Visão de Kissinger para as relações EUA-Rússia: Devemos considerar a Rússia como elemento essencial de equilíbrio global.


O político norte-americano notou que por mais poderoso que um país possa ser, nunca conseguirá dominar todos os desafios externos por si próprio.

Ele opina que depois da Guerra Fria os dois países continuaram muito ligados um ao outro, mas mesmo assim falharam em cooperar efetivamente. Ao contrário, começaram a trocar tentativas de “demonização”.

Kissinger vê razões para isso primeiramente na compreensão insuficiente da perspectiva histórica. Para os Estados Unidos, segundo o ex-chanceler, o fim da Guerra Fria se tornou a prova da crença tradicional para América na inevitabilidade da revolução democrática e ampliação do sistema internacional baseada na supremacia da lei. Mas a visão russa é diferente e mais complicada. Para o país que por muito tempo estava sob a pressão e enfrentou agressão do Ocidente assim como do Oriente, a segurança sempre terá não só fundação legislativa, mas também geopolítica. “A tarefa que atualmente enfrentamos é unificar ambos os pontos de vista – legislativa e geopolítica – num conceito único”, escreveu Kissinger. Segundo o político, as lideranças dos EUA e Rússia deverão resolver muitas divergências e notou que ambos estão interessados em parar a situação atual instável e inquieta e torna-la “no equilíbrio novo, mais multipolar e globalizado”.

Reunião entre Henry Kissinger e Vladimir Putin. 3 de fevereiro 2016 © AFP 2016/ SPUTNIK / ALEXEI NIKOLSKY.

Reunião entre Henry Kissinger e Vladimir Putin. 3 de fevereiro 2016 © AFP 2016/ SPUTNIK / ALEXEI NIKOLSKY.

Cabe mencionar que em 3 de fevereiro o presidente russo Vladimir Putin realizou o encontro com Kissinger, ocasião em que os dois políticos discutiram a situação mundial.¹

A visão de Kissinger para a Rússia.

De 2007 a 2009, Evgeny Primakov e eu presidimos um grupo composto por ministros aposentados, altos funcionários e líderes militares da Rússia e dos Estados Unidos, incluindo alguns de vocês presentes aqui hoje. Sua finalidade era aliviar os aspectos adversários da relação EUA-Rússia e considerar oportunidades para abordagens cooperativas. Nos Estados Unidos, foi descrito como um grupo Track II, o que significava que era bipartidário e encorajado pela Casa Branca para explorar, mas não negociar em seu nome. Alternávamos reuniões no país do outro. O presidente Putin recebeu o grupo em Moscow em 2007 e o presidente Medvedev em 2009. Em 2008, o presidente George W. Bush reuniu a maior parte de sua equipe de Segurança Nacional na Sala do Gabinete para um diálogo com nossos convidados.

Todos os participantes haviam ocupado posições de responsabilidade durante a Guerra Fria. Durante os períodos de tensão, eles haviam afirmado o interesse nacional de seu país tal como o entendiam. Mas eles também aprenderam através da experiência os perigos de uma tecnologia que ameaçava a vida civilizada e evoluindo numa direção que, em crise, poderia atrapalhar qualquer atividade humana organizada. Impulsionavam-se em todo o mundo, ampliados em parte por diferentes identidades culturais e ideologias conflitantes. O objetivo do esforço da Track II era superar crises e explorar princípios comuns de ordem mundial.

Evgeny Primakov foi um parceiro indispensável neste esforço. Sua mente analítica aguda combinada com uma ampla compreensão das tendências globais adquiridas em anos próximos e, finalmente, no centro do poder, e sua grande devoção ao seu país refinou nosso pensamento e ajudou na busca de uma visão comum. Nem sempre concordamos, mas sempre nos respeitamos. Todos nós sentimos sua falta, falo por mim pessoalmente como um colega e um amigo.

Eu não preciso dizer que nossas relações hoje são muito piores do que eram há uma década. Na verdade, elas são provavelmente as piores que têm sido desde antes do final da Guerra Fria. A confiança mútua tem sido dissipada em ambos os lados. A confrontação substituiu a cooperação. Sei que em seus últimos meses, Evgeny Primakov procurou maneiras de superar esse estado de coisas perturbador. Honraríamos sua memória fazendo esse esforço nosso.

No final da Guerra Fria, os russos e os norte-americanos tiveram uma visão de parceria estratégica moldada por suas experiências recentes. Os americanos esperavam que um período de reduzidas tensões levaria a uma cooperação produtiva em questões globais. O orgulho russo em seu papel na modernização de sua sociedade foi temperado pelo desconforto na transformação de suas fronteiras e no reconhecimento das tarefas monumentais a frente na reconstrução e redefinição. Muitos dos dois lados entenderam que os destinos da Rússia e dos Estados Unidos permaneceram estreitamente entrelaçados. A manutenção da estabilidade estratégica e a prevenção da propagação de armas de destruição maciça tornaram-se uma necessidade crescente, assim como a construção de um sistema de segurança para a Eurásia, especialmente ao longo da longa periferia da Rússia. Novas perspectivas se abrem no comércio e no investimento; A cooperação no domínio da energia encabeçou a lista.

Lamentavelmente, a dinâmica de agitação global superou as capacidades de estadista. A decisão de Evgeny Primakov como primeiro-ministro, em um vôo sobre o Atlântico para Washington, para ordenar que seu avião voltasse a Moscow para protestar contra o início das operações militares da Otan na Iugoslávia era simbólico. Houve as esperanças iniciais de que a estreita cooperação nas primeiras fases da campanha contra a Al Qaeda e o Talibã no Afeganistão pudesse conduzir a parcerias sobre um leque mais amplo de questões enfraquecidas no vórtice das disputas sobre a política do Oriente Médio e, em seguida, colapsou com os movimentos militares russos no Cáucaso em 2008 e na Ucrânia em 2014. Os esforços mais recentes para encontrar um terreno comum no conflito da Síria e para desarmar a tensão sobre a Ucrânia fizeram pouco para mudar o senso crescente de estranhamento.

A narrativa prevalecente em cada país coloca toda a culpa no outro lado, e em cada país há uma tendência a demonizar, se não o outro país, então os seus líderes. À medida que as questões de segurança nacional dominam o diálogo, algumas das desconfianças e suspeitas da amarga luta pela Guerra Fria reapareceram. Esses sentimentos foram exacerbados na Rússia pela memória da primeira década pós-soviética, quando a Rússia sofreu uma crise econômica e política impressionante, enquanto os Estados Unidos tiveram seu período mais longo de expansão econômica ininterrupta. Tudo isso causou diferenças políticas sobre os Balcãs, o ex-território soviético, o Oriente Médio, a expansão da Otan, a defesa de mísseis e as vendas de armas para dominar as perspectivas de cooperação.

Talvez o mais importante tenha sido uma lacuna fundamental na concepção histórica. Para os Estados Unidos, o fim da Guerra Fria parecia uma reivindicação de sua fé tradicional na inevitável revolução democrática. Visualizava a expansão de um sistema internacional regido por regras essencialmente legais. Mas a experiência histórica da Rússia é mais complicada. Para um país através do qual os exércitos estrangeiros têm marchado durante séculos, tanto do Oriente como do Ocidente, a segurança terá sempre de ter uma base geopolítica, bem como legal. Quando sua fronteira de segurança se move do Elba a 1.000 milhas leste em direção a Moscow, a percepção da Rússia de ordem mundial vai conter um componente estratégico inevitável. O desafio do nosso período é unir as duas perspectivas – a legal e a geopolítica – num conceito coerente.

Desta forma, paradoxalmente, nos encontramos diante de um problema essencialmente filosófico. Como os Estados Unidos trabalham em conjunto com a Rússia, país que não compartilha todos os seus valores, mas é um componente indispensável da ordem internacional? Como a Rússia exerce seus interesses de segurança sem despertar alarmes em sua periferia e acumular adversários? A Rússia pode ganhar um lugar respeitado nos assuntos globais com os quais os Estados Unidos estão confortáveis? Os Estados Unidos podem perseguir seus valores sem serem vistos como ameaçando impô-los? Não vou tentar propor respostas a todas essas perguntas. Meu objetivo é encorajar um esforço para explorá-los.

Muitos comentaristas, russos e americanos, rejeitaram a possibilidade dos EUA e da Rússia trabalharem cooperativamente em uma nova ordem internacional. Na sua opinião, os Estados Unidos e a Rússia entraram numa nova Guerra Fria.

O perigo hoje é menos um retorno ao confronto militar do que a consolidação de uma profecia auto-realizável em ambos os países. Os interesses de longo prazo de ambos os países exigem um mundo que transforme a turbulência e o fluxo contemporâneos em um novo equilíbrio cada vez mais multipolar e globalizado.

A natureza da turbulência é em si sem precedentes. Até há pouco tempo, as ameaças internacionais globais eram identificadas com a acumulação de poder por parte de um Estado dominante. Hoje em dia, as ameaças surgem mais frequentemente da desintegração do poder estatal e do crescente número de territórios não governados. Este poder de expansão do vácuo não pode ser tratado por qualquer Estado, não importa quão poderoso, em uma base exclusivamente nacional. Exige uma cooperação sustentada entre os Estados Unidos e a Rússia, e outras grandes potências. Portanto, os elementos de competição, ao lidar com os conflitos tradicionais no sistema interestadual, devem ser limitados para que a competição permaneça dentro de limites e crie condições que previna uma recorrência.

Há, como sabemos, uma série de questões de divisão diante de nós, a Ucrânia ou a Síria como o mais imediato. Nos últimos anos, nossos países se empenharam em discussões episódicas de tais assuntos sem muito progresso notável. Isso não é surpreendente, porque as discussões se realizaram fora de um quadro estratégico acordado. Cada uma das questões específicas é uma expressão de uma estratégia maior. A Ucrânia precisa ser incorporada na estrutura da arquitetura de segurança européia e internacional de tal forma que sirva como uma ponte entre a Rússia e o Ocidente, e não como um posto avançado de qualquer lado. Em relação à Síria, é claro que as facções locais e regionais não podem encontrar uma solução por conta própria. Os esforços compatíveis entre os EUA e a Rússia, coordenados com outras grandes potências, poderiam criar um padrão para soluções pacíficas no Oriente Médio e talvez em outros lugares.

Qualquer esforço para melhorar as relações deve incluir um diálogo sobre a ordem mundial emergente. Quais são as tendências que estão corroendo a velha ordem e moldando a nova? Quais são os desafios que as mudanças representam tanto para os interesses nacionais quanto para os russos? Qual o papel que cada país quer desempenhar na formação dessa ordem e que posição pode razoavelmente e, finalmente, esperar ocupar nessa nova ordem? Como reconciliar os conceitos muito diferentes de ordem mundial que evoluíram na Rússia e nos Estados Unidos – e em outras grandes potências – com base na experiência histórica? O objetivo deve ser desenvolver um conceito estratégico para as relações entre os EUA e a Rússia, dentro do qual os pontos de contenção podem ser gerenciados.

Você pode ter uma visão 20/20 novamente sem cirurgia?

Nas décadas de 1960 e 1970, percebi as relações internacionais como uma relação essencialmente contraditória entre os Estados Unidos e a União Soviética. Com a evolução da tecnologia, desenvolveu-se uma concepção de estabilidade estratégica que os dois países poderiam implementar, mesmo que sua rivalidade continuasse em outras áreas. O mundo mudou drasticamente desde então. Em particular, na ordem multipolar emergente, a Rússia deve ser percebida como um elemento essencial de qualquer novo equilíbrio global, não principalmente como uma ameaça aos Estados Unidos.

Passei a maior parte dos últimos setenta anos envolvidos de uma maneira ou de outra nas relações entre os EUA e a Rússia. Estive em centros de decisão quando os níveis de alerta foram levantados, e em celebrações conjuntas de realização diplomática. Nossos países e os povos do mundo precisam de uma perspectiva mais durável.

Estou aqui para defender a possibilidade de um diálogo que procure mesclar o nosso futuro em vez de elaborar os nossos conflitos. Isso requer respeito por ambos os lados dos valores vitais e interesse do outro. Esses objetivos não podem ser concluídos no que resta da administração atual. Mas nem suas buscas devem ser adiadas para a política doméstica americana. Vai apenas vir com a vontade, tanto em Washington como em Moscow, na Casa Branca e no Kremlin, de ir além das queixas e do sentimento de vitimização para enfrentar os maiores desafios que os dois países enfrentam nos próximos anos.

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: ¹ Sputnik News.com, ² Katehon.com

Compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp http://wp.me/p26CfT-4zy

Acompanhe a série “Como será a vida no futuro: A Agenda Oculta da Nova Ordem Mundial” publicada todos os domingos em Dinâmica Global.

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA