Manipulação em tempo de guerra.


Um tipo de comunicação que sempre funciona muito bem em tempo de guerra é a arte básica da propaganda. Como todos descrevendo e explicando, a informação é montada de forma a empurrar uma idéia. Se você pode obter certas idéias nas cabeças das pessoas, então eles vão agir de determinadas maneiras.

No cartaz da Primeira Guerra Mundial para o exército dos EUA ao lado, o macaco é imediatamente reconhecível de seu pickelhaube (ver foto abaixo). É também aparente imediatamente que é o tipo da besta áspera que não gosta de nada melhor do que esmagando coisas e violando mulheres. Não apenas um macaco feroz, porém, como a cultura de sua sociedade, suas idéias mais básicas, exigem destruição indiscriminada e violência. Isto é evidenciado por sua arma, uma arma que implora para ser descrito como um Kultur Klub. *

Uma técnica mais sutil usada dentro do cartaz é a imagem mais fraca da América sobre a qual o macaco está de pé. Acrescente a isso as ruínas fumegantes à distância e incentiva a percepção do observador de que, se não pararmos a Alemanha na Europa, ele virá aqui!

É uma peça muito eficaz de propaganda, encorajando as pessoas a pensar que sua terra natal e seu modo de vida estão sob ameaça de algum animal estrangeiro aterrorizante. É uma técnica ainda hoje utilizada –

Compreensivelmente, as pessoas geralmente não estão muito interessadas em se juntar ao exército, a fim de realmente ir e lutar contra outras pessoas que estão tentando muito duro para matá-lo. Se a guerra estava sendo travada em solo britânico, se a Alemanha realmente tivesse invadido a Grã-Bretanha, então muitas pessoas estariam dispostas a lutar. Mas encorajar alguém a viajar para a França para lutar contra um inimigo que, até muito recentemente, era visto como um aliado, exigiria um tipo de informação completamente diferente.

O Pickelhaube era um capacete com uma ponta usado nos séculos XIX e XX por militares alemães, bombeiros e polícia. Embora tipicamente associado com o exército prussiano, o capacete foi amplamente imitado por outros exércitos durante este período.

Durante a Primeira Guerra Mundial, as autoridades tomaram o passo muito sensato de estabelecer o Ministério da Informação para dirigir os esforços de propaganda britânica. Usando literatura, arte e filme, os britânicos desenvolveram novas técnicas para colocar idéias nas cabeças das pessoas.

Cerca de 25 anos mais tarde, não menos uma autoridade do que Joseph Goebbels faria a alegação de que a Grã-Bretanha realmente ganhou a Primeira Guerra Mundial por causa de seu domínio da propaganda. Essa importância da propaganda na sociedade deu idéias nazistas.

Outra idéia relacionada com o esforço de propaganda britânico foi a Declaração Balfour de novembro de 1917. Esta foi uma carta do ministro britânico de Relações Exteriores, James Balfour, ao Barão Rothschild, que assegurou à comunidade judaica o fato de que “o governo de Sua Majestade Palestina de um lar nacional para o povo judeu “. British P.M. David Lloyd George viu isso como uma chance de “ajudar a garantir o controle britânico do pós-guerra na Palestina”.

Balfour ** sugeriu que essa garantia permitiria à Grã-Bretanha “realizar propaganda extremamente útil na Rússia e na América”. ***

Um homem que tirou idéias úteis desta campanha de propaganda foi Edward Bernays, que afirmou: “Se entendemos o mecanismo e os motivos da mente de grupo, não é possível controlar e regimentar as massas de acordo com a nossa vontade sem que elas saibam disso “A prática recente de propaganda provou que é possível, pelo menos até certo ponto e dentro de certos limites”.

Leia também: Sociedade: A arte moderna como “arma da CIA”.

Bernays seria conhecido como “o pai das relações públicas”, mas é claro que a avó das relações públicas é a propaganda. Eles servem o mesmo propósito, que é colocar idéias úteis nas cabeças das pessoas.

Mas útil para quem? Como de costume, a resposta é simplesmente: aqueles no poder. A Grã-Bretanha de 1917 estava encorajando as pessoas comuns a ir à guerra para proteger um sistema que servia aos que estavam no poder. Edward Bernays passou sua carreira servindo os propósitos dos poderosos. Após a cessação das hostilidades, a propaganda do capacete de estanho da guerra foi simplesmente trocada pela máscara sorridente das Relações Públicas. Esse era um passo lógico, como Bernays sustentava: “A manipulação consciente e inteligente dos hábitos e opiniões organizados das massas é um elemento importante na sociedade democrática”.

  • Também poderia ser descrito como um Kultur Knüppel, mas não tem o mesmo anel.

** Em um exemplo fino de como a comunicação trabalha frequentemente, a declaração de Balfour pôde ser descrita mais útil como a declaração de Milner, como foi elaborada realmente por senhor Alfred Milner.

*** Prosseguir Propaganda (1917): Dir. Gerald Thomas. Estrelando Sid James, Phil Silvers, Hattie Jaques, Barbara Windsor, + Kenneth Williams, Charles Hawtrey. Escrito por Talbot Rothwell e um cavalheiro do Ministério da Informação.

Autor: Don Cake

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Don Cake´s Blog

Compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp http://wp.me/p26CfT-4qO

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA