Kiev está desesperada para provocar a Rússia antes de Trump ser empossado.


Há um par muito perigoso de meses à frente

Primeiro, parecia ser um acaso: este verão o regime Ukronazi (nazista ucraniano) enviou uma pequena unidade terrorista para a Criméia encarregada de explodir vários alvos na Criméia (veja aqui os detalhes). Eles foram presos pelos serviços de segurança russos. Em novembro, outros dois sabotadores foram pegos pelo FSB (veja aqui).

E agora algo realmente notável aconteceu. O serviço de segurança ukronazi raptou dois cidadãos russos em plena luz do dia e os acusou de serem “desertores”. Acontece que os dois homens seqüestrados são Maksim Odintsov e Alexander Baranov e que são ambos militares júnior no exército russo (sub-oficial e sargento menor).

Aparentemente, o que aconteceu foi isto: Odintsov e Baranov serviam no exército ucraniano (pelo menos é o que o SBU reivindica), mas quando a Criméia, onde Odintsov e Baranov vivem, retornou à Rússia fizeram o mesmo que dezenas de milhares de outros ucranianos militares – eles se juntaram aos militares russos.

Os dois foram atraídos para a zona neutra entre a Criméia e a Ucrânia por homens que lhes prometeu que poderiam dar-lhes diplomas provando que tinham uma educação superior em instituições ucranianas. Você pode assistir a este vídeo para ver o que realmente aconteceu a seguir (sem tradução):

O vídeo também mostra um dos dois homens, com um excelente brilho no rosto, admitindo que ele tinha servido no exército ucraniano e que ele era culpado de traição. O que é notável aqui é que os ukronazis raptaram esses dois homens em plena luz do dia em um local que estava claramente sob monitoramento de vídeo, e que, em seguida, mostrou um dos reféns com um sinal claro da surra que receberam.

Não importa quão incompetente seja o SBU, eles não são tão incapazes de perceber a natureza fantasticamente provocadora de suas ações. Esta era uma provocação absolutamente deliberada cujo objetivo era obter algum tipo de reação russa, seja na Criméia ou em algum outro lugar.

O que eles estavam realmente esperando?

Provavelmente por algum tipo de reação russa que chegaria através da fronteira: algum tipo de ataque ao posto fronteiriço ucraniano, ou talvez um ataque de artilharia. Talvez até uma tentativa de libertar os dois homens, ou mesmo um contra-seqüestro de retaliação. O que eles sabiam era que qualquer reação russa através da fronteira teria sido enfrentada por um coro de ultraje dos líderes políticos ocidentais e de seus meios corporativos.

Por enquanto, o site do Ministério dos Negócios Estrangeiros (horrivelmente lento e desajeitado) não tinha nada a dizer. O website (um tanto melhor) do Presidente da Rússia ofereceu essa reação:

    Pergunta: Senhor Presidente, gostaria de esclarecer a situação dos militares russos detidos pelos ucranianos. Que medidas você está tomando?
    Vladimir Putin: Ainda não posso dizer nada sobre essas medidas e posso dizer apenas o que sabemos atualmente, que é que esses militares serviram antigamente nas forças armadas ucranianas e, após a reunificação da Criméia com a Rússia, decidiram servir nas forças armadas russas .
    A este respeito, permitam-me, em primeiro lugar, que tenhamos sempre grande respeito e confiança no pessoal do serviço militar da Ucrânia e, por conseguinte, propusemos que continuassem a servir nas nossas fileiras.
    Em segundo lugar, eles queriam obter a confirmação de educação em um dos estabelecimentos de ensino superior da Ucrânia, e foi por isso que eles foram para a fronteira. Eles foram atraídos alguns metros mais e detidos.
    Eu acho que este tipo de traição acabará por se voltar contra aqueles que realizam tais atos. Este é o mesmo tipo de coisa como desligar a fonte de alimentação para a Criméia no inverno e pouco antes do Ano Novo. Se as pessoas na Ucrânia pensam que podem ganhar simpatia dos moradores da Criméia desta forma, isso equivale a um ataque usando meios inadequados, para usar a linguagem jurídica.

Em outras palavras: além de emitir uma condenação verbal, a Rússia não vai reagir de forma dramática. Esta é, naturalmente, a decisão correta, especialmente agora que de Trump se espera a substituição dos Neocons por alguns funcionários com mentalidade patriótica e mentalmente sãos. Mas há também um risco inerente nesta postura russa: convidar os Ukronazis a aumentar ainda mais suas provocações.

Considere isto: enquanto a junta em Kiev tem sido constantemente bombardeanda no Donbass, o Kremlin não fez nada para detê-los. Quando altos funcionários da Novorussia, como Motorola, foram assassinados por alguém contratado pela junta, os russos novamente não fizeram nada. Nem a retaliação de Moscow quando os Ukronazis enviaram sabotadores para a Criméia. O que temo é que os Ukronazis combinem essas duas provocações em uma só e ataquem a Criméia diretamente, seja por meio de uma artilharia de bombardeio direto da fronteira ou até mesmo com um ataque de artilharia contra uma cidade no norte da Criméia.

Embora de um ponto de vista militar uma resposta russa seja uma obviedade, do ponto de vista político isso pode ser muito mais difícil. Imagine isto:

O SBU esconde uma única peça de artilharia em uma cidade ao norte da fronteira da Crimeia-Ucrânia e, em seguida, começa a bombardear, à noite, é claro, posições militares russas ou a cidade, no norte da Criméia. Vários soldados russos ou civis são mortos, outros são feridos.

Os radares da contra-bateria russa imediatamente e facilmente detectam a localização de onde esses ataques vieram, mas todos sabemos desde a queda do MH-17 que as gravações de radar russas são consideradas sem valor pela mídia corporativa ocidental. E se o contra-ataque russo atingir uma cidade, isso será apresentado como mais uma agressão contra a “soberana e livre Ucrânia”.

Os russos todos se lembram de como em 08.08.08 foi a Rússia, e não a Geórgia, que foi declarada agressora e como, meses depois, os comitês de investigação da UE declararam que, bem, não, na verdade foram os georgianos que atacaram as forças russas de manutenção da paz mas ninguém no Ocidente prestou atenção a isso.

A realidade é que senão fraca, militarmente incompetente, a Ucrânia mantém o “domínio da escalada” sobre a Rússia, especialmente na Criméia. Sim, em cada degrau da escalada a Rússia é muito mais capaz e poderosa do que a Ucrânia, mas é a Ucrânia que pode escolher em que degrau da escalada ela opta por envolver a Rússia. Parece paradoxal?

Isso porque, como venho repetindo há anos, o objetivo do regime de Kiev não é vencer um conflito impossível de vencer contra a Rússia, mas apenas atrair a Rússia para a Ucrânia. A Rússia deve ter predominância escalada sobre a Ucrânia, mas na realidade é a Ucrânia, que vai começar a escolher em que degrau da escalada a Rússia será forçado a reagir. Este é um caso típico em que “a ação está na reação”.

E vamos ser honestos, com os Neocons dos EUA fora do poder em breve, pelo menos temporariamente, a junta em Kiev não tem absolutamente nada a perder de um ataque direto, flagrante, sobre a Rússia. Pense nisso: os líderes da UE e da OTAN na Europa estão absolutamente horrorizados com a vitória do Trump e estão desesperados por uma crise, por qualquer crise que lhes dê um sentido, um sentido de propósito, uma justificação perante a opinião pública europeia.

Quanto aos americanos, Trump só se tornará presidente em 20 de janeiro, o que lhes deixa tempo suficiente para reagir a qualquer crise, mesmo artificial, de modo a evitar qualquer tentativa da nova administração de melhorar as relações com a Rússia.

Claro que me parece que os neoconservadores, as elites compradoras da UE/OTAN e os Ukronazis em Kiev têm exatamente os mesmos interesses: desencadear uma crise antes de Trump ser empossado.

Entretanto, o ministro da Cultura da Ucrânia declarou o povo do Donbass um “geneticamente impróprio” para aceitar a cultura ucraniana (ninguém ainda se perguntou por que eu chamo esse regime “Ukronazi” e não “ucraniano”?), Enquanto o Parlamento Europeu declarou que a UE está numa “guerra de informação” com a Rússia e que a UE tem de “responder” ao ataque russo.

Quanto à Letônia, Lituânia e Estônia estão a preparar-se para uma iminente invasão russa. Quanto aos poloneses, eles estão ocupados exumando o corpo de Lech Kaczynskiin na esperança de provar que o russo derrubou seu avião em 2010.

Os próximos meses serão muito perigosos.

Autor: The Saker

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Russia-Insider.com

Compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp http://wp.me/p26CfT-4qx

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA