos EUA reconfigurou completamente o pacote eletrônico de um de seus mais recentes aviões de caça, baseado nas informações de Tolkachev.

Uma avaliação interna da CIA de março de 1980 elogiou as informações de Tolkachev sobre a última geração de sistemas soviéticos de mísseis terra-ar. “Nós nunca antes obtivemos tais detalhes e compreensão de tais sistemas até anos depois de serem realmente implantados”, sublinhou a CIA.

Uma das poucas fotos de Adolf Tolkachev que se tornou disponível. Foto via David Hoffman.

Em abril de 1980, outro memorando interno da CIA chamou as informações de Tolkachev sobre os testes de “jam-proofing” (impermeabilização) para os sistemas de radar de aviões de combate soviéticos “únicos”. Obviamente, Tolkachev forneceu dados que nenhum outro ativo da CIA tinha acesso.

Poucos meses depois, Tolkachev foi creditado por “fornecer informações exclusivas sobre um novo avião de caça soviético e documentos sobre vários novos modelos de sistemas de mísseis aerotransportados”.

Da mesma forma, um memorando do Departamento de Defesa de setembro de 1980 elogiou o impacto dos relatórios de Tolkachev como “ilimitados em termos de melhorar a eficácia dos sistemas militares dos EUA.” Os vazamentos de Tolkachev tinham o “potencial para salvar vidas e equipamentos” e eram “curso de bilhões de dólares de atividades de pesquisa e desenvolvimento dos EUA.”

A extensão do dano que Tolkachev causou aos soviéticos é difícil de resumir em poucas frases. O pouco que a CIA divulgou sobre sua cooperação com Tolkachev indica que ele poderia ter causado danos irreparáveis ​​à aviação militar soviética e às indústrias de defesa aérea.

Ele certamente proporcionou aos americanos uma visão completa dos aviões modernos fabricados pelos soviéticos, como os MiG-29, MiG-31 e Su-27 e seus mísseis ar-ar – e permitiu que cientistas e engenheiros dos EUA desenvolvessem rapidamente contramedidas eletrônicas contra esses sistemas.

Talvez mais importante ainda, o caso Tolkachev atingiu a União Soviética em um momento de instabilidade para a URSS. Um espião soviético nos Estados Unidos revelou a espionagem de Tolkachev no início de 1985. O governo soviético executou Tolkachev em 1986.

No entanto, a União Soviética até então estava se arruinando – e se dissolveu em 1991. Durante a maior parte da década de 1990, o que restava da aviação militar russa e das indústrias de defesa aérea languideceu devido a uma falta geral de financiamento. As atualizações importantes dos mais novos aviões de combate e de vários sistemas de defesa aérea – tudo urgentemente necessário por causa da traição de Tolkachev – levaram décadas para serem implementadas.

Nas palavras de um engenheiro Sukhoi, “foram necessários mais de 10.000 upgrades diferentes e mais de 20 anos” apenas para melhorar o Su-27 original para o Su-27SM-padrão, e assim “reparar alguns dos danos” Tolkachev causado.

Embora detalhes completos sobre o que exatamente Tolkachev revelou à CIA sejam improváveis ​​de se tornarem públicos por um número de anos, foi certamente muito. Os efeitos de sua traição – acima de tudo o fato de que uma geração inteira de novos aviões de combate, ar-ar e até mesmo mísseis terra-ar estava comprometida e, portanto, tornaram-se obsoletos assim que entrou em serviço – ainda estão sendo sentidos na Rússia hoje.

Autor: Tom Cooper

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: War is Boring.com

Compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp http://wp.me/p26CfT-4qv

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA